Sentir nas madrugadas

o silêncio,

e nas manhãs

acordar silente

descarregado no divã

o sono da noite,

porque na noite o sonho descarrega por si mesmo

o imponderável segredo

(o aquário)

do dia que vai nascer

e alvorecer enredos

do segredo

que não se revela,

só o frescor da manhã

quando se abre a janela.