Fiz o meu ninho

no alto da serra

vou lá de vez em quando

vislumbrar quem está em terra

odiando

amando

                        subir ao ninho num impulso

                        fazer-me pássaro num fluxo

                        num acelerar do meu pulso

                        repousar num influxo

meus olhos contemplaram

casas

árvores

prédios

pessoas

afastado de tudo

num abraçar com as mãos

                        não há tédio as nuvens refrigera-me atoa

                        como um alpinista

                        que supera o próprio esforço

não há solidão

tudo é um novo

a cada passear das nuvens

                        sombras na terra.