Uma menina ao redor da fila no banco,

seu mundo é uma brincadeira,

o banco não passa de uma passarela,

entre pessoas enfileiradas sem bancos.

 

Não imagina as cifras astronômicas

que circulam na ciranda financeira,

em negócios da china econômica,

levando o negócio do bolso em fileiras

 

a entrar na montanha russa do sobe desce,

em coisas do futuro que poucos conhecem

-não vale o sorriso desta menina!

Valor humano que tanto me anima.

 

Gráficos da especulação de ondas

que se quebram na praia da vida.

Vida que fervilha do desejo que há,

entre cada compra e o desejo a continuar.