Arquivo de abril 2019

Pensamento

O pensamento devaneio às vezes se põe alheio

e o que sobreveio é como o vento passageiro.

Paulo o atleta

Paulo o atleta

Cristão

disse

que nesse chão

corremos para o

alvo

olhando para Cristo

e nessa carreira

não é de qualquer

maneira

que encontramos

um aprisco

O descanso

de tudo que sofremos

seja grande ou

pequeno

o destino para alma

e do espirito

encontrar-se-á

a calma

de um céu

infinito.

Um momento

Nossos momentos

não se põem

ao vento

 

Podem ser esquecidos

mas estabelecidos

as vezes bem mais

do que se supõem

 

E um momento

quando não é

verdadeiro

e claro

é nefasto

 

como se propõe

 

Pois o que é verdade

é iluminado

e mensageiro

da verdade

como

quis Deus.

A sua gloria

Os montes manifestam

a sua gloria

e a nossa história

está contada nos teus

mandamentos

Como a terra em

movimento

enseja

o que tu desejas

pela tua lei

o mundo

contra desfaz

E todos veem

que tua memoria

não pode voltar

para trás.

Pensamento engaiolado

Excluir sua liberdade

de pensamento

é como prender

pássaros

feitos

para voar

soltos ao vento

é como trancar a chave

sua liberdade

com seus planos

e desejos

que dão sustento

a sua criatividade

E quando não há criatividade

presa com correntes

tudo é água

turva

sem limpidez

que se possa disser

sua

onde atua

só falsidade.

Amor imenso no outono

Amor imenso no outono

tudo que se estabelece

na estação

Fontes que correm

para o ribeirão

 

É o que parece no mais

das vezes

e um sonho

Ave matutina

que se fez

 

As variedades das

flores

de cada vez

 

No mais

no mais

ver que ficou tudo para

trás

no muito ou pouco

que talvez

eu possa relembrar

o passar

do passar

do tempo em repouso

da mulher que fez

marido ou esposo

 

Não muito distante

propus ou proponho.

A maldade humana

A maldade humana não

tem limite

pois se o ser humano

fosse atendido

no seu suplicio

ao invés de se construir

edifícios

se construiria

casas de ajuda

para que o cristão

possa regenerar

a alma

não na fuga

do cerne

da fome humana

para que Deus acuda

a sede de viver

na fonte de vida

que a tudo cicratiza.

A própria razão desconhece

A própria razão desconhece

as razões do coração

Entre o prolongamento

de uma existência

a coisas

que não tem coerência

 

O simples fato de aludirmos

uma canção

sem ninguém fazer na memoria

nos faz refletir

que muitas

coisas

vem sem muita razão

no existir

 

Então o que vale

a pena

é a nossa razão

no existir

 

Só apenas num

verso

da poesia

se tem razão

em não querer

nele

nada que na poesia

deixe

de escrever.

Do que vale fazer canções?

O desejo humano

óra se inflama

óra se arrefece

como uma prece

que clama

todo azul do mar

todo azul do céu

nada valera

pelo dessabor

de que se diga

Deus!

Nas muitas provações…

Então do que vale

fazer canções?

É que a vida sem o

som do afeto

rima pobre

rima rica

se tonará em desafeto

e após o vale

de um deserto

virá a bonança

como uma criança

em sua oração

breve e singela

Acredita

não mais nela

mas em Deus.

Entre se sentir grande e pequeno

Entre se sentir grande

e pequeno

há uma via tênue

onde tudo ou quase

tudo é incerto

como num momento

quando ouvimos

o radio

e tudo se torna

deserto

pela realidade dura

que se faz

na noticia

como um

baralho

misturado

em cada avenida

onde se faz

a ferida

que só a palavra

dita de maneira

certa

pode refazer

o equilíbrio

Assim

olhamos o céu

no firmamento

e num silencio

mais do que lento

 

nuvens ao vento

que se encaminham

para o futuro.