Como funciona a Rede de Ensino Pública em São Paulo

O efeito de gestores na gestão de sistemas educacionais: um estudo sobre a ação fiscalizadora em escolas públicas de ensino médio de São Paulo
sobre a política educacional e a importância de reduzir as desigualdades socioeconômicas e promover a justiça social, na perspectiva da implementação.

Para atender a essa questão, examina as reformas lideradas pela Secretaria de Estado de Educação de São Paulo desde 1995, que definiram os Distritos Regionais responsáveis pela ligação e gestão da orientação nacional e estadual das escolas. Foram selecionados quatro distritos da região metropolitana de São Paulo que apresentaram o melhor desempenho no IDESP entre 2011 e 2016. Os resultados das entrevistas com os Gerentes Regionais, Supervisores e Coordenadores Pedagógicos também estarão presentes, a fim de investigar o papel do DRE e supervisão na melhoria do desempenho, enquanto os burocratas de nível médio.

O Interessante é  uma política educacional e se torna desigual como socioambiental e promove uma justiça social, desde uma perspectiva de implementação, Para conferir o Gabarito do Caderno do Aluno 2019 volume 1, 2, 3 e 4 acesse o endereço eletrônico.

A questão da pesquisa é: “Quais são os processos de gestão que resultam nos resultados dos resultados, um fim de coordenar os níveis institucionais de implementação e garantir uma excelência e uma eqüidade nos sistemas educacionais?”

Seleção Quatro Diretorias Regionais de Ensino que apresentam melhor desempenho no IDESP entre 2011 e 2016 na região metropolitana de São Paulo. Também serão apresentados os resultados das disciplinas seletivas com os Diretores Regionais de Ensino, Supervisores e Coordenadores, e as Pesquisas Pedagógicas de Seleção, com o objetivo de investigar o papel do DRE e do AVE na melhoria do desempenho, enquanto burocratas de controle médio.

Os dados qualitativos, além do levantamento bibliográfico sobre o Movimento Maker para a educação, vieram de uma pesquisa etnográfica realizada ao longo dos anos de 2016, 2017 e 2018 no projeto Fab Lab Livre de São Paulo, que incluiu observações em dois fabricantes espaço, também, da aplicação de um questionário aos professores da rede municipal de educação pública e, por fim, um grupo focal, com uma parceria do Laboratório de Tecnologias de Aprendizagem Transformativa da Stanford University, com educadores que atuam nas escolas públicas americanas com Maker Education.

Ancorada em Freire, Papert e Piaget, a hipótese de Moura é a de que as tecnologias constituem uma das bases da experiência social contemporânea e que apesar de as escolas brasileiras raramente incorporarem os agentes de atividades em suas práticas, pensamos que a incorporação de elementos tecnológicos na cultura escolar é fundamental. e requer a compreensão da responsabilidade da escola e dos professores no uso pedagógico desses recursos, bem como a consideração de que as tecnologias podem atuar como amplificadoras das capacidades educacionais e consequentemente sociais, para que os alunos se tornem agentes estimulados à produção e autoria.

Concluindo:

Desta forma, assumimos que a educação está comprometida em transformar realidades, capacitar indivíduos, melhorar e criar espaços que valorizem social e culturalmente os sujeitos, para que possam questionar o mundo e fazer mudanças, desafiar sua realidade e criar soluções.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*