Tomo um café ralinho às seis horas

da manhã

minha cama como um embaraçado novelo

de lã

a música me faz companhia:

e assim começo

o meu dia

 

O que fiz marcou ou se esvaiu

nada que possa muito

encher

o cântaro vazio

 

Vou pra floresta da Tijuca

encher-me

na cachoeira límpida:

e voltar nunca, nunca!