A chuva espalha o cheiro da terra molhada

Na terra sedenta queimada pelo sol.

O sol que castiga o sertão do arrebol

E forma lameirões, chuva e relampejadas,

 

Que chega ao São Francisco.

Então o Velho Chico irá encher;

Ficará pela lama amarronzado.

Da nascente tudo irá crescer.

 

Observo da margem o rio,

Acabou-se na terra o estio

O nível do rio subiu…

Quem já viu? Quem já viu?

 

De um lado Petrolina

Do outro lado Juazeiro.

As águas abraçando o povoado

Dando vida às pessoas, a terra.

 

O fluxo nunca vai cessar,  

Quando estiver preservado

O que passa pelos povoados,

A veia do rio que vem lá das serras.