No caminho pra escola o sol ia nascendo devagarinho,

grande e vermelho despontando no horizonte

e meus pensamentos estavam nos montes;

indefinível momento de menino que sai do ninho.

A camiseta, a mala surrada;

eu subo a escada, o corredor.

Meu pensamento ainda levitava,

já não ouvia o professor.

Meus olhos misturavam a janela, troncos de árvores,

o sol que entrava na sala;

meu canto na carteira, os odores,

o medo de ser chamado, de atrair a atenção.

Tinha vontade de correr até relaxar

e navegar o vento que sopra,

assobiar uma canção.