Insensatez

Rodamoinho

insensatez

Uns querem ver

um servo

perder a lucidez

Ainda que a

abstinência

do remédio

para alma

O senhor é o

melhor

remédio

para o tédio 

e escassez.

Por sobre as catedrais

Por sobre as catedrais e dos prédios

Por sobre o tédio

Não há coisa alguma

que nos prenda

Pode ser em uma

tenda

ou casinha de choupana

 

Acima da fama

o pensar grande

é como se expande

todo sonho

 

Luar por trás dos

montes

lugar distante

onde não afronte

nosso querer bem

 

Chegar-se lá

ou de barco

ou de trem

 

É mais que tudo

que se pode

fazer-se além

com Deus.

Sossego

Eu quero sossego

pois melhor viver

de brisa

do que coisas que nunca

se concretizam

Ecos da existência

na minha paciência

rumos que não dão

as caras

Sou eu uma joia

rara?

Dentro de mim

mesmo?

Eu seu que não

estou

a esmo

por mais que tentem

me subjugar

Eu sempre prefiro

acreditar

em Deus

bem mais…

Mesmo no prejuízo.

Manhã de Sábado

Chuva serôdia

chuva temporã

e todas as tribos

e línguas

imaginaram ser

Tupã

Jeová

Alá

 

o Deus com que nome

for

a pura

flor

de alfazema

 

não há dilema

mas que se creia

e tenha

amor

 

o Deus que cura

a cruel chaga

do coração

como um ribeiro

se chegar no céu

do chão

 

e não há dilema

em cada nascer

do sol

brilhante

radiante

 

entre as nuvens

o mensageiro

que desponta

redondo

em vermelho.

Acordei de manhã

Acordei de manhã

um silencio na minha

voz…

É como estar sozinho

distante

da praia sem coisas

boas ou vãs

O silencio de si mesmo

não é bom

pois é como um indiozinho

perdido

na floresta

sem manhãs

onde o pensar

é vazio

pois querer deter

o pensamento

é como impedir

flechas agudas

na voz

ou tentar

que  Deus não poça

perscrutar

o ser humano

como o sol

brilha em ondas

de fagulhas.

Quinta-feira, sexta-feira

Quinta-feira, sexta-feira

no seu labor

Tudo prefigura o absurdo

do trabalho

mudo

sem um favor

 

Esperando o fim

de semana

cotidiana

e seu descanso

no sábado

Santo

no aliviar

suspenso

o ar

 

No corpo traz

o que ficou

e descarregou

o que no dia

manso

sem nada de

pranto

que poça ficar

 

O mais

que o sol

a despontar.

O amor benigno

O amor deve ser

benigno

Nada ou coisa alguma

que se expresse mal

entendido

Além do que o real

da dignidade humana

o amor não ultrapassa

Pois a dignidade e amor

que estabeleceu Deus

está acima

do que o Homem

estabeleceu

com proposito

e valores

que o próprio profeta

Habacuque

diz que por mais

que tudo termine

o Senhor não

priva

o seus

das suas virtudes.

Que belo dia

Bolo no café da

Manhã

Que belo dia

Doce suco

Da maçã

Do que adianta

Se não suplanta

Tudo que vier

Das noites vãs

E mundo se enrique

Em mais uma

Prece

No nascer do sol

Até à tarde

Quando houver

O arrebol.

Vê este clarão?

Vê este clarão

que anuncia

estre os montes

na estação?

No mais belo

dia

que anuncia

o nascer

de uma nova

manhã

Mesmo que parece

indecifrável

o que

acontecer

Tudo aparente

um simples

pensar

não é mais

que abstração

e meditar

no que é Deus

se não

for a certeza

das palavras

e gestos

não há

mais uma canção.

O que encobriu Deus

O que encobriu Deus

a quem deu o direito

do Homem

descobrir?

Senão ao próprio

Deus?

O ser humano

desde a sua história

ficou

na memoria

pelos feitos seus

tanto

na escrita

falada e dita

das mais simples

e puras alusões

As edificações

não são coisas

de um homem só

mais o que é duradouro

é a agua que mata

a sede

fonte de vida

Não a prata

ou vãs cogitações

mais de Deus

permitida

em suas orações.