Arquivo de fevereiro 2012

O sol encandeou os meus olhos

O sol encandeou os meus olhos

a se pôr às sete horas neste verão.

Sinto-me contemplativo no meu coração,

os carros passam e as pessoas não olham

 

o espetáculo simples da natureza,

sinto em mim não certezas

como o sol se põe, eu também me ponho

a lembrar do sertão num sonho

 

da vida simples que outrora tinham,

onde as casas simples a luz do lampião,

nos confins da mata do sertão

os pássaros vinham toda manhã cantar, vinham

 

disser que a natureza advinha

à hora certa do sertanejo acordar.

Hoje na cidade grande não tenho um lar,

 

vivo de casa em casa a mudar,

pois a cidade grande não é minha,

é do comércio, das pessoas que se apinham.

 

Na calada noite

Na calada noite, aqui estou

como agora me procuro

como a mim mesmo sou.

 

Nada mais que uma alma que vagueia.

Eu sou assim mesmo, me procuro sempre

olhando pra dentro- tudo é o presente.

 

Na quietude minha mente procura uma semente

pra plantar na terra devagar, adubada com os sentimentos,

terra como agora o meu peito se abre e se sente.

Há tantos sonhos represados

Há tantos sonhos represados,

Sonhos de um passado não muito distante,

Se deixar, vira uma avalanche

De feitos inacabados.

 

Regozijar-me porque há um dia lá fora

E ele espera por mim.

Façamos assim:

-Um dia de cada vez na estrada.

 

Eu ando, ando e ela nunca se acaba,

Vou transformar o caminho num livro,

Onde posso deixar marcas.

 

Nas palavras qualquer coisa do infinito,

Lá posso deixar o meu grito

Onde nas páginas os meus passos serão livres.

 

A marcha dos tempos não para

A marcha dos tempos não para

a tomar decisões tardias

e lá se vão nossos dias

cuja incompetência está na cara.

 

Tomam decisões depois que o ovo quebrou,

o caldo da panela entornou

e vidas são ceifadas no maremoto

depois do constante terremoto.

 

O pior da tragédia anunciada

é que só colhem as migalhas,

não fazem uma simples prevenção,

convém o acordar da população.

 

Botar mais investimento no ensino

para que dobrem os sinos,

por o dedo na ferida,

antecipar-se ao flagelo em nossas vidas.

Pétalas pelo ar

A natureza nos deu as flores

    a brilhar nos nossos olhos

enquanto o sol sustenta a luz

    nas mais diversas cores

orquídeas  

margaridas

flores do campo

    caindo a chuva em gotas que molham

o mais sublime presente

o perfume no inconsciente

    néctar do alimentar da vida

que fervilha

no fundo de uma floresta

a natureza empresta

o seu verdejar

    espalha

pétalas pelo ar

    e alimentar

no construir os favos

abelhas num jardim

    faz-me arrebatado

nos braços da alegria

muito mais

em mim.

Colônias na lua

Um candidato a presidente dos Estados Unidos

promete colônias na lua.

Mas, quanta insandecencia!

Não sabe ele dos problemas das colônias aqui da terra?

Deixem a nossa lua em paz!

E que se faça morar na consciência

dos cidadãos desta nave planeta

o mais sublime respeito pela vida.

Cuidem dos problemas ecológicos, da economia…

E deixem a lua a observarmos as suas quatro faces,

que são as quatro sílabas da palavra li-ber-da-de.

Café com bananas

Café com bananas,

café moído e torrado,

bananas maduras e puras,

café é bom pra cuca,

bananas são boas pros músculos

pra quem tiver sem assunto,

é uma boa ideia.

Vai traçando seu rumo,

o sumo da vida no cheiro

de um café maneiro,

anima qualquer plateia,

bananas douradas pelo sol,

boas pro coração,

bananas café no rol,

o rol de convidados

de uma palestra pra poucos,

vai se sentir ensejado

de um palestrante prosaico.  

Miragens?

É certo que não é verdade, tudo que se faz na vida.

Na minha frente eu só vejo estrada, estrada…

Outdoors de verdades e mentiras.

Retendo o que é bom, sigo para o alvo,

sonhos a realizar…

Miragem?

Não!

Imagens

do querer…

Mas, não é bastante o querer,

é preciso lutar

e não se acovardar!

 

 

Os passantes passam

Os passantes passam de lado pro outro,

o dia passa e a noite vai,

olho por um momento a rua,

é como se o tempo parasse.

No meu coração um vale, um deserto…

É preciso vida,

é preciso encher os nossos olhos

no crepitar das horas,

povo que busca e suplica

no borbulho da existência

humana,

urgente!

Cuja duração da vida é apenas por algumas décadas.