Posts Tagged ‘ Brasil

2010: uma agenda da memória do futuro.

O ano de 2010, ainda não começou, em termos culturais, é claro.  No entanto, outros aspectos: o profissional, o acadêmico e o político, estão em curso. De modo que, dado o calendário (sim, sempre os calendários) , o horizonte deste blog tem por paisagem os itens abaixo relacionados:

  1. Digitalização
  2. Acervos Particulares
  3. Acervos públicos:constituição, preservação e divulgação
  4. Regulamentação de Documentação não-escrita
  5. Regulamentação dos acervos audiovisuais
  6. Padrões livres de arquivos digitais
  7. Dados governamentais Públicos e Livres
  8. Repositórios públicos, abertos e livres
  9. Interfaces visuais
  10. Conteúdo colaborativo
  11. Direitos Autorais
  12. Indexação

Seira muita utopia que esses doze itens fossem resolvidos, ao final dos doze meses… O número aqui é mais fruto de coincidência do que adequação. Por coincidência entende-se o fato de que, ao elencar os temas acima, isto não os faz mais ou menos prioritários frente a mobilização das instituições, sociedade civil e governo. O tempo dirá no final do ano, o que será discutido neste, ou no próximo, o que foi abordado nesse, e o que vem se protelando desde o ano passado. As tendências mundiais sobre estes assuntos, são promissoras, em sua maioria. Ocorre porém, que a realidade brasileira tem suas peculiaridades…Como são extensos, interligados e por si complexos, os temas serão abordados em posts daqui para frente, uma coisa de cada vez.

Na verdade,esses doze pontos são vinte e quatro, quarenta e oito…ou tantos quantos forem os assuntos que surgirem aqui, ou no grupo de Memória Digital, por sugestão, durante o ano.

De início, cabe dizer que os assuntos não estão em qualquer ordem, melhor assim, pois trata-se de uma previsão, e acertar a ordem de prioridade, além de agenda, já extrapola em muito a mágica aqui em curso neste Fórum da Cultura Digital Brasileira.

Memória, Identidade e Arquivo: a política do vazio visual.

Em geral, quando se pensa na história da ciência e tecnologia, o máximo recuo temporal que se faz, é ir até a Grécia, ou, para aqueles sem sentimentos negativos para com outros povos não ocidentais, ao Egito, Oriente Médio e alguns países da Ásia, como Índia e China.

A idéia para o primeiro post do ano, era colocar a figura de um calendário do “controverso” povo Dogon, no Mali. Com isso, pretendia falar sobre os conhecimentos científicos a sua relação com as tradições… o registro destas culturas, sua relação com o conhecimento humano. Mas ai, ao procurar, algo que me parecia evidente, se mostrou invisível. Uma busca sobre calendários relacionados ás culturas africanas, em geral, se mostrou pouco relevante, quase nula.  Parece algo irônico que a negação desse fato: o de que viemos desse continente, passe também pela negação não apenas do fenótipo africano, misto de reações diversas. Passa também pela negligência de querer saber, ou mesmo esconder, calar, omitir…

Calendários registram, ou guardam,  cada um ao seu modo, o tempo. Essa prática produz esse “objeto cultural” valioso, que é medido, vendido, gasto, retirado, acrescido, sempre de acordo com uma intenção. No caso da memória digital, que se condensa como valor cultural  tanto no passado, presente e futuro, a possibilidade de ligação desses momentos só ocorre com o arquivo. Neste dispositivo, podemos ter o que foi produzido ontem, hoje e guardar o que será produzido, além de recuperar, em tempos futuros, o que se tem guardado.

Por fim, achei não um calendário, mas a Real Sociedade  Britânica, que conduziu uma palestra do professor Thebe Medupede, um astrônomo da África do Sul, intitulada “Cosmic Africa”. Da mesma forma que manifesto aqui meu incômodo, o professor, munido de seus registros e dados, produziu um documentário com o mesmo nome. Já para os Aimarás (limítrofes entre Peru, Bolívia, Argentina e Chile) etnia a qual pertence o presidente Evo Morales, o tempo é medido de forma inversa a nossa. Assim, o que está à frente é o passado, o qual se pode ver, ao passo que, o futuro, é aquilo que está nas “costas” e não pode ser visto.

O arquivo, o registro, a informação nunca é neutra, como discursos sobre algo, são sempre construções humanas e como tais, determinadas por suas potencialidades e fraquezas. O mais incômodo disso tudo é a posição de muitos profissionais de arquivo que vêem como irrelevantes, todas aquelas culturas que não possuem registros escritos para se constituírem em povos com historia. O filósofo alemão Hegel, escreveu em seu livro “Filosofia da História” que os africanos não tinham história, eram pré-históricos e portanto, pertenciam à infância da humanidade. Há, para ser justo, opiniões (posteriores á sua morte) que contestam, sem mostrar textualmente os argumentos.   Tudo muito triste e silenciado, mais uma vez.

Muitos profissionais da ciência da Informação, da Ciência da Computação, da História, e campos afins, não só acreditam nas palavras de Hegel, como também se esmeram para fazê-las verdade, afinal, são eles quem definem o que é documento, tecnologia, e civilização.

 Civilizações africanas antes da colonização européia

Civilizações africanas antes da colonização européia (cilque na imagem para uma resolução maior)

Quando se pensa, por exemplo, que o Império de Gana, entre muitos,  teve milhões de pessoas, antes que os europeus fossem para lá escravizar e matar, e que por isso teriam necessariamente que conhecer os corpos celestes para com isso praticar uma agricultura baseada em períodos temporais, fica-se com a questão porque isso é silenciado, quando se fala em ciência e tecnologia.

Os conhecimentos culturais dos povos não ocidentais, não raro, são objeto de desprezo. Arquivos são construções culturais, políticas. Contém aquilo que as sociedades querem preservar, esconder, ou negar.  A queima dos arquivos da escravidão ( os registros de entrada nos portos e as compras nefastas)  brasileira são um exemplo. Por sorte( ou azar de muitos arquivistas) não foram todos destruídos. Há partes na Holanda, Portugal e Noruega ( sim, os noruegueses, hoje tão civilizados, escravizaram bastante…) que mais cedo ou mais tarde, serão parte da memória do futuro. Os arquivos do período da ditadura, outro de grandeza imensa.

Conforme se sabe, o Brasil foi um dos últimos países a abolir a escravidão no mundo. Esse dado macabro de nossa história ainda ecoa quando se pensa no que se tem dessa época como memória. O futuro, sem uma visão honesta do passado, se torna repetição da mentira. Temos a chance nesse século XXI de avançar, mas isso só irá ocorrer quando o silêncio, sobre esses e outros assuntos, como a terra e os latifúndios, forem tomados como palavras livres, abertas, públicas.

A divisão social do conhecimento digital

Em 2004,  surgiram os primeiros rumores de que Orkut era majoritariamente brasileiro em sua composição dos membros, tal constatação foi motivo de orgulho e comemoração de muitos brasileiros . Os números eram sobre um milhão de pessoas , ou 51 porcento dos usuários. Sendo brasileiros, simplesmente ignoraram os pedidos e até mesmo comunidades para que se escrevesse em português naquele ambiente, situado não no Brasil, mas em algum lugar na internet.

Simplesmente não deu certo, e o Orkut foi tomado O diálogo no fórum deste link é uma prova dessa desconsideração.  Com ele, numa lógica progressiva, cada vez mais pessoas foram se cadastrando na rede social. Ocorre que chegou um momento em que, como em qualquer rede social, virtual ou não, os membros de grupos diferentes se encontraram em algum ponto dessa rede.

O Brasil, assim ficou conhecido, dentre as suas participações já notórias sobre a cultura digital, como aquele que “dominou o Orkut”. Isso foi motivo para termos como “favelização do Orkut” aparecerem. De tão preconceituosos, os comentários sobre a entrada das pessoas com menos poder aquisitivo na internet acabaram por fazer, também, o próprio Orkut pagar o preço de novo. Quando os brasileiros decidiram que era importante dividirem o espaço digital com outra língua, a rede social do Google pagou o preço, e se viu recompensada com mais de um milhão de brasileiros cadastrados. Depois, quando esses brasileiros decidiram que ter uma conta nessa rede já não era mais um sinal positivo, foram para o Facebook, alguns, encerrando sua conta antiga, num sinal de status.

Isso é um sinal, da mesma forma, do que pode acontecer com as bibliotecas 2,3, 4.0…

A divisão social que os grupos brasileiros encontram, como era de se esperar, se apresenta também em espaços como a internet, que ao contrário do que se pensa, pode também aproximar as pessoas. Essa movimentação brasileira na internet, mostra que, como na sociedade não digitalizada, aquela onde as “pessoas se encontram” de verdade, a comunicação também não acontece. Assim continuamos nos mobilizando mais para umas coisas do que outras.

Por essa mesma lógica redutora, outro grupo que estaria fora do grupo de brasileiros que não se identifica com boa parte da população brasileira, é o de povos indígenas. Existem hoje no Brasil, cerca de 250 línguas.  (aí, quando ia colar o link da informação sobre esses povos e suas línguas, eis que me deparo com um interessante uso de cores e escalas, para exibir a informação anterior de outra forma.  Algumas delas em extinção.  Isso significa que todo conhecimento que com elas foi acumulado, se vai sem memória, sem ser incorporado ao patrimônio, e no nosso caso, o patrimônio Digital.

Ocorre que há iniciativas de constituição de um banco digital das línguas em extinção de algumas dessas línguas, ficando outras por serem incluídas. O produto do trabalho realizado para a digitalização dessas línguas está guardado nos computadores do Instituto Max Plank, na Alemanha. Neles, está sendo criado um banco de dados multimídia para fins de preservação documental.

O que se preserva desse dois exemplos, é que a tecnologia em si não garante o acesso. Temos, brasileiros índios e de outros povos, que refazer as bases do diálogo, pensar uma solução para a divisão social da informação, que gera o conhecimento digital.