Arquivo de novembro 2016

Quão boa é a igualdade!

Quão boa é a igualdade!

Quão boa é a alegria

da fraternidade!

E quanto o mundo

precisa desta harmonia!

Como balsamo de Gileade

sara a ferida

E assim a vida

vivida

precisa de alivio

a alma

E com calma

se faz os desígnios. 

 

Subtropical

Moro em uma região

subtropical

diferente das temperadas

 

Na variação

não se sente quase nada

 

Passa-se o clima frio

e vem o calor no Natal

e aparecem figuras

de neve e papai Noel

com neves caindo

do céu

 

Meu Deus quanta diferença!

Se o que importa é o Natal

sem nada de importadas

crenças

 

Só me resta dizer:

Papai Noel me traz um pouco

de neve

e alguns sorvetes!

Pois o Natal é festa

mais do que

breve.

Semente do mal

Flecha em forma de raio

caindo sobre a terra

O mal penetrou o solo

Ó anjos rebelados!

Rugidos como fera

para toda semente

humana

Quem é aquele que busca

a fama?

Glorias e honras?

É o mal acusador

vestido de mentira

Na terra inteira causando

dor.

A minha rua quieta

A minha rua quieta

Quieta

Não que eu reclame

Desta

A quietude me faz

Bem

E tudo que faz bem

Logo vem

A paz

E os meus dedos não

Silenciam

Antes dizem em voz

Alta

À minha voz

Quieta.

Doutrina

Não me venham

com ventos de doutrina

que tudo que ensinam

é o que não é cristalina

Porque a doutrina

deve ser simples e pura

A minha alma não jura

nem tão pouco segue

coisas feitas pelo que

o homem

acha que está certo

e torna-se herege

matando de fome

o sopro do espirito

E a água da fonte

transpõe os montes

tornando-se alimento

à vida produzindo alento.

 

Num jeito singelo

Num jeito singelo

se faz a substância

da vida

E encontrar um anelo

que me dê a segurança

as vezes perdida.

Fim de ano vem aí

Fim de ano vem aí

carregando suas cinzas

e seu corpo disforme

de afogados

sem passaportes

 

Refletem por cima

de todos os lares

as luzes piscantes

nas janelas

nas árvores

 

O ano novo

pra recomeçar

as esperanças

do povo

 

E o povo pede mais

mais emprego e paz

mais alegria e harmonia

porque há fome de amor

no dia a dia .

Pérfida

Pérfida esta toda terra

e quando o homem

pensa que as coisas

estão certas

depois chora debalde

pois o mal travestido

de bem

está

unido com o iniquo

Mas logo vem

o nascido em Belém

pois é profícuo

em perdoar

e arrebatar

os habitantes da sombra

pairando no ar

munido de toda palavra

e honra.

Cercado de montes

Cercado de montes

na minha casa

da minha janela

não me sinto distante

porque os meus olhos

podem ver

o verde a ser

o que completa

de cor

na janela aberta

com vento e chuva

trazendo o frescor

da primavera.

Ondula no espaço

Ondula no espaço

Garganta de um vulcão

Troveja e corisca num

traço

Tempestade terremoto no

chão

Destorce formas

Invade vales

e se demora

No mundo manda

A natureza reclama

E quando vem a quietude

o respeito aflora

Fauna e flora

Do homem só se espera

atitude.