Preenchendo a linha do papel em branco

Não há ponto nem vírgula

Nem rumor de pranto

O que há palavras em silabas

E assim vou preenchendo o meu

Mundo

Tão grande e tão pequeno

Assim é o meu eu

Um sujeito profundo

Que no fundo é

Menino.