[Espanha] Manifesto em defesa dos direitos fundamentais na internet

Este manifesto, elaborado em conjunto por vários autores, é de todos e de ninguém. Se estiver de acordo, junte-se a ele, difundindo-o através da Internet.

Manifiesto “En defensa de los derechos fundamentales en internet”

Manifiesto “En defensa de los derechos fundamentales en internet”

Em reação aos artigos que afetam a liberdade de expressão na rede incluídos no anteprojeto de Lei de Economia Sustentável pelo governo da Espanha, jornalistas, blogueiros, usuários, artistas, ativistas e profissionais de mídias sociais do país se uniram e lançaram esta semana um manifesto em defesa dos direitos fundamentais na internet. Segundo matéria do jornal El País, o texto enviado ao parlamento prevê a criação de uma comissão de propriedade intelectual para bloquear páginas web que hospedem ou ofereçam, sem permissão dos titulares, links de arquivos sujeitos a direito autoral, como filmes, músicas e videogames.

A repercussão do Manifesto, ou “manifiesto”, gerou hoje uma ação do governo espanhol, que teve de se abrir para o diálogo. Esta tarde, o Ministério da Cultura convocou ativistas para uma reunião e o Primeiro Ministro José Luiz Rodrigues Zapatero, do PSOE, disse que não está em seus planos criar qualquer lei que resulte em censura na rede. Para acompanhar a situação, siga a hashtag #manifiesto no Twitter. Também há informações em: http://twitter.com/benyi/manifiesto-reunion.

Abaixo, a tradução em português do Manifesto:

[Espanha] Diante da inclusão de alterações legislativas que afetam o livre exercício da liberdade de expressão, de informação e o direito de acesso à cultura por meio da Internet no projeto de lei sobre a economia sustentável, jornalistas, blogueiros, usuários, profissionais e desenvolvedores de Internet vêm a público manifestar nossa firme oposição ao projeto, e declarar que …

1 . – O autor não pode estar acima dos direitos fundamentais dos cidadãos, incluindo o direito à privacidade, a segurança, a presunção de inocência, à tutela jurisdicional efetiva e à liberdade de expressão.

2 . – A suspensão dos direitos fundamentais é e deve continuar sendo da competência exclusiva do Judiciário. Dizemos NÃO à censura sem sentença. O modelo proposto, ao contrário do disposto no artigo 20.5 da Constituição, coloca nas mãos de um órgão não judicial – uma unidade do Ministério da Cultura – o poder de impedir o acesso dos cidadãos espanhois a qualquer site.

3 . – A nova legislação cria insegurança jurídica em torno do setor de tecnologia espanhol, danificando uma das poucas áreas de inovação em nossa economia, e dificultando a criação de empresas pela introdução de barreiras à concorrência e travas à sua expansão internacional.

4 . – A nova legislação proposta ameaça dificultar novos criadores e a criação cultural. Com a Internet e os sucessivos avanços tecnológicos, democratiza-se drasticamente a criação e a difusão de todos os tipos de conteúdos, que já não surgem predominantemente da tradicional indústria cultural, mas de muitas fontes diferentes.

5 . – Os autores, como todos os trabalhadores, têm direito a viver de seu trabalho com novas idéias criativas, modelos de negócio e atividades relacionadas com as suas criações. Tentar com alterações legislativas sustentar um modelo de indústria antiquada, que não consegue se adaptar a esse novo ambiente,  não é justo nem realista. Se o seu modelo de negócio é baseado no controle das cópias dos trabalhos e na Internet isto não é possível sem violar os direitos fundamentais, então vocês devem encontrar um outro modelo.

6 . – Acreditamos que as indústrias culturais precisam criar alternativas modernas, eficazes, aceitáveis e acessíveis para atender os novos usos sociais,  ao invés de promover limitações desproporcionais e ineficazes para os objetivos que declaram perseguir.

7 . – Internet deve funcionar livremente e sem interferências políticas patrocinadas por grupos que buscam perpetuar modelos de negócio obsoletos e impossibilitar que o conhecimento humano siga sendo livre.

8 . – Nós exigimos que o Governo garanta por lei a neutralidade da rede em Espanha como um marco fundamental para o desenvolvimento de uma economia realista e sustentável para o futuro, antes que pressões em contrário ocorram.

9 . – Propomos uma verdadeira reforma dos direitos de propriedade intelectual orientada para a restituição de seus objetivos originais: o retorno à sociedade do conhecimento, a promoção do domínio público e a limitação dos abusos dos órgãos de gestão.

10 . – Em uma democracia as leis e as suas alterações devem ser aprovadas depois de um debate apropriado e após consulta a todas as partes envolvidas. É inaceitável que sejam feitas alterações legislativas que afetam os direitos fundamentais em uma lei orgânica que trata de outro assunto.

Este manifesto, elaborado em conjunto por vários autores, é de todos e de ninguém. Se estiver de acordo, junte-se a ele, difundindo-o através da Internet.

Comentários (5)

  • erikcineasta

    A HISTÓRIA DO FUTURO

    Mentalizem esta data: 16 de outubro de 2006. Guardem bem na memória, pois ela entrará para a história do futuro como o primeiro dia da guerrilha cultural, perenizando o triunfo insofismável do Kynema Punk, coquetel herético-metonímico que combina Glauber Rocha com Hakim Bey para erigir casamatas altivas (e ativas) em meio à terra arrasada pela dominação global de índole neo-colonial.

    Uma atualização do cinema novo: câmera digital na mão e muita erva na cabeça, o que redunda em miríades de idéias saltitando feito elétrons desembestados na dimensão mágica da super-mente universal, a nova fênix que emerge dos escombros da desgastada concepção junguiana de inconsciente coletivo.

    O Circo Voador da Lapa parece mesmo predestinado quando se trata de fazer as vezes de plataforma de lançamento para os principais destaques da cena independente ou marginal.

    Cactos Intactos é a bola da vez. No evento denominado Opus Night (alusão anedótica à Opus Dei) serão exibidos, em seqüência, os 20 vídeos do grupo, que integram o álbum duplo em dvd, Kyne-Makyna, cujo lançamento coincide com o do livro de panfletos satíricos Yes, Nós Somos Bananas, editado pela Booklink.

    No encerramento, roda de poesia e performances. Quiçá shows de rock.

  • […] repercussão do Manifesto em defesa dos direitos fundamentais da Internet (no link, agora em português) gerou uma reação do governo Espanhol, que teve de se abrir para o […]

  • Fa

    Todo o conhecimento depende de conhecimento anterior, mesmo que seja apenas para refutá-lo.
    Como alguém ou uma empresa pode se achar DONO do conhecimento, a ponto de vigiar pessoas, impedir criatividade, inovação e progresso?
    Pior, como a LEI e GOVERNOS podem ser favoráveis a este tipo de ação?

    Coloquei uma cópia em
    http://labinfo-icb.ning.com/profiles/blogs/manifesto-em-defesa-dos

  • Muito bom esse blog nao o conhecia, se quiserem saber mais coisas sobre a Espanha conheçam meu blog!

    http://www.brasildestino.wordpress.com

  • […] repercussão do Manifesto em defesa dos direitos fundamentais da Internet (no link, agora em português) gerou uma reação do governo Espanhol, que teve de se abrir para o […]

Imagem CAPTCHA
*