Magnificente seja

Senhor do universo

Ainda que eu não o

veja

Te exaltarei nos meus

versos

Quem conteve os mares

e conta todas as estrelas

aos milhares?

Não se detêm

ao infinito

Em tudo há tua mão

das Américas ao

Japão

Ergue tuas palavras

em fontes

que não se esgotam

Como estes pequenos

versos

permeiam o meu

espirito.