A ave da noite escureceu tudo

asas carregadas de nuvens

preparando suas comportas

ave haverá

o derramar

 

Avia menino!

Sai do terreiro!

Essa vai descambar!

nas telhas de barro

nas lajes

nos sobrados

 

Antes disso o abafado

na casa de Dona Nininha

mulher do José

tinha casa de farinha

o fogão a lenha

o pote de barro

 

A cidade grande também

é sertão

a mesma vastidão

com o asfalto e o cimento

no clarão do sol

sem a sequidão

do outro sertão

 

Com um mesmo lamento:

a chuva veio

ou não veio?