Arquivo de março 2014

Copa e cozinha

O ônibus passa pelo Maracanã…

copa

e  cozinha

uma não difere muito da

outra

ambas tem de estar arrumadas

pra comer a bola

no campo

as vias tem de estar planejadas

não é qualquer um que recebe

este evento

queira ou não queira

a Copa vai acontecer

———————————————

O garoto manipula o celular

imagens e imagens…

além da janela do ônibus

uma pessoa arruma

uma barraca

pra vender cachorros quentes

o veículo entra na noite…

———————————————–

Os celulares tomaram

cada vez mais

nossa atenção

e falar alto na rua sozinho

deixou a muito de ser coisa

de lunático.

O vendedor de rodos

O vendedor de rodos

com grande número

de rodos nos ombros

gritou com voz cavada

à beira da estrada:

– rooooodu…

 

A palavra quase

incompreensível

que soava curiosa

nos ouvidos.

 

Coisa corriqueira

que acontece nos

subúrbios

que de outra

maneira

não chamaria a atenção.

Carencia

Peço que não me negues

um olhar

para mim

quando estiver sozinho

assim.

Peço que não me negues

o teu sorriso de sol

quando o meu sentir

estiver sombrio.

E a noite quando estiveres

voltada para mim

peço que não me negues

o teu olhar de lua.

Advento

Tive um sonho com Deus

e ele me disse:

Este céu não mais existirá

filho meu!

 

O que haverá é um canto

descendo das nuvens

abrindo um sorriso

nos nossos corações

não haverá rotina

pois cada dia ensina

e

ensinará

o advento que virá

com novas canções

e a melodia

será vento que acaricia

nossa mente sempre jovem

que não se degenera

e a beleza da natureza

será nossa imagem.

Rajadas de ventos

O que se move nos ares

se não os próprios ares?

Entre céu e terra

rodamoinhos caminhos

rajadas de ventos

espalham-se ao relento

espalham coisas

quando muito

derrubam galhos

destroem telhados

nas chuvas

mas já se foi

o verão

 

Chega o outono

espalham folhas secas

rio aluvião

barro ribeirão

das coisas presas

na seca

que rachava o chão

 

neste clima de incertezas

incertas

estações.

Que quero eu com meus versos?

Que quero eu com meus versos?

Dizendo tão simples assim?

Quero registrado o dia a dia

que leva um pouco de mim!

Quero que a luz me ampare

antes que me desespere

tendo os meus versos por fim.

Consolo

Nada no coração

Diria como ave no pouso

O que sempre se repete de novo

Feliz dia!

E anos sempre chegarão!

A escola e o sol

Quando eu tinha uns 10 ou 11 anos

eu acordava sedo

para ir

a escola antes do sol nascer

 

Dormia bem cedo para acordar cedo

as vezes eu abria o vitro da sala

para ver o sol nascer

ou antes mesmo no caminho

o sol nascia e se mostrava grande

redondo e vermelho

 

Ficava maravilhado por ter o privilegio

de ver o sol nascer e despontar

no horizonte

cheio de telhados de casas…

era o melhor  momento de ir as aulas

na escola

onde se aprendia

o ABC

e

ficava na memória

a mágica presença

que poucos se detêm a admirar

o nascer do sol.

O que pensou

O que pensou

pensará

e o pensamento

recordará

o que realizou

aumentado.

Enquanto o mundo gira

Enquanto o mundo gira

e o sol gira também

giram também evidências

de quem tá por cima se dá

bem

por cima da carne seca

quem tá por baixo é pobreza

olhe no relógio que já vem

o trem

de andar nos trilhos

descarrilha se não

convém

venha pra atitude de lançar

luz na escuridão

tenha a virtude de disser sim

apesar do não

o não da incoerência

quem tem assistência

são mãos que perseveram

e não desistem dos seus sonhos

antes levam a sério

os sonhos do coração.