A vida vale muito

muito vale

que deixe descer

e me cale

o muito que tentei

em voz alta

da inquietação que lancei

e agora um lago manso

bulido por uma flauta

aquieta-se em meu remanso

antes que o zumbido do dia nasça

e de pensar no futuro presente me

faça

daquilo que não fiz a luz do lume

porque estar sozinho e a sós

é mais do que vibraria minha própria

voz

que a vida é mais dramática que uma ópera.