Olhando a tela do computador,

tentando escrever versos,

de mim eu empresto

um sentimento voador.

 

Não adianta o muito pensar,

o que sair sairá

no calor das horas

que me devora.

 

Minhas horas voam como libélula

sobre a superfície da água,

neste lago de calmaria,

que na manhã deságua.