MT Criativo apresenta balanço de atendimentos

equipeNeusa Baptista – Comunicação/MT Criativo

Fotos: Divulgação

A Incubadora Mato Grosso Criativo apresentou nesta sexta-feira (19) um balanço dos atendimentos realizados até o momento tanto aos criativos interessados em abrir um negócio criativo como aos demais artistas que procuram diariamente o escritório, em busca dos mais diversos tipos de consultorias e informações.

Entre os meses de maio e dezembro de 2014, foram realizados mais de 1.500 atendimentos entre presenciais, por e-mail, telemarketing ativo e no espaço coworking, onde estão disponibilizadas ilhas de trabalho com acesso livre à Internet.

Formalização jurídica, acesso a editais e outras dúvidas administrativas foram os principais temas dos atendimentos telefônicos. Houve também apoio a divulgação de eventos e oportunidades de trabalho para artistas

Em Cuiabá, foram realizados atendimentos em consultoria para elaboração de planos de negócio e projetos culturais, apoio para exposições, fornecimento de informações sobre temas como editais culturais, entre outros. Ao todo, cerca de 150 artistas e empreendedores culturais foram cadastrados para atendimento, entre eles o grupo Rede de Artesãs Retalhos de Arte, do município de Poconé, que receberam consultoria para elaboração de projeto e recentemente realizou uma exposição durante o lançamento do Arranjo Produtivo Local de Economia Criativa.

Neste período, o MT Criativo realizou também palestras sobre os temas: Microempreendedor Individual; MT Fomento; o edital Conexão Brasil, do Ministério da Cultura; Patrimônio Imaterial, e organizou rodas de conversa com a comunidade quilombola de Mata Cavalo e com produtores culturais negros, atividades que atingiram cerca de 150 criativos da capital de do interior do Estado. Apoiou também a realização de eventos orientativos, como a Capacitação sobre Prestação de Contas para o PROAC, realizada pela Secretaria de Estado de Cultura em parceria com a Controladoria Geral do Estado.

A incubadora ainda colaborou e coordenou a realização de diversos eventos, entre eles a exposição “A’uwe – Araguaia: um olhar sobre as etnias do Araguaia”, em parceria com a Associação dos Artistas Plásticos e Artesãos do Vale do Araguaia (Valearte); o evento de apresentação do APL, o Almoço da Diversidade, entre outros.

Formação

O MT Criativo realizou também consultoria sobre o editais do Banco da Amazônia e de Intercâmbio do Ministério da Cultura, além de cursos com os temas Modelagem de Negócios, Planejamento financeiro no município de Barra do Garças, onde atendeu a cerca de 100 pessoas; Intercâmbio e Marketing pessoal, em Rondonópolis, atendendo a 61 pessoas.

Os criativos de Cáceres receberam consultoria sobre o edital do Basa e palestras sobre Economia Criativa, Oficina de Capacitação com consultores do Ministério da Cultura, curso sobre Organização de Eventos, Espanhol Básico e Recepcionista, palestra sobre Marketing Pessoal, em parceria com o Programas Senac de Gratuidade (PSG) e o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego,atividades freqüentadas por 181 pessoas, no total.

Incentivo aos novos negócios é um dos serviços prestados

Entre os atendimentos oferecidos estão aqueles voltados aos produtores culturais e artistas interessados em abrir um negócio criativo. Só em 2014, mais de 30 pessoas receberam este tipo de consultoria, que vai da organização da ideia à modelagem do negócio. Nela, o cliente recebe capacitação com as metodologias de Mapa Mental da Idéia do Negócio, Modelagem do Negócio Criativo em Canvas, Aprofundamento em Mercado e Produto (Canvas II), partindo depois para a consultoria em áreas mais específicas, caso seja necessário.
O processo todo pode levar semanas ou até meses, dependendo do caso. Essa ajuda para encontrar o “caminho das pedras” já gera resultados positivos. O fotógrafo Bruno Oliveira, por exemplo, já está na fase de Aprofundamento em Mercado e Produto com sua ideia de uma boutique de fotografia, negócio que irá oferecer atendimento ultraespecializado em fotografia, com itens como fotos artísticas e acompanhamento VIP dos clientes. Uma espécie de gourmet de fotos, serviço ainda indisponível em Cuiabá. “Cheguei aqui com uma ideia e espero estar com ela formatada até o final deste ano”.

Além de auxiliar quem está começando, o MT Criativo também dá uma mão para negócios criativos já estabelecidos, a fim de direcionar os rumos da gestão. Um dos exemplos é o Ponto de Cultura Espaço Vitória, que atualmente oferece o serviço de aproveitamento de lixo orgânico, com o qual sobrevive, mas que procurou o MT Criativo em busca de diversificação de fontes de sustentabilidade para o espaço multiuso gerenciado pelos empreendedores Paulo Wagner Oliveira e Erlon Bispo no bairro Jardim Vitória, onde são oferecidas atividades de inclusão social, geração de renda e cultura. “Estamos buscando apoio para que o Espaço Vitória possa ser reconhecido e potencializado no que ele tem de mais genuíno, como espaço de inclusão social, democrático, que transpira alegria e harmonia ambiental. O contato com o MT Criativo tem sido importante para a consolidação do nosso trabalho”, comentou Erlon.

Outro projeto que está praticamente finalizado é do cineasta Sernon Nonres, que trata da construção de uma start up, plataforma digital para disponibilização de filmes brasileiros raros, com pouca penetração nas grandes salas de cinema comerciais. “Queremos lançá-la em janeiro para testes, esperem!”, disse ele.

Mas nem sempre a consultoria resulta necessariamente em negócio. O processo também é importante. A comerciante Jaqueline Sena foi outra criativa que recebeu auxílio da incubadora para o desenvolvimento da ideia de uma multifeira cultural, cuja modelagem de negócio já está pronta. Porém, ao longo do processo, ela percebeu a necessidade de se capacitar mais para desenvolvê-lo. “Nem sempre o objetivo da consultoria é que se saia daqui com um negócio montado e se parta para o mercado. Esse processo também leva o criativo a se descobrir – ou não – como empreendedor e, a partir daí, decidir que rumo dará à sua ideia e à sua carreira”, comentou a coordenadora de ações artístico-culturais da Secretaria de Estado de Cultura, Cinthia Mattos.

As consultorias são gratuitas. O agendamento pode ser feito pelo telefone (65) 3613 0222.

APL da Economia Criativa é lançado em Cuiabá

IMG_2990

Neusa Baptista – Comunicação/MT Criativo

Grupos culturais tradicionais, produtores culturais, parceiros e outros integrantes da cadeia produtiva da cultura de Mato Grosso participaram na tarde desta terça (16), na Casa Cuiabana, da apresentação do Arranjo Produtivo Local de Economia Criativa do Vale do Rio Cuiabá, contemplado pelo edital do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic). A apresentação foi organizada pela Secretaria de Estado de Cultura de Mato Grosso (SEC-MT) e pela Incubadora Mato Grosso Criativo (MT Criativo).

O objetivo é fomentar a cadeia produtiva da cultura nas cidades de Acorizal, Barão de Melgaço, Cáceres, Campo Verde, Chapada dos Guimarães, Cuiabá, Jangada, Nobres, Nossa Senhora do Livramento, Nova Brasilândia, Planalto da Serra, Poconé, Rosário Doeste, Santo Antônio do Leverger e Várzea Grande.
O projeto terá duração de dois anos (2015 a 2017), com recursos da ordem de R$ 10 milhões – via Mdic e captações –, que serão investidos primeiramente no mapeamento das demandas da cadeia produtiva e, posteriormente, na melhoria de itens como a infraestrutura, a capacitação e a circulação comercial dos produtos culturais e turísticos do Estado. Até o final de 2017, a meta é construir uma rota turístico-cultural que demonstre ao turista o que Mato Grosso tem de melhor.
O Secretário de Estado de Cultura, Fabiano Prates, destacou a importância do APL para o fomento e a preservação de manifestações culturais como o cururu e o siriri, cartões de visita do Estado. “O mais importante é fomentar estas manifestações, não deixá-las morrer. Mato Grosso fica muito feliz com este presente. E nós também, ao entregarmos a pasta de Cultura com os recursos necessários para que esse projeto aconteça”.
Estiveram presentes no evento representantes das instituições governamentais e não governamentais que participaram da construção do plano de desenvolvimento do APL: as Secretarias de Estado de Indústria, Comércio e Mineração (SICME); de Desenvolvimento do Turismo (SEDTUR) e de Meio Ambiente (SEMA), e de Cultura (SEC-MT), além do Instituto Cultural América e do MT Criativo.
A produtora cultural Cybele Bussiki se disse honrada em ter participado do grupo que elaborou o plano de desenvolvimento do APL. “Esta é a oportunidade de ninguém mais mexer com a história de vocês, então eu quero pedir para vocês que participem deste APL”, disse ela, dirigindo-se aos grupos culturais presentes.
A presidente do Comitê Gestor do APL, Cínthia Mattos, salientou não tratar-se de uma ação de governo, mas sim de toda a sociedade, conclamando os atores sociais principais – os artistas e parceiros – para que continuem contribuindo. “Temos uma cultura pujante e belezas naturais riquíssimas, agora só falta mostrá-las. Para isso é preciso contar com a parte mais importante, que são os atores sociais. Com o APL, poderemos dinamizar estes setores e oferecer como produto final um roteiro completo a quem aqui vier.Queremos que o turista tenha condições de usufruir da Maria Izabel, da viola de cocho, dos quintais de siriri, da casa cuiabana, das belezas do Pantanal, enfim, de tudo o que o Estado tem a oferecer em termos de turismo e cultura”. Cínthia é coordenadora de ações artístico-culturais da SEC-MT.

O APL
A construção do modelo do APL contou com a participação de diversos atores sociais governamentais e não governamentais, com o objetivo de buscar a valorização e expansão da cultura mato-grossense.
É fruto de um trabalho de articulação entre estas instituições e outros atores sociais do setor cultural, com o objetivo de buscar sustentabilidade para os empreendimentos e grupos culturais do Estado.
A gestão será feita por meio de uma governança, que conta com representantes da SEC-MT, SEDTUR, MT Criativo e SICME, tendo como presidente Cínthia Mattos.
O APL é composto pelos seguintes empreendimentos e instituições apoiadoras: SICME/PAB (Programa Artesanato Brasileiro), Centro Histórico Cultural Holístico (CCH); Associação Quintal; Associação Flor; Associação Morielo São Gonçalo Beira Rio, Associação de Artesãos São Gonçalo Beira Rio; Associação Cururueiro Coxipó São Francisco; Peixaria Coxipó São Geraldo Beira Rio, AMAV/ABD-MT; Cia das Artes do Brasil; Secretaria de Estado de Cultura; Federação de Cururu e Siriri; TV AL-MT; Unic Gastronomia; Ponto de Cultura; SEDRAF (Secretaria de Estado de Desenvolvimento Rural e Agricultura Familiar (Sedraf) ), CIDES-URC; Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Turismo (SEDTUR); Secretaria de Estado de Meio Ambiente (SEMA); Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social (SETAS-MT); Nobres Vozes; APPA; Grupo Cururu e Siriri Raízes Cuiabanas; Associação Mato-grossense dos Cegos; Ponto de Cultura Instituto dos Cegos; Trade Turístico; JY Okamura Assessoria e Consultoria, Lamiré Cinema e Vídeo e Instituto Ecoss. A maioria das quais estiveram presentes à apresentação.
Expectativa
A formação de novos cururueiros e a preservação do siriri tradicional é uma das preocupações do mestre cururueiro Benedito Pinto de Moraes, coordenador do Grupo Folclórico de Cururu, Siriri e Reza Cantada do Pantanal. Composto de 19 participantes, o grupo tem faixa etária de cerca de 60 anos, o que demonstra a dificuldade de formar novos artistas. “São precisos pelo menos seis meses para se formar um novo cururueiro, sentimos a dificuldade em ter infraestrutura para repassar aos nossos jovens este conhecimento. Sem investimento, a dança tradicional, os costumes tendem a morrer. Esperamos que com este investimento, possamos crescer cada vez mais no Estado”.
A preservação da cultura também é o ponto chave para o Antônio João Batista Campos de Arruda, o Tote, um dos representantes da dança do Congo. “Esta dança é a manifestação de nossos ancestrais africanos. Lutamos por sua preservação”.

MT Criativo e SEC apresentam APL da Economia Criativa

  Crédito - SECOM-MT4Arranjo Produtivo Local visa desenvolver cadeia produtiva da cultura no Estado

Neusa Baptista – Comunicação/MT Criativo – Noelisa Andreola – Assessoria/SEC

A Secretaria de Estado de Cultura (SEC) e a Incubadora Mato Grosso Criativo (MT Criativo) apresentarão na próxima terça-feira (16), às 14 h., o Arranjo Produtivo Local da Economia Criativa do Vale do Rio Cuiabá. A iniciativa é fruto de uma parceria entre o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic) e o Ministério da Cultura (Minc) para desenvolver setores da economia criativa em vários estados brasileiros, entre eles Mato Grosso.

O evento acontecerá na Casa Cuiabana, onde será apresentado o Plano de Desenvolvimento do APL, aprovado pelo Mdic.

O arranjo produtivo local (APL) é uma metodologia que promove a articulação e o fortalecimento de agentes produtivos de um mesmo território que desenvolvem atividades econômicas correlatas e possuem vínculos de produção, interação, cooperação e aprendizagem.

Geralmente, o APL reúne empresas produtoras de bens e serviços finais, fornecedoras de insumos, prestadoras de serviços, comercializadoras, clientes, cooperativas, associações, representações, organizações de treinamento de recursos humanos, informação, pesquisa, promoção e financiamento, além de agentes públicos.

Em MT, a meta é diagnosticar as potencialidades regionais geradoras de receita que fomentam a economia criativa para, em seguida, traçar um planejamento estratégico com foco no fortalecimento dos envolvidos na cadeia produtiva local.

O APL do Vale do Rio Cuiabá tem o objetivo de identificar as potencialidades locais e estimulá-las. Prevê o incentivo aos setores de dança, gastronomia e artesanato por meio de otimização de recursos, orientações para o aumento da produção, obtenção de linhas de crédito e sinalização de novos mercados, recebendo verbas do Governo Federal por meio do Ministério da Cultura (MinC) e o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic).

O objetivo é a construção de uma rota turística cultural que abrangerá os municípios de Cuiabá, Várzea Grande, Acorizal, Barão de Melgaço, Cáceres, Campo Verde, Chapada dos Guimarães, Jangada, Nobres, Nossa Senhora do Livramento, Nova Brasilândia, Planalto da Serra, Poconé, Rosário Oeste e Santo Antônio do Leverger.

Com uma população de um milhão de habitantes e PIB aproximado de R$ 20 bilhões, a região é caracterizada por riquezas naturais como as Baias de Chacororé e Siá Mariana, a Chapada dos Guimarães e o Pantanal; e manifestações culturais ímpares, como as festas de São Benedito e do Senhor Divino, o Rasqueado, a Cavalhada e as danças do Cururu e Siriri, entre outras.

Em resumo, a ação maior do APL apoiará o fortalecimento econômico e social dos municípios.

Para o secretário de Estado de Cultura, Fabiano Prates, a iniciativa é um grande presente para os mato-grossenses. “O Arranjo Produtivo vai movimentar a economia local por meio da dança, artesanato e gastronomia de um modo sustentável, valorizando o trabalho dos nossos criativos, que geram produtos para serem consumidos por meio do turismo cultural ‘.

Esse projeto conta com representantes das Secretarias de Estado e Assistência Social – Setas, Secretaria de Estado de Desenvolvimento Rural e Agricultura Familiar – Sedraf; Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Turismo – Sedtur; Secretaria de Indústria e Comércio , Minas e Energia – Sicme; a Agência de Fomento do Estado de Mato Grosso S/A – MT Fomento; e a equipe do MT Criativo.

O ​evento contará com manifestações culturais do Estado como, Cururu, Siriri e a Arpilharia.

Crédito da Foto: Secom-MT

Empresa incubada pelo Goiás Criativo é vencedora do Prêmio Brasil Criativo

Casulo Moda Coletiva recebe o Prêmio Brasil Criativo

premio casulo

O Casulo Moda Coletiva, empresa incubada pelo Goiás Criativo, foi vencedora do Prêmio Brasil Criativo, Categoria Moda, em cerimônia de entrega realizada na noite de ontem (03/12), no Auditório Ibirapuera, em São Paulo.

O Prêmio Brasil Criativo é uma iniciativa do Ministério da Cultura, por meio da Secretaria da Economia Criativa e sua finalidade é identificar, reconhecer, fomentar, apoiar e difundir projetos ou empreendimentos da Economia Criativa brasileira.

Empresas de todo o Brasil concorreram ao Prêmio, que contemplou 22 áreas que usam a criatividade como solução para o desenvolvimento da Economia Criativa.

Com cinco anos de existência, o Casulo Moda Coletiva é um espaço voltado ao mercado de moda e cultura, focado no segmento de prestação de serviços especializados e comercialização de produtos de design exclusivo. É uma das empresas incubadas pelo Goiás Criativo, que acompanha e orienta, por meio de consultorias e assessorias, o trabalho de gestão do Casulo.

A conquista do Prêmio Brasil Criativo pelo Casulo Moda Coletiva demonstra sua competência, talento e criatividade e também o excelente resultado do trabalho que o Goiás Criativo realiza, para o desenvolvimento da Economia Criativa em Goiás.

Por Eloisa Navarro – Comunicação e Marketing – Goiás Criativo