O medo anda comigo

Dentro do meu umbigo

Desde do despertar na infância

Medo que se acabe a esperança

 

Medo do cruzamento da rua

Medo da espada nua

E crua

Que cresce como vácuo no entardecer

Medo de morrer

 

Antes que haja o amanhã

Medo da violência vã

Medo de ser inundado

De ser mal amado

 

Medo do vazio no peito

Sem ter alguém por perto

Medo do incerto

Medo de só me tornar resto

 

Medo de ter medo no amar

Na sala de estar

No corredor

Medo de exaurir-se o amor.