Contos e Crônicas

O que é crédito?

   Crédito, bom nome, confiança, boa reputação etc. Estas algumas qualidades de quem tem crédito. Mais o que é preciso para ter crédito? Creio que a qualidade tem que sobressair a quantidade. A despeito da inversão de valores na sociedade atual. Mas o crédito não se constrói de uma hora para outra, tem que ser cultivado, e manifestado nas qualidades ou frutos que cada pessoa cultiva e adquire pelo que absorve e emprega no seu viver. Para isso na nossa sociedade contemporânea é preciso também filtrar o que se absorve e se adquire para ser acrescentado aos seus valores de caráter. Pois quem vive uma vida des-regrada ou sem regras definidas, não pode se sobressair num mundo tão deserto e árido de valores, valores que perdurem para a vida e pós- vida, onde o eterno habita.

  Por muitos sofrimentos, a perseverança, para a esperança e o amor. Diante as muitas frustrações, aprendi a fazer canções onde cada um coloca sua melodia. E dia a dia, no ouvir e ver aprendi a crer. Pois sem a fé não há a crença no amor. Digo o amor verdadeiro, o amor de doar-se em contraparte ao amor egoísta, visando seus próprios interesses. E desses o infinitamente maior, o amor, a Deus e ao próximo.

Sociedade e Igreja

 

Eu acredito que para ter uma sociedade e uma igreja inclusiva é acreditar no que mais humano há, em cada ser. Primeiramente com amor, ordem e disciplina, pois o progresso tanto espiritual como da sociedade é algo que se conquista com a inclusão do próximo por meio principalmente do amor, a Deus e ao próximo. E para isso é preciso vontade para realizar, deixando o dinheiro em segundo plano. Pois o que mais importa na igreja e na sociedade é o ser humano.

Trabalho, simplicidade e disciplina

Certa vez, formulei um conceito de método de trabalho na vida e agir, da seguinte forma: trabalho, simplicidade e disciplina. Só sei que me veio isso da razão. Não consegui seguir está meta, ou por faltar disciplina ou por não conseguir a simplicidade. Duas coisas das mais difíceis de se conseguir. As duas levam tempo, para ser absorvidas e tornarem-se hábitos. Hoje eu consegui a simplicidade, talvez por ela estar internalizada dentro de mim. Agora estou procurando adquirir o habito da disciplina. Não de forma totalmente radical, porque assim seria algo como fanatismo. Um pouco de mente solta e livre para absorver ideias faz bem a alma, mais  simplicidade, sem desconsiderar a disciplina, que com excesso de rigor torna-se enfadonho e demasiadamente repetitivo.

Saturação

   Vivemos neste tempo atual uma crise de valores, onde os bens são colocados em primeiro plano, mas tudo que é passageiro, como o dinheiro, torna tudo descartável e o supérfluo não tarda a tornar-se em vão. Isso detém as pessoas em um circulo vicioso, onde o que é saudável e duradouro não é levado em consideração e os valores aparentes ainda que sejam prejudiciais fazem com que a grande maioria das pessoas, como meros seres, como um número de identificação. Somos baseados em números onde a curva ascendente um dia vai cair; não há base suficiente para suportar tanto peso insuportável sobre os ombros, sobre a frágil estrutura do Homem, como criatura, no equilíbrio deste mundo saturado de si mesmo.

  A civilização deste planeta é como um corpo, onde no seu interior há células doentes que contaminam as demais células, tornando o corpo todo doente. Como uma maçã que contamina as outras maçãs. Neste estagio atual a contaminação é tanta que todo o corpo está contaminado. Necessário é aproveitar o que resta e, numa operação “lavagem do espirito”, transformar o corpo para uma nova terra.

Próximo

   Quando eu era menino, no caminho para escola, vi um aglomerado de pessoas à beira do rio que passava por trás da escola. Vi um recém-nascido morto dentro de uma sacola. Isto me chocou muito e me perguntei por que alguém faz algo assim?… Mas eu quero falar é sobre a vida, enquanto ela estiver dentro de mim, pois com a mesma força que a preservamos, devemos preservar a vida do próximo, ainda que ele estiver longe de nós. O próximo não está limitado no nosso próprio espaço, ele habita no mundo como ser humano. Querendo ou não, ele clama por ajuda em qualquer parte do mundo e, necessário é, pelo menos, dar o nosso grito de esperança para tantos que a perderam.

Saúde, automóveis e o verde

   De fato, no mundo contemporâneo as pessoas gastam a primeira parte da vida para acumular riquezas e depois na velhice gastam para continuar a ter saúde e existir. No começo, na infância e na juventude o metabolismo é rápido, depois com o passar do tempo, ele fica cada vez mais lento. Lembrar-se do Criador na juventude é a mais sábia atitude. Não sabemos da luz do amanhã. Nunca é tarde para ser feliz- já dizia minha vó – mas o problema é que damos nós cegos e para depois desata-los, fica difícil. O Homem se aglomera em mega cidades cheia de edifícios e, quanto maior a aglomeração aumenta à violência, a contrario de tudo, a solidão. Muitas cidades modernas aboliram os automóveis das principais ruas, responsáveis por grandes males a humanidade, mas o poder das grandes montadoras é muito grande, enquanto o petróleo existe ainda abundante. Cidades verdes ao redor do mundo, verde sonho entre conflitos de poderes, enquanto a humanidade se perde pela desigualdade nas grandes cidades, onde os refugiados buscam esperança.

Fui convidado para um jantar pelo combate à fome

Fui convidado para um jantar pelo combate à fome. Mas como me alimentar em dia em que muitos passam fome? Se me convidassem para um jejum, eu aceitaria, porque o que o principio me guia é que uma ação humana sincera, não precisa de famosos ou qualquer coisa assim. O que Cristo pregou é o sentir com os que sentem, o descaso para com suas carências. E o cristão na sua essência precisa falar alto ou escrever e ao carente se compadecer. Antes a ação é para não a negação, mas a atitude de cristão, pois a maior fome do Homem é a de Deus.

A solidão dos idosos

   Por décadas atrás se dizia no Brasil: “Somos um País de jovens”- essa realidade mudou, estamos nos transformando num País de idosos. Mas a mentalidade não mudou muito, apesar das ações que tentam valorizar e resguardar os direitos dos idosos, a grande parte de jovens não valoriza os idosos; os tem como ultrapassados e, muitos com graus de invalidez são colocados de lado ou em asilos, considerados um peso, principalmente quando não colaboram para o bem estar financeiro da família. E claro que isso depende, também, da educação da família, seus conceitos. Há a chamada solidão dos idosos, onde a cosmovisão não é bíblica cristã e fraterna, onde o legado deixado pelos mais velhos não é respeitado. Por isso, é imprescindível manter-se ativo pela vida toda, onde a vida não termina na velhice, ela se perpetua nas próximas gerações e aonde o espirito junto à alma, virá na vida futura para eternidade.

O inverno, o lixo e leitores

Tarde de final de junho em pleno inverno, pelo menos deveria ser. Mas o inverno deste ano não mostrou a sua cara, as temperaturas em média superam os trinta graus, aqui no Rio de Janeiro. Tudo não é muito previsível. Será o aquecimento global? Um homem a beira da estrada coletava latinhas de cerveja, refrigerantes etc… Isto me fez pensar em resolver definitivamente separar o lixo em casa, apesar da empresa de coleta do lixo não fazer coleta seletiva. Mas isso não importa, separando o lixo ajuda aos anônimos coletores, digamos assim, trabalharem mais facilmente. Estamos a séculos separados dos países mais avançados neste item. Mais adiante, antes de chegar em casa, perguntei a um amigo que me comprou um livro meu, se o mesmo já havia lido o livro…Ele me respondeu que não, não teve tempo, a velha desculpa! Somos um País de analfabetos literários, pois o brasileiro, em média, tem o hábito de ler dois livros por ano, para ser generoso.