SEC oferta consultorias gratuitas aos empreendedores criativos

A Secretaria de Estado de Cultura de Mato Grosso oferta, por meio do convênio da Secretaria da Economia Criativa do Ministério da Cultura, o programa Incubadora Mato Grosso Criativo que visa fomentar a economia criativa através de ações de capacitação, formação, orientação, assessorias e consultorias técnicas para empreendedores culturais.

O Mato Grosso Criativo lançara consultorias técnicas gratuitas para criativos culturais coletivos, serão disponibilizadas 30 vagas. As consultorias são para os grupos que trabalham nos setores da economia criativa, direcionados aos agentes culturais, artistas, coletivos artísticos e culturais e organizações da sociedade civil.

As ações das consultorias iniciarão no Polo Cuiabá, em 03 de novembro, entre 8h e 17h, na Galeria de Artes da SEC/MT. As inscrições podem ser feitas na sede do escritório em Cuiabá, anexo a SEC, Avenida Getúlio Vargas, 247 – Centro Norte, pelo telefone 65-3613 0222 ou por e-mail formacao.mtcriativo@gmail.com.

Incubadora Mato Grosso Criativo

A Incubadora em Mato Grosso foi a segunda a ser inaugurada no Brasil, que hoje possuí 13 escritórios de atendimento. A equipe do escritório é composta por técnicos selecionados por edital, estão presentes em todo estado através de cinco Polos de atendimento, sendo eles: Alta Floresta, Barra do Garças, Cáceres, Cuiabá e Rondonópolis.

Economia Criativa

Segundo a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) economia criativa é um conceito que trata da interface entre criatividade, cultura, economia e tecnologia em um mundo dominado por imagens, sons, textos e símbolos. Pode-se dizer que são processos que envolvam criação, produção, e distribuição de produtos e serviços, usando o conhecimento, a criatividade, e o capital intelectual como principais recursos produtivos.
De acordo com o MinC, por segmentos criativos entende-se: patrimônio material, patrimônio imaterial, arquivos, museus, artesanato, turismo, cultura popular, cultura indígena, cultura afro-brasileira, cultura alimentar, arte visual, arte digital, teatro, dança, música, circo, cinema e vídeo, publicações, mídias impressas e virtuais, moda, design e arquitetura.

Por Ana Eliza Lucialdo e Nelise Andreola