Jesus não era simétrico, simétrica era a cruz. Um corpo assimétrico com a perfeição de Deus. Um homem que não tinha beleza nem formosura. Perfeitas palavras ditas à seu tempo. Tempo de mostrar ao mundo que a beleza do coração é o que mais importa, quebrando tradições e ideias pré-concebidas pelos homens daquela época que, ainda hoje comparando as duas épocas e seus valores, ainda persiste no mundo tão preocupado com aparências que enganam por não se sustentarem com a verdade.

Toda beleza maior está em Deus que dá graça e afeição, tanto para alma e o mundo tão carente da beleza incomparável do amor de Deus.