Caminhar pelos caminhos da cidade,

                           é como andar pelas minhas veias;

                           o mar é o horizonte!

respirar fundo, cheio de ideias, 

navegar,

                           os sonhos não podem cessar!

 

o dia nasce, o ponteiro do relógio não para,

                           sem fazer distinção entre as pessoas;

umas não podem ficar atoa,

                           outras só querem ver do dia, a cara!

sentadas em seus automóveis,

                           tanto faz se faz sol ou chove!

 

Mas eu procuro, ao longo dos dias,

o abraço apertado, o pulsar da harmonia,

que não se faz de desconhecida

                           em suas ruas e avenidas;

 

eu ando no ritmo das passadas;

                           descubro trilhas nas calçadas;

faço-me de maleável em suas vias,

                           mesmo que a carência não ajude;

descubro na vida a virtude,

                           de no pouco tirar alegria.