Manhã com sol

no frio de treze graus

O rapaz passa de bicicleta

fazendo malabarismo

Outro passa com um passarinho

enjaulado

Da minha casa na minha rua quieta

como eu gostaria de aproveitar o sol

no meio do caminho

e libertar todos os pássaros

das mãos que prendem

Os pássaros não são corruptos

não tem

a maldade humana

não sabem de jornais

não cometem estupro

E tudo que sabem é voar

nos ares

Suas armas são suas asas

os seus cantos

como os versos de um

poeta:

Um revoar de pranto

nas varandas das casas.