De vez em quando alguém

cochicha em meus ouvidos:

“você pode!”.

É minha alma me fazendo acordar e me renovar.

Faço versos do que penso e sinto.

Assim, sem mistificação,

sem a preocupação da aparência culta e difícil;

prefiro a clareza

do que a turva água vazia.

Faço questão da simplicidade

em abordar temas diversos, do meu dia-a-dia.

Transparecendo o que realmente importa,

a comunicação que bate meus sentidos, minha porta.