Gostaria de escrever versos que tragam alegria

como um sorriso cumprimento ao nascer do dia.

Gostaria de escrever versos só de certezas boas

e o pensamento de contente flutua e voa…

 

Gostaria de escrever versos que acolham como ninho

como aqueles construídos macios no algodoeiro.

Fizesse despertar o mundo, embora por um segundo

e acalentasse todos para o amor em seus caminhos.

 

Porém, quem faz versos não é um poço de alegrias.

O poeta, embora, cheio de paixões e contradições

só reflete aquilo que lhe vem no peito em porções,

um espelho do seu cotidiano envolto de alegorias.