O vento tece seus sabores

e o ar da tarde

se faz

gentil

Eu, como árvore esquecida

me mostro sem flores

Nos montes prendo o meu

olhar

e agradeço a Deus:

Felizes os que têm um lar!