Eu apego-me a vida

num galho de uma árvore.

A árvore são meus sonhos,

num resistente balançar

risonho.

 

E eu menino,

pousado,

como passarinho.

 

Como querer a liberdade,

como querer voar,

para sempre,

sem que haja no peito maldade.