set 30

Prazo para solicitar certificados do Seminário Internacional: Sistemas de Informação e Acervos Digitais de Cultura

Informamos que o prazo para solicitação de certificados do Seminário Internacional: Sistemas de Informação e Acervos Digitais de Cultura encerra-se dia 02 de outubro de 2013.

 

Agradecemos a colaboração.

maio 22

Certificados do Seminário Internacional: Sistemas de Informação e Acervos Digitais de Cultura

Para receber o certificado de participante do Seminário Internacional: Sistemas de Informação e Acervos Digitais de Cultura basta enviar um e-mail para culturadigital@cultura.gov.br com nome completo, e se desejar receber impresso, enviar  o endereço completo.

Agradecemos a presença de todos e nos colocamos à disposição.

abr 18

Videos das apresentações no evento

mqdefaultAbertura do Evento

Participação de Américo Córdula (Representante da Ministra de Estado Senhora Marta Suplicy), Evaristo Nunes e José Murilo, da Secretaria de Políticas Culturais do Ministério da Cultura, e Pedro Puntoni, coordenador da Biblioteca Brasiliana-USP

mqdefault2Desafios de Governo para Integração dos Acervos Digitais

Participação de Carlos Ditadi (Arquivo Nacional), Mônica Rizzo (Fundação Biblioteca Nacional), André Bezerra (Fundação Nacional de Arte), Caio Cesaro (Coordenador Geral de Fomento e Incentivo as Atividades Audiovisuais da SAV do MinC) e Américo Córdula (moderador).

mqdefault

Brasiliana – USP: Rede Memorial, Plataforma Corisco 2.0 e o Desafio da Digitalização para o Acesso no Brasil

Participação do Professor Pedro Puntoni, Coordenador da Biblioteca Brasiliana – USP e do Professor Edson Gomi, Coordenador-adjunto da Biblioteca Brasiliana – USP.

mqdefault2Cartografias Colaborativas: Plataformas de Informação Geolocalizada e Mobilização Social (SNIIC)

Participação de Leo Germani (HackLab – São Paulo), Jeferson Assunção (Secretário-Adjunto de Cultura do Estado do Rio Grande do Sul) e Uiraporã Maia do Carmo.

mqdefault3Câmaras Setoriais do Comitê Gestor da Intenet no Brasil – CGI.br: A “Câmara de Conteúdos e Bens Culturais”

Participação de Carlinhos Cecconi, Coordenador das Câmaras Setoriais do CGI.br.

mqdefault4Metadados com Solução para Interoperabilidade de Acervos Digitais (Europeana Data Model – EDM)/ /Biblioteca Europeana

Participação do Mr. Jan Molendijk, Diretor Técnico e de Operação do Projeto Europeana (por video-conferência).

mqdefault5Plataformas para Disponibilização Otimizada de Informações Culturais – Kulturserver / Culturebase – Berlim

Participação do Mr. Wolfgang Knauff, Coordenador de Projeto na Fundação Kulturserver.

mqdefault6Humanidades Digitais: O Digital e as Novas Formas de Construção do Conhecimento

Participação da Professora Dr. Maria Clara Paixão de Sousa.

mqdefault7Linked Open Data – Integração de Acervos com os padrões da Web Semântica

Participação do Dr. Tiago Primo (UFRGS), participante dos projetos OBAA (Padrão de Metadados para Objetos Educacionais – FINEP) e FEB (Federação Educa Brasil – RNP), e especialista da ação ‘Sistemas de Informação e Acervos Digitais’ da cooperação ‘Diálogos Setoriais – UE/Brasil’.

mqdefault8Explorando Potencialidades dos Acervos Integrados – Aplicativos Móveis, Realidade Aumentada, Construção Coletiva de Contextos (O Programa Discovery)

Participação da Professora Joy Palmer, Coordenadora de Bibliotecas e Serviços de Arquivos do MIMAS (núcleo de pesquisa da Universidade de     Manchester, associado ao JISC.

mqdefault9O ‘Sistema Nacional de Informação e Indicadores Culturais’ (SNIIC) – Uma Plataforma de Governança Colaborativa

Participação de Américo Córdula, Evaristo Nunes, Rafael Oliveira e José Murilo, da Diretoria de Estudos e Monitoramento de Políticas Culturais da Secretaria de Políticas Culturais – MinC.

mqdefault10JISC: A Experiência Institucional Britânica em Construir Pontes entre os Acervos Digitais e a Academia (Plataformas para o Ensino e a Pesquisa)

Participação do Mr. Norman Wiseman, Coordenador de Serviços e Relações Institucionais do JISC, do Professor Eloy Rodrigues, Diretor do Serviço de Documentação da Universidade do Minho – Portugal, e especialista que integra a ação ‘Sistemas de Informação e Acervos Digitais’ da cooperação ‘Diálogos Setoriais – UE/Brasil’, do Sr. José Luis Ribeiro, Diretor de Serviços e Soluções da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa – RNP e Ms. Rachel Bruce, Diretora de Inovação e Infraestrutura Digital do JISC ( por vídeo conferência).

mqdefault11Acervos Digitais e Direito Autoral – Limitações e Exceções na nova LDA

Participação do Sr. Marcos Souza, Diretor de Direito Intelectual do Ministério da Cultura.

mar 13

SNIIC em versão beta

Matéria originalmente publicada no Site do MinC

Seminário Internacional Sistemas de Informação e Acervos Digitais e Cultura, realizado pela Secretaria de Políticas Culturais (SPC) do Ministério da Cultura, terminou nesta quarta-feira (13/02) com a apresentação da versão beta do Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais (SNIIC).

Da esquerda para a direita: Evaristo Nunes, Rafael Oliveira, José Murilo e Américo Córdula da Secretaria de Políticas Culturais (MinC)

O SNIIC, criado pelo Ministério da Cultura por meio da SPC, será o maior repositório de dados sobre a cultura brasileira. O Sistema deve compartilhar informações culturais estratégicas de forma transparente para instituições, órgãos e sociedade em geral.

“Muitas vezes, um produtor quer fazer um evento cultural em outro estado, mas não consegue levar toda a sua equipe. Por meio do SNIIC, ele poderá encontrar profissionais da cultura naquele estado”, afirmou Evaristo Nunes, membro da Diretoria de Estudos e Monitoramento de Políticas Culturais.

A novidade do SNIIC está em unir o conhecimento técnico da web semântica e do modelo “open data” (dados abertos), com as potencialidades da participação direta da sociedade civil na inclusão de dados culturais através de interfaces típicas das mídias sociais.

Leia mais »

mar 12

Desafios dos Acervos Digitais

O segundo dia do Seminário Internacional Sistemas de Informação e Acervos Digitais de Cultura, realizado em São Paulo pela Secretaria de Políticas Culturais (SPC) do Ministério da Cultura, apresentou modelos de digitalização de acervos.

Mais de 100 pessoas acompanharam os debates técnicos sobre interfaces colaborativas e arranjos de integração para acervos digitais e refletiram sobre uma política nacional para esses acervos.

Durante as palestras, foi apresentado o projeto do Consórcio de Cartografia Colaborativa, que já desenvolveu mapas culturais colaborativos em todo o Brasil, tendo como objetivo mapear espaços culturais nos municípios e estados do país e estabelecer uma interface com o Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais – SNIIC.

Leia mais »

mar 11

MinC irá promover a digitalização de acervos culturais e históricos no Brasil

Matéria originalmente publicada no site do MinC

Durante a abertura do ‘Seminário Internacional sobre Sistemas de Informação e Acervos Digitais de Cultura’ que está sendo realizado em São Paulo, entre os dias 11 e 13 de março, Américo Córdula, Diretor de Estudos e Monitoramento de Políticas Culturais da Secretaria de Políticas Culturais do Ministério da Cultura (SPC/MinC), anunciou o lançamento do Programa de Apoio à Digitalização de Acervos Culturais e Históricos no Brasil, que será feito pelo Ministério da Cultura (MinC). Américo representou a ministra Marta Suplicy no evento.

O Programa selecionará, por meio de editais, 20 instituições culturais brasileiras públicas ou privadas que sejam guardiãs de acervos de valor histórico e/ou cultural e que desejam digitalizar parte de sua coleção para publicação em repositório digital, aberto ao acesso pela internet. Também fornecerá kits contendo equipamentos (scanner, câmera, computadores e outros) e aplicativos (sotwares), além de selecionar pessoas da equipe para capacitação e treinamento.

Leia mais »

mar 05

Sobre o ‘Seminário Internacional Sistemas de Informação e Acervos Digitais de Cultura’

À partir da oportunidade criada pelo projeto de cooperação internacional “Diálogos Setoriais UE-Brasil“, temos realizado conversas importantes com iniciativas que (1) implementam sistemas públicos de informação em cultura, e (2) disponibilizam acesso a acervos digitais de bibliotecas, arquivos e museus. Na próxima semana, de 11 a 13 de março de 2013, no Auditório István Jancsó da Biblioteca Mindlin-USP (Brasiliana-USP), a Secretaria de Políticas Culturais do MinC realiza o Seminário Internacional Sistemas de Informação e Acervos Digitais de Cultura.

No momento em que, no âmbito da realização do Plano Nacional de Cultura, implementamos o SNIIC, Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais, é extremamente oportuno explorar as possibilidades que plataformas digitais públicas podem oferecer para o acesso qualificado às informações culturais. Ao abranger nesta reflexão a questão do acesso integrado aos acervos em processo de digitalização nas diversas instituições que integram o Sistema MinC, e neste caso falamos de Biblioteca Nacional, Cinemateca Brasileira, Funarte e Museus, entre outros, criamos a possibilidade de formular um plano nacional para acervos digitais.

O tema é da maior importância para todos que se preocupam com a memória nacional (preservação), com o acesso à cultura em meio digital (democratização), e com a presença qualificada dos conteúdos do património cultural da língua portuguesa na rede mundial. Diagnósticos vários e recentes apontam o elevado grau de fragmentação dos repositórios digitais em universidades e em outras organizações que lidam com conhecimento em todo o mundo. Da mesma forma, no campo dos acervos culturais, as políticas públicas ainda não avançaram no sentido de prover a necessária articulação e sustentabilidade aos projetos de digitalização em curso.

O ambiente digital, em suas muitas virtudes, proporciona grande vantagem para a ação pactuada, colaborativa. Não por acaso, a Internet fundamenta todo o seu funcionamento em protocolos, que são em última instância acordos básicos de co-operação. Cabe à nós, sempre que possível, buscar o alinhamento de nossas políticas públicas digitais à esta lógica suprema da rede — o acordo e a transparência, que geram a confiança (trust) entre os pares. Em nosso caso específico, o campo dos acervos digitais de cultura, teremos muitas vantagens se conseguirmos articular visão e estratégias comuns entre as diversas instituições mantenedoras de coleções culturais. Podemos até dizer que não há outra forma de promover um Programa Nacional sustentável para acervos digitais se não compartilharmos recursos, principalmente de infra-estrutura tecnológica, mas também de pessoal especializado nas diversas etapas que envolvem digitalização e disponibilização de conteúdos digitais.

Em importante evento recente do setor (Discovery Summit 2013), reuniram-se em Londres representantes de todos os grandes projetos de bibliotecas digitais no mundo. O programa Discovery (‘um ecossistema de metadados’) representa uma sofisticada articulação técnico-institucional promovida pelo JISC, instituição responsável por infra-estrutura para ensino e pesquisa e para acervos digitais no Reino Unido. Representados no evento estavam projetos globais como a Biblioteca Europeana e a DPLA (Digital Public LIbrary of America), e também iniciativas de articulação como a OCLC (Online Computer Library Center), que apresentaram suas premissas técnicas e institucionais para avançar no desafio da interoperabilidade dos diversos repositórios. Ficou muito clara a necessidade de uma articulação global em torno de padrões abertos (‘open data‘), que no caso dos acervos são metadados abertos (‘open metadata‘, linked open data), e soluções compartilhadas para instituições mantenedoras de acervos.

Para quem acompanha de perto estas discussões nos últimos anos, foi interessante perceber em Londres o deslocamento no discurso técnico ocorrido recentemente. Antes, estávamos todos em busca do protocolo único, da arquitetura de informação mais adequada, ou da plataforma que poderia idealmente agregar todos os conteúdos. Ao constatar-mos que os grandes projetos globais de bibliotecas digitais agora colocam a ênfase da interoperabilidade de acervos em tecnologias como ‘open metadata‘ e ‘linked open data‘, podemos identificar um processo positivo, virtuoso e significativo.

Leia mais »

jan 30

Preservando Nosso Futuro: Estratégias Institucionais para o Conteúdo Digital

Acaba de ser lançado pelo JISC IthakaS+R um relatório da maior importância para o planejamento sustentável de projetos de digitalização, organização e disponibilização de conteúdos digitais : “Preservando Nosso Futuro: Estratégias Institucionais para o Conteúdo Digital” (“Sustaining Our Digital Future: Institutional Strategies for Digital Content”).

O relatório, que fornece um olhar atento a três instituições (UCL, Museus guerra imperial e da Biblioteca Nacional do País de Gales), no Reino Unido,  confirma alguns dos diagnósticos que já apresentamos por aqui:

  • Constatação do elevado grau de fragmentação do ambiente digital em universidades e em outras organizações que lidam com conhecimento;
  • De como existem inúmeros exemplos de boas práticas dentro e fora das universidades, com as quais todos poderiam se beneficiar, mas que exigem um esforço de coordenação para poder entregar serviços na escala necessária para servir o país;
  • Evidências de como a questão da sustentabilidade dos projetos após seu desenvolvimento inicial não é considerada adequadamente nos níveis mais altos da administração;
  • Alerta para o grande risco que representam os projetos em curso, no que concerne à sustentabilidade e preservação do conteúdo digital produzido.

É um alerta para todos nós“, disse Andrew Green, presidente-executivo e bibliotecário na Biblioteca Nacional do País de Gales. “Trata-se de leitura essencial para qualquer um no negócio de acesso ao conteúdo digital.

O relatório apresenta recomendações eficazes, e inclui uma “Ferramenta de Verificação de Saúde  da Sustentabilidade para Projetos de Conteúdo Digital” (Sustainability Health Check Tool for Digital Content Projects), que ajuda as pessoas a discernir melhor sobre que ferramentas ou recursos específicos pode fazer uso para tornar seu projeto digital ainda mais bem sucedido.

Com financiamento da Aliança Estratégica de Conteúdo (Strategic Content Alliance – SCA) liderada pelo JISC no Reino Unido, da Rede de Informação do Patrimônio Canadense (Canadian Heritage Information Network), e do Fundo Nacional para as Humanidades (National Endowment for the Humanities) nos Estados Unidos, a Ithaka S+R vem realizando um programa de pesquisa há vários anos para lançar luz sobre os desafios comuns associados à manutenção de projetos digitais para além de sua implementação, e oferece orientações e ferramentas para ajudar os administradores, líderes de projeto, bibliotecários, e financiadores a garantir que os projetos continuem crescendo. Este relatório é o primeiro de uma série, e representa o estado da arte no tema.

Para mais informações, vale acompanhar o blog da Aliança Estratégica para Conteúdo (inglês).

Aproveito a oportunidade para compartilhar aqui relatório da visita que realizamos ao JISC em Londres em setembro passado, como parte do projeto de cooperação ‘Diálogos Setoriais UE-Brasil’ — e que descrevi melhor no post anterior “Diálogos Setoriais com a UE – Sistemas de Informação e Acervos Digitais de Cultura“:

ago 13

Diálogos Setoriais com a UE – Sistemas de Informação e Acervos Digitais de Cultura

A Secretaria de Políticas Culturais do MinC está realizando mais uma ação do projeto “Diálogos Setoriais”, iniciativa que desenvolve uma nova dinâmica de cooperação entre a União Européia (UE) e diversos países, dentre eles o Brasil. Nesta oportunidade, a ação tem como tema ‘Sistemas de Informação e Acervos Digitais de Cultura’, e busca explorar oportunidades de intercâmbio em padrões, protocolos, e plataformas que estruturem a disponibilização e o uso de informações públicas de cultura em meio digital.

A cooperação ocorre no contexto de implementação do SNIIC, o Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais, que propõe a criação de um banco de dados aberto de bens, serviços, infraestrutura, investimentos, produção, acesso, consumo, agentes, programas, instituições e gestão cultural, e transparência, como suporte à implementação do Plano Nacional de Cultura, que define ações públicas de cultura até 2020.

A ideia de implementar uma plataforma digital pública que disponibiliza de forma aberta (open data) dados organizados referentes à cultura de um país permite proporcionar: (1) transparência na governança e promoção do acesso à cultura, (2) apoio ao desenvolvimento de aplicações e serviços inovadores, além de (3) novas oportunidades de negócios e empregos. O arranjo busca pôr em prática a visão do ‘governo como plataforma’ para a ação colaborativa da sociedade.

Com base nesta visão mais ampla, buscamos agora conhecer projetos europeus que implementem plataformas de disponiblização de informações públicas de cultura, especialmente aquelas iniciativas que contemplem a entrada de dados por usuários externos. A ação tem este foco em virtude do SNIIC, em seu conceito, implementar arranjos de ‘data crowdsourcing’ — interfaces e metodologias de captação direta de informações sobre a diversidade cultural brasileira.

O SNIIC projeta que essa dinâmica de captação de informações será realizada em ambientes que apresentam funcionalidades típicas das redes sociais, capazes de qualificar a participação direta de cidadãos na construção, manutenção e uso dos dados. Temos especial interesse em interfaces que implementam mapas interativos para disponbilização de informações e indicadores culturais, e em tecnologias para registro e visualização de dados geoespaciais. Relacionamos para contato a iniciativa espanhola GeoCultura (e/ou España es Cultura), o projeto alemão Kulturdatenbank, e a iniciativa de mapeamento do Arts Council.

No âmbito dos acervos digitais, buscamos conhecer junto aos parceiros europeus modelos de metadados para integração de acervos diversos (bibliotecas, arquivos e museus). Temos foco em iniciativas como a biblioteca Europeana (http://europeana.eu/) e o agregador de arquivos APEnet (http://www.archivesportaleurope.eu/), que desenvolvem pontos de acesso integrado e multilingue ao patrimônio cultural europeu em meio digital com base na comunicação de metadados arquivísticos.

Especial interesse temos nos arranjos “open linked data” (LOD-LAM) para disponibilização integrada de catálogos de bibliotecas, arquivos e museus. Buscaremos conhecer as iniciativas britânicas como o projeto Discovery (http://discovery.ac.uk/), desenvolvido pelo  JISC (‘Joint Information Systems Committee’) (http://www.jisc.ac.uk/), e o ArchivesHub (http://archiveshub.ac.uk/), projeto JISC realizado pelo Mimas (http://mimas.ac.uk/), centro especializado da universidade de Manchester, os quais também estão focados na integração de acervos digitais com base em em arranjos inovadores para metadados, ontologias semânticas, e novas tecnologias de comunicação.

Em função da formulação tecnológica para implementação do Registro Unificado de Obras Intelectuais — dispositivo contemplado na proposta de revisão da Lei de Direito Autoral desenvolvida pelo Ministério da Cultura, a qual será encaminhada em breve para apreciação do Congresso Nacional –, buscamos conhecer arranjos para inclusão de dados de licenciamento em arquiteturas de metadados, e arranjos para nome-autoridade (como o projeto ‘SNAC’ (SNAC), norte-americano, baseado nos padrões EAC-CPF). Iremos focar também nas iniciativas européias do JISC e do MIMAS para esta prospecção.

Neste momento em que buscamos definir uma arquitetura de informação para a cultura brasileira, temos a chance de implementar arranjos de metadados integradores prontos para responder às demandas de organização de dados típicas dos sistemas distribuídos e da emergente web semântica. Desejamos pois desenvolver uma camada de índices aberta (open data) em condições de cumprir novas funções para a promoção do acesso à diversidade cultural brasileira, e podendo assim integrá-la à outros domínios de conteúdos como o científico e o educacional. Uma tal arquitetura fundamenta a idéia de um ecossistema de conteúdos digitais, operada à partir de arranjos integrados para metadados (web semântica) e gerenciamento de identidade (atribuição / autoria).

Pular para a barra de ferramentas