Secel-MT e MT Criativo concluem capacitações de maio

_MG_9023Neusa Baptista – Comunicação/ MT Criativo

A Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer de Mato Grosso (Secel-MT), por meio do MT Criativo, concluiu nesta quarta-feira (20) a agenda de capacitações gratuitas oferecidas aos empreendedores criativos durante o mês de maio.

O encerramento aconteceu com o mini curso “Introdução à Produção Cultural: Eventos Culturais e Artísticos”, ministrado na última terça-feira (19) e quarta-feira (20) pela produtora cultural Paula Naves. No dia 14 de maio, foi oferecido o bate-papo “Design Thinking: Pensando como um designer”, com os consultores Joana Resende e Luis Pita. Ao todo, 54 pessoas participaram das capacitações.

Paula Naves, que ofertou o curso em parceria com o MT Criativo, avaliou positivamente a experiência. “Participei de várias capacitações ofertadas pelo MT Criativo e, graças a isso, pude estabelecer contatos, relações com outros produtores culturais e firmar parcerias como, por exemplo, com o Museu Histórico de Mato Grosso. O MT Criativo tem este potencial de conectar e fomentar o intercâmbio entre os empreendedores do setor criativo”, comentou.
O curso foi focado nas fases de produção de eventos culturais, das ações iniciais (pré-produção), passando pela execução (produção) até a finalização da ação (pós-produção). Além de apresentar conceitos e falar sobre os trâmites necessários em cada caso, Paula Naves também trouxe um pouco de sua experiência à frente da produção de projetos culturais como o Cinema BR em Movimento, o Festival Tudo Sobre Mulheres e o projeto Tim Música nas Escolas, demonstrando aos presentes as soluções encontras por ela para driblar problemas e concluir as ações com êxito.
A sensibilidade e a disposição para entender o mundo do artista foram algumas das características necessárias para um bom produtor cultural, segundo Paula. Para os participantes, esta foi uma oportunidade de se qualificar para novas empreitadas. “Trabalhei no setor de eventos sociais do Hospital de Câncer e acompanho há algum tempo as ações do MT Criativo. Esta é uma chance de adquirir novos conhecimentos”, disse a participante Larissa Rodrigues. Para o produtor de eventos sociais Carlos Cesar da Conceição, o curso ajudou em seu objetivo de focar mais em eventos culturais. “Já produzimos festas, casamentos e outros eventos sociais, mas agora queremos ampliar nossos serviços, pois este mercado está crescendo muito”, explicou.
O músico e jornalista Márcio Camilo, vocalista da banda de rock alternativo Orpheus, procurou a formação em busca de melhorar sua atuação como empreendedor. “Foi bom, pois levantou muitos questionamentos, curiosidades e apontou caminhos para melhorar o marketing da banda, entre outras coisas. Nossa meta é nos inserir nos diferentes espaços dedicados à música alternativa, enfim, crescer musicalmente”, disse ele.
Para saber mais sobre o MT Criativo acesse www.matogrossocriativo.wordpress.com.

Foto: Amilton Martins

Economia Criativa é tema de reunião e bate-papo com Minc em Cuiabá

11168029_776032539178996_3264216752479773086_nNeusa Baptista – Comunicação/MT Criativo

O desenvolvimento da economia criativa em Mato Grosso foi tema de uma agenda dos representantes da Coordenação de Empreendedorismo e Inovação da Secretaria de Políticas Culturais do Ministério da Cultura (Minc), Gustavo Vidigal e Tiago Canha, durante esta segunda-feira (18).

Pela manhã, ele se reuniu com o secretário de Cultura, Esporte e Lazer de Mato Grosso, Leandro Carvalho, e a Secretária Adjunta da pasta, Regiane Berchieli. À tarde, Gustavo Vidigal participou de um bate-papo com produtores culturais e artistas de Cuiabá e Várzea Grande, tendo como tema principal a Economia Criativa.

Ele apresentou uma retrospectiva da construção do conceito de economia criativa, bem como sobre o contexto deste segmento econômico no Brasil e no mundo. Entre outras coisas, Vidigal ressaltou a importância de que o Brasil deixe de ser apenas alvo de políticas compensatórias e passe a pensar ações a partir dos ativos locais, adotando modelos baseados em itens como o poder lateral, em contraposição ao modelo centralizador; a ênfase em talentos coletivos e não somente nos individuais; e a lógica da colaboração, em vez da competição.

Atualmente, existem no país 110 territórios criativos mapeados, 14 incubadoras, 27 APLs (Arranjos Produtivos Locais), 100 bancos comunitários, 70 cooperativas de crédito e mais de 60 Centros de Artes e Esportes Unificados (CEUs).

Como exemplo, Vigidal apontou em Mato Grosso algumas iniciativas que demonstram que a economia criativa já tem um caminho trilhado localmente, entre elas a presença da incubadora Mato Grosso Criativo; a existência de bancos comunitários nas cidades de Alta Floresta, Cuiabá e Rondonópolis; os CEUs em Cuiabá, Sorriso e Rondonópolis e o Núcleo de Produção Digital, no campus da UFMT do Araguaia, entre outras.

Bate papo

O encontro com produtores culturais serviu para tirar dúvidas, avaliaram as produtoras culturais Antonina Cajango de Oliveira, e Carmem Maria Pereira, de Várzea Grande. “Coordeno um projeto que atende a 200 crianças com atividades de dança, música e esporte e agora estamos montando um grupo de mulheres para trabalhar com economia solidária. Esta reunião serviu para dar um norte sobre o que fazer e onde buscar informações”, comentou Antonina, que é coordenadora da Associação Caminhando para Mais um Sonho.

Carmem pertence à Associação Folclórica de Mato Grosso, que oferece oficinas de siriri e chorado para mulheres e compareceu à reunião em busca de informações sobre como acessar mais recursos para a manutenção do grupo.

reuniao2

Gustavo Vidigal avaliou positivamente o encontro. “O que ficou cada vez mais evidente, desde o primeiro contato que tivemos com a nova secretaria de Cultura, Esporte e Lazer é que o Estado de Mato Grosso efetivamente decidiu elencar a economia criativa como uma plataforma de desenvolvimento sustentável, de longo prazo, endógeno partindo dos ativos que o Estado já possui”, disse ele. “Esta escolha é muito poderosa, pois exige uma grande concertação entre as secretarias, como já vem acontecendo. Agora é necessário ampliar esta relação também com a sociedade civil. Foi uma reunião muito proveitosa”.