O mundo não é mais físico. Não existe apenas uma realidade para cada pessoa. Existem várias. Físicas e virtuais. Estamos conectados. Estamos online. Nossa privacidade não é mais restrita a paredes. Mandamos fotos, vídeos, textos a partir de qualquer lugar: ônibus, barco, moto e até a pé. Falamos o tempo todo. Conversamos todas as horas do dia. Produzimos conteúdo inclusive enquanto dormimos. Não somos mais passivos. Somos ativos, produtores, gestores, coordenadores e divulgadores do que produzimos e, obviamente, consumimos. Viramos editores do dia para a noite. Montamos redes, círculos de amizades com alguns cliques. Apagamos memórias. Mantemos todas as memórias. Escutamos músicas do mundo inteiro de graça. Assistimos a todos os filmes produzidos na história em formato digital. Carregamos vários livros de 900 páginas em um único utilitário de 190 mm x 123 mm x 8.5 mm e 250 gramas. Conversamos gratuitamente com amigos que estão em Nova Iorque, Paris, Seul, Tokio e Moscou por meio do celular. A vida se resume a aplicativos, utilitários e conexões. Trabalhamos de casa. Trabalhamos de madrugada. Não temos horários fixos. Temos muitos patrões. Estudamos o tempo inteiro. Conhecemos tudo. Não temos conhecimentos aprofundados. Sabemos editar vídeos. Sabemos tirar fotografias. Montamos galerias. Somos curadores. Somos expositores. Somos premiados e requisitados, de todas as formas, em todas a vertentes. Não paramos. Não morremos. Corremos maratonas cada vez mais rápidas. Batemos, a cada ano, vários recordes olímpicos. Somos magros. Somos musculosos. Somos mais fortes do que alguém já imaginou. Temos braços, pernas, membros removíveis. Temos propulsores. Nossos tênis são amortecidos. Nossas vestimentas diminuem a aderência. Aumentamos nossa capacidade física por meio de remédios. A saúde existe por meio de pílulas. A longevidade existe por meio de pílulas. Somos meio orgânicos, meio químicos. Parte do que ingerimos é criado em fábricas. Fórmulas, mecanismos, máquinas. Nosso corpo não é apenas orgânico. Nosso corpo tem extensões. Exoesqueleto, utilitários, vestimentas. Somos humanos. Somos máquinas. Somos ciborgues.