Arquivo de agosto 2016

Era meia noite

       Era meia noite, Juca andava por uma rua do centro de São Paulo, no inverno de junho de 2016. Viu uma coisa se mexendo em um cobertor todo remendado. Chegou mais perto para ver o que era. Um menino, que tremia de frio naquela noite gélida de menos de 10 graus.

       Tirou o seu casaco e tentou agasalha-lo melhor.

Não adiantou, o menino estava gelado.

     – O que você faz aqui, menino?

O menino nada respondia, apenas tremia.

       Juca comovido resolveu tirar aquele menino da rua, naquele inverno frio.

       Enrolou o garoto com o lençol e colocou-o nos braços. Levou para sua casa que não ficava muito distante daquele local.

       Colocou três cobertores de moletom cobrindo o garoto em um sofá da sala.

       Juca morava em uma quitinete em uma rua do centro de São Paulo. É funcionário publico aposentado e divorciado. Morava só.

A situação daquele garoto o comoveu.

       Preparou uma sopa de legumes e ofereceu ao garoto faminto.

O garoto parou de tremer. Juca o serviu, dando-lhe a sopa quente.

Aquele garoto de rua o fez lembrar da sua infância difícil, sem recursos e muito pobre.

       Juca assumiu o papel de pai para aquele menino. Seu curador.

Comprou roupas, alimentou, levou para uma escola de tempo integral. Juca o adotou.

       Agora aquele menino de sete anos que jazia nas ruas, tem agora um futuro. Pode escolher o seu destino. Deixou de ser invisível para os olhos dos outros.

Quero acordar

Quero acordar

junto do sol

na linda manhã

Sentir o cheiro da hortelã

e quando levantar

abrir a janela

e ver um campo de girassóis

 

Dirá você que quimeras

não duram

nem giram

no tempo sobre a terra

 

Direi que um sonho

é um sonho

mas com fé:

podem disser os cristãos!

Que se pode ver

o mundo em revolução.

O cais

Quando o amanhã

estiver melhor

ou pior

não se esqueça do próximo

e de Deus

pois os erros teus

não são piores que os meus

 

Faça um ofertório

do fundo da alma

na tua mão

na tua palma

carrega as digitais

 

Uma alusão

aos teus desejos individuais:

esteja perto do cais

para embarcar

a sombra dos teus sonhos

e recomeçar.

E quando a chama

E quando a chama

que desce do céu

como raio que clama

para a virtude de nós

Quando estamos a sós

como se Deus

estive perto

e longe de nós

Quando os olhos meus

não veem o palpável

numa busca interminável

por salvação

deste mundo injusto

mantem-se sustento

por causa de um

alento:

a oração.

Nada como passear

Nada como passear

Ao sol no inverno

A rua é só minha

O ar

A deslizar

 

Nada de carros

Nada de atalhos

Nos passos que

Piso

Assim o sol

Só riso.

Olimpíadas

Olimpíadas

espetáculo corporal

Mais forte mais rápido

mais alto

E esse espetáculo geral

só três sobem ao pódio

O artista em malabarismo

desafia a gravidade universal

num encontro de nações

E eu me imagino correndo

pra ser o primeiro

levantando as mãos

dizendo para mundo inteiro:

Aqui estou eu!

Mostrando pros meus

venci a mim mesmo

sou bronze

prata

e ouro.

Ser um planador

Ser um planador

Voar contra o vento

Eu me sustento

Sem motor

 

O horizonte redondo

Estou alto demais

É só pra ter paz

E ver Deus num encontro

 

Por que a vida é tão breve?

Se eu estou tão leve?

Acima das nuvens

Sonhar e voar são virtudes…