Onde o pensamento alcança,

a mente nas mais altas altitudes,

longínqua a mente

haverá semente

pra se plantar no intimo do ser.

A flor das virtudes,

o calor que aquece o corpo,

mas, o coração

neste verão?

Onde o carnaval se vestiu de fantasia,

pra celebrar alegria durante alguns dias;

mas, o coração não permaneceu aquecido,

pois há festa do momo,

mas, a festa do somos?

Permanentemente somos

carentes somos,

de amor somos.

O povo precisa do pão

da civilidade,

sociedade saudável,

antônimo de negação,

sem acordos no escuro

nem corrupção.

É preciso transportar a alegria do carnaval

pra dentro do pão

que se come todo dia,

pra todo e qualquer dia-a-dia,

porém, a alegria as vezes não está na carne,  

e este País tirando a fantasia

ainda continue uma feliz nação.