Setores criativos na pauta do desenvolvimento do Pará

Nesta semana, a Incubadora Pará Criativo esteve presente na segunda oficina do Projeto Belém 400 anos e na 77ª Reunião Ordinária do Fórum de Desenvolvimento Turístico do Estado do Pará. As ações foram promovidas pelas Secretarias de Estado, Indústria, Comércio e Mineração (Seicom) e Secretaria de Estado de Turismo (Setur), respectivamente.

IMG-20141111-WA0004

A segunda oficina do Projeto Belém 400 anos, sobre Economia Criativa, foi realizada na quarta-feira (11) no Espaço São José Liberto. Empreendedores de setores como música, artesanato, design, dentre outros, estiveram presentes para dialogar sobre os entraves e alternativas para elaboração de suas atividades.

A parceria da Secretaria Municipal de Economia (Secon), Banco da Amazônia e Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração (Seicom) está promovendo as oficinas cujo objetivo é contribuir para a elaboração de um diagnóstico estratégico dos 11 setores elencados pela comissão do Projeto Belém 400 anos.

O projeto culminará com a elaboração de um documento estratégico com informações socioeconômicas das atividades produtivas da cidade de Belém, para contribuir com o desenvolvimento sustentável do estado.

A 77ª Reunião Ordinária do Fórum de Desenvolvimento Turístico do Estado do Pará, foi promovida pela Companhia Paraense de Turismo (Paratur) e da Secretaria de Estado de Turismo (Setur). Participaram do encontro representantes das seis regiões turísticas do Pará: Belém, Marajó, Tapajós, Amazônia Atlântica, Araguaia Tocantins e Xingu.

Lorena Moreira, Coordenadora de Formação da Incubadora Pará Criativo, fala sobre a importância das ações para o fortalecimento da economia criativa no estado. “Iniciativas como essas potencializam a elaboração de novas políticas públicas para o setor da economia criativa no Pará e, enquanto resultado de uma política pública em prol do desenvolvimento da economia criativa, é essencial que a incubadora participe desses diálogos e continue o processo de aproximação com os empreendedores e instituições que integram o setor”, afirma.

Com informações das Assessorias de Comunicação da Seicom e Paratur.

 

Pará Criativo promoverá oficina de reaproveitamento de resíduo sólido

Reaproveitamento de resíduo sólido é tema de oficina no Pará Criativo

Entre os dias 17 e 28 de novembro, a Incubadora Pará Criativo promoverá em Belém a oficina “Inovação e Sustentabilidade – Oportunidades de negócios criativos com resíduos sólidos”. Com inscrição gratuita, a ação será realizada no Atelier das Artes do Instituto de Artes do Pará (IAP), e terá duas turmas, nos seguintes horários: das 16 às 18 h e das 18h30 às 20h30. As inscrições podem ser feitas até a próxima sexta-feira (14). Para participar é preciso acessar o link disponível no endereço eletrônico http://migre.me/mLwus. Serão ofertadas 20 vagas.

Ministrada por Alessandra Viana, a oficina tem o objetivo de estimular o fazer criativo, a partir da sensibilização para o uso de materiais reaproveitáveis, como copos plásticos, retalhos e garrafas PET. A oficina tem como objetivo a construção de objetos sobre temas natalinos, por profissionais de artesanato, cultura popular, teatro e design.

Alessandra Viana é graduada em Design de Interiores pela Universidade da Amazônia (Unama). Tem vasta experiência como cenografista e aderecista, e já trabalhou na produção, elaboração e desenvolvimento de cenários de eventos culturais em Belém.

Serviço: Oficina “Inovação e Sustentabilidade – Oportunidades de negócios criativos com resíduos sólidos”, de 17 a 28/11/2014. Duas turmas – das 16 às 18 h e das 18h30 às 20h30, no Atelier das Artes do IAP, na Praça Justo Chermont, 236, ao lado da Basílica Santuário de Nazaré. Inscrições gratuitas até 14/11, pelo link http://migre.me/mLwus. Mais informações pelo fone (91) 4006-2930.

Comunidade quilombola do Acará recebe oficina sobre cultura digital

Entre os próximos dias 17 e 21, o município de Acará, no nordeste do Estado, recebe a oficina “Cultura Digital”, promovida pela Incubadora Pará Criativo. A ação é gratuita e tem o apoio da Coordenação das Associações das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Pará (Malungu) e do projeto Nós – Quilombolas da Amazônia.

Ministrada por Marco Aurélio Dias Santos, professor de informática educativa e redes de aprendizagem, a oficina abordará temas gerais da cultura digital, como a criação de blogs, planejamento e roteiro audiovisual, produção de conteúdo digital (texto, fotografia e vídeo), publicação, manutenção e gerenciamento de postagens em blogs.

A ação tem como objetivo a promoção das novas tecnologias na produção de conteúdos digitais que valorizem a criatividade, o conhecimento e a liberdade cultural. Além disso, a ação tem como foco a criação de espaços virtuais de discussão da realidade local para o desenvolvimento da identidade cultural regional.

A oficina é voltada para jovens e adultos das comunidades quilombolas de Guajará Miri e Itancoã. As inscrições estão abertas e serão feitas até a próxima sexta-feira (14). Para se inscrever, o interessado deve se dirigir à comunidade Guajará Miri, no km 24 da Alça Viária, na entrada da comunidade em frente à Casa do Queijo, seguindo na estrada direto até o Areial.

Marco Aurélio Dias Santos é licenciado em Educação Artística – Artes Plásticas pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Tem experiência em Informática Educativa, Elaboração de Projetos, Redes e Aprendizagens. Ministra também aulas sobre o uso do tablet na educação, uso da fotografia e redes sociais em sala de aula, produção de vídeo e rádio escola.

Serviço: Oficina “Cultura Digital”, com Marco Aurélio Dias Santos, no Acará, de 17 a 21 de novembro, das 14h às 17h. Mais informações: (91) 4006-2930.

Economia Criativa será debatida em cinco regiões do Pará

Banner_Ciclo Criativo
A partir do próximo dia 6 de novembro, os municípios de Santarém (no oeste), Cachoeira do Arari (no Marajó), Marabá (no sudeste) e Bragança (no nordeste) realizarão debates sobre o desenvolvimento da Economia Criativa no Pará. A programação será encerrada em dezembro, quando Belém (Região Metropolitana) sediará um grande encontro, com representantes de todos os municípios envolvidos.

Com entrada franca, o evento é uma promoção da Incubadora Pará Criativo, do Instituto de Artes do Pará (IAP), Instituto de Gemas e Joias da Amazônia (Igama) – que gerencia o Espaço São José Liberto -, Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração (Seicom) e Regional Norte do Ministério da Cultura (RRN/MinC), com apoio do Servido Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-PA) e da Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal do Pará (FAV/UFPA).

O evento promoverá palestras, mostras e ações de formação nas diferentes regiões do Pará, com a participação de gestores públicos e privados, representantes de instituições de ensino e da sociedade civil. Todos esses segmentos vão dialogar sobre Empreendedorismo Criativo. Os debates nortearão o desenvolvimento da Economia Criativa paraense. O evento é direcionado a empreendedores de todos os segmentos da Economia Criativa, como artistas, produtores culturais, gestores públicos e privados, acadêmicos e estudantes.

Nos municípios, cada ciclo do evento contará com 10 horas de atividades, incluindo palestras, debates e atrações culturais, além de relatorias, para registrar as demandas e especificidades locais. Ao final, as instituições reunirão o material em um documento com as diretrizes para o desenvolvimento da Economia Criativa do Pará.

Santarém será a primeira cidade a receber o Ciclo Criativo, no próximo dias 6 e 7, seguida por Cachoeira do Arari (dia 14), Marabá (22), Bragança (27) e Belém, nos dias 4 e 5 de dezembro.

Conceito – A Economia Criativa surgiu na Austrália, nos anos 1990, mas foi em 2001, na Inglaterra, que o assunto foi popularizado. Em seu livro The CreativeEconomy: How People Make Money FromIdeas (Edição Brasileira: Economia Criativa – Como Ganhar Dinheiro Com Ideias Criativas (M. Books, 2012), o inglês John Howkins criou o termo e definiu alguns pilares da nova economia. No Brasil, o setor começou a ser oficialmente introduzido com a Secretaria da Economia Criativa, criada em 2011, no âmbito do Ministério da Cultura.

A Economia Criativa compreende a gestão da criatividade para gerar riquezas culturais, sociais e econômicas, e abrange os ciclos de criação, produção, distribuição/difusão, consumo/fruição de bens e serviços que usam a criatividade, a inovação, a cultura e o capital intelectual como insumos primários. Por segmentos criativos entende-se patrimônio material, patrimônio imaterial, arquivos, museus, artesanato, cultura popular, cultura indígena, cultura afro-brasileira, cultura alimentar, arte visual, arte digital, teatro, dança, música, circo, cinema e vídeo, publicações, mídias impressas e virtuais, moda, design e arquitetura.

Constituída predominantemente por pequenas e médias empresas, a amplitude da Economia Criativa, no Brasil, ainda é difícil de ser mensurada. Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram que os setores criativos movimentaram, em 2010, R$ 104,37 bilhões, o que corresponde a 2,84% do PIB (Produto Interno Bruto) nacional. O setor vem crescendo a uma taxa média 6,3% nos últimos cinco anos, mais do que a média de crescimento do próprio PIB, de 4,3%.

Serviço: Ciclo Criativo – diálogos, reflexões e desenvolvimento para a economia criativa no Pará.
Calendário:

6 e 7/11 – Santarém
14/11 – Cachoeira do Arari
22/11 – Marabá
27/11 – Bragança
4 e 5/12 – Belém

As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas pelo link http://migre.me/mn88r ou nos endereços abaixo:

Santarém – Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa) – Agência de Inovação Tecnológica (AIT), Campus Amazônia, sala 222, na Avenida Mendonça Furtado, 2946, bairro Fátima, e
Associação Comercial de Santarém, na Praça da Bandeira, 565, no Centro. Fone: (93) 3523-5633.

Cachoeira do Arari – Secretaria de Cultura – Avenida José Rodrigues Viana, 785, Centro; Museu do Marajó, Avenida do Museu, 1983, Centro. Fone: (91) 8424-4224.

Marabá – GAM – Travessa Carlos Leitão, 381, Centro. Fone: (94) 8133-9392; Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa), Campus 1 – Proex,Folha 31, Quadra 7, lote especial s/n. Fone: (94) 8115-1037, e Secretaria de Cultura, Biblioteca Municipal Orlando Lima Lobo, 696, Centro. Fone: (94) 3322-3321.

Bragança – Casa do Empreendedor – Rua 09 de Setembro, s/n. Fone: (91)  8206-5828.

Belém – Incubadora Pará Criativo – Praça Justo Chermont, 236 – prédio do IAP, ao lado da Basílica Santuário de Nazaré. Fone: (91) 4006-2930.

Mais informações pelo fone  (91) 4006-2930, na página fb.com/ciclocriativopa ou no site www.paracriativo.pa.gov.br

O Pará Criativo no XXIV Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas

Por Lorena Moreira
Coordenadora de Formação da Incubadora Pará Criativo

XXIV Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas

XXIV Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas

 

O XXIV Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas foi realizado entre os dias 22 e 26 de setembro de 2014, em Belém, pela Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec). A ação contou com a participação de inúmeros representantes das áreas de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação de entidades nacionais e internacionais. Continuar lendo

Incubadora Pará Criativo promove oficina em Afuá, no Marajó

Na última semana, o Pará Criativo esteve presente no município de Afuá, na Ilha do Marajó, para levar a oficina Elaboração de Projetos Culturais, ministrada por Alexandre Sequeira. Cerca de 20 alunos, entre funcionários públicos municipais, artistas e professores, participaram da ação. Gratuita, a iniciativa teve o apoio da Associação dos Municípios do Arquipélago do Marajó (Amam), Instituto de Artes do Pará (IAP) e prefeitura.

Afuá, a cidade brasileira onde veículos motorizados são proibidos por lei

Afuá, a cidade brasileira onde veículos motorizados são proibidos por lei

O público da oficina foi heterogêneo. Alguns já tinham um claro entendimento de projetos, captação de recursos e gestão, e outros ainda estavam em um estágio inicial, como o pedagogo Elielson Viana, que atualmente trabalha no Centro de Referência da Assistência Social de Afuá. Interessado em colocar em prática o seu projeto de resgate de lendas do município por meio de animações gráficas, ele procurou a oficina para conhecer as ferramentas necessárias. “Na faculdade eu já tinha visto algo sobre elaboração de projetos, mas era mais focado na parte didática. A questão de empresas, patrocínios e contrapartidas foi novidade para mim”, disse.

A representante da Secretaria de Cultura do município, Carina Miranda, ajudou na organização e participou também como aluna da oficina. “Neste momento, estamos fazendo o levantamento das potencialidades de Afuá, levantando informações sobre hospedagens, alimentações e grupos turísticos. Queremos oferecer acesso fácil à informação ao turista que vier a Afuá. A capacitação do público da cidade e também dos funcionários públicos é muito importante para o fortalecimento do município”, afirmou.

A oficina também teve representantes da cidade de Anajás, entre eles, o secretário de Cultura, Hellison Queiroz. Como administrador de uma pasta da prefeitura, ele já apresentava experiência em elaboração de projetos, mas a oficina apresentou novas maneiras de captação de recursos. “Foi muito interessante participar, pois pude aprender coisas novas. A partir do nosso grupo de trabalho, tivemos a ideia de fazer um encontro cultural com todos os municípios do Marajó, em uma só cidade. Cada município apresentaria as particularidades da sua cultura, culinária, teatro e dança, numa grande festa”, revelou.

Alexandre Sequeira avaliou como positiva a ação em Afuá. “A cidade tem um perfil cultural e já se apresenta como um produto muito interessante. A turma estava muito motivada e todos estavam envolvidos na possibilidade de avançar nas questões culturais. Foi falado até da criação de um fórum, um grupo de gestão e discussão de projetos culturais, e isso pode ser muito positivo para o município”, assinalou o instrutor.

No mês de outubro, a Incubadora Pará Criativo vai levar a oficina de elaboração de projetos culturais aos municípios de Curralinho e Cachoeira do Arari, também no Marajó. Nestes módulos, a ministrante será a pedagoga, especialista em Gestão com Responsabilidade Social, educadora social e produtora cultural Carmen Ribas.

Cerca de 20 alunos, entre funcionários públicos, artistas e professores, participaram da ação gratuita, que teve apoio da Amam, IAP e prefeitura local

Cerca de 20 alunos, entre funcionários públicos, artistas e professores, participaram da ação gratuita, que teve apoio da Amam, IAP e prefeitura local

Afuá – A “Veneza Marajoara”

Suspensa em ruas, em sua maioria, de madeira, Afuá encanta pela hospitalidade e organização. Como os veículos motorizados são proibidos por lei, os moradores transitam em suas bicicletas ou bicitáxis – invenção do morador Sarito Souza, que em 1995 adaptou duas bicicletas para poder transportar a sua família. A pé ou de bicicleta, os assobios guiam o trânsito das palafitas, em alguns horários o fluxo é intenso e é preciso ficar atento. Segundo alguns moradores locais, em breve as principais vias vão receber sinalização para indicar a preferência nos cruzamentos.

Em julho, por conta do Festival do Camarão, a maior festa de cultura popular do município, a população quase dobra. É necessário fazer a reserva com antecedência caso queira acompanhar a “batalha camaroeira”, momento em que os grupos “Convencido” e “Pavulagem” travam uma batalha em forma de entoadas.

Com as suas casas de madeiras todas coloridas, seus jardins e praças, Afuá é uma grata surpresa, um destino convidativo para aqueles que querem fugir da correria das grandes cidades.

DSC_0079

Pará Criativo chega ao oeste e sudeste paraense

A Incubadora Pará Criativo levou ações de formação esta semana aos municípios de Santarém e Marabá, no oeste e sudeste paraense, respectivamente, para articular a realização do Ciclo de Desenvolvimento da Economia Criativa no estado, que será executado no mês de novembro deste ano.

Orla de Marabá, no sudeste paraense.

Orla de Marabá, no sudeste paraense.

Alter do Chão é um dos distritos administrativos do município de Santarém, no oeste do estado do Pará.

Alter do Chão –  Um dos distritos administrativos do município de Santarém, no oeste do estado do Pará.

Iniciadas em janeiro na capital paraense, as atividades da incubadora estavam concentradas, até então, na Região Metropolitana de Belém (RMB) e municípios próximos, como Bragança e São Francisco do Pará. Para o segundo semestre, além de dar continuidade ao trabalho já desenvolvido na área metropolitana, a incubadora estende sua atuação às outras mesorregiões do estado. Durante os próximos meses, a incubadora continua o seu movimento de interiorização e atende também municípios do arquipélago do Marajó.

Marabá recebeu o módulo I do curso “Capacitação Continuada em Cinema”, promovido pelo Núcleo de Arte Educação da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa). O curso, de 200 horas de duração, possui os módulos I e II realizados em parceria com o Núcleo de Produção Digital do Pará, do Instituto de Artes do Pará (IAP) e Incubadora Pará Criativo. Ministrado entre os dias 6 e 19 de setembro, por Evandro Medeiros, professor da Unifesspa, o módulo abrangeu conhecimentos e métodos para a documentação, registro, crítica e criação de produtos audiovisuais.

Para a pedagoga Ana Paula Fernandes, o curso proporciona o atendimento de uma exigência profissional. Recentemente o Conselho Nacional de Educação passou a exigir que as escolas promovam mostras de filmes para os alunos e, atenta à nova regra, a pedagoga decidiu se aprofundar no universo do cinema para encontrar o entendimento e suporte necessários para trabalhar nas escolas e formar professores da área. “O cinema gera reflexão e o curso me proporciona uma visão técnica pra pensar no processo, refletir sobre a criação na perspectiva da técnica, mas também na perspectiva da composição do enredo, do som e dos demais aspectos inerentes a uma produção”, fala.

Já o município de Santarém recebeu a oficina “Gestão Financeira para Empreendimentos Criativos”, realizada entre os dias 15 e 19 de setembro. A ação apresentou aos participantes ferramentas de controle financeiro (fluxo de caixa, contas a receber, contas a pagar e DRE) e também técnicas de formação de preço.

O instrutor, Álvaro Vieira, afirma que mensurar preço de atividades criativas é um grande desafio, porque o principal insumo do serviço não é mensurável, é intelectual. “O realizador ou produtor tem que ter em mente as ferramentas clássicas de formação de preço para mensurar, de maneira acertada, os seus custos fixos. A partir disso ele tem condições de adicionar o capital intelectual e cobrar um preço que realmente atenda as suas necessidades”, diz.

O publicitário Yuri Moura (26) procurou a oficina porque quer investir em seu próprio negócio. “Já trabalhei em várias agências de publicidade como redator, mas agora quero empreender. Estou na fase de planejamento para abrir a minha empresa, que provavelmente será no ramo da economia criativa, ela vai ser relacionada ao design, moda e publicidade”, conta.

Economia Criativa no Pará

Além das ações formativas, a equipe de articulação da incubadora Pará Criativo promoveu reuniões para a realização do Ciclo de Desenvolvimento da Economia Criativa no estado. A ação é uma parceria do Pará Criaitvo, IAP e Secretaria de Indústria, Comércio e Mineração (Seicom) e será realizada em novembro deste ano.

Em Santarém, a Agência de Inovação e Tecnologia (AIT) da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa) e a Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração (Seicom) integraram a reunião. Marabá contou com a presença da Secretaria de Cultura do município, da pró-reitoria de extensão da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) e da Seicom de Marabá.

O ciclo tem o objetivo de promover encontros e atividades formativas nos principais municípios de diferentes mesorregiões do Pará, com a participação de representantes do governo, academia, iniciativa privada e sociedade civil organizada, para debater o Empreendedorismo Criativo e também proporcionar à sociedade uma contextualização dos fundamentos da Economia Criativa.

Além de Marabá e Santarém, Bragança, Cachoeira do Arari e Belém receberão o ciclo. A ação é voltada para empreendedores de todos os segmentos da economia criativa, produtores culturais, acadêmicos e gestores públicos e privados. Os encontros estão em fase de articulação, em breve as instituições realizadoras farão o anúncio das datas e da programação.

Mais informações: (91) 4006-2930

Incubadora Pará Criativo articula realização do Ciclo de Desenvolvimento da Economia Criativa no estado

Durante a última semana, a Incubadora Pará Criativo esteve presente nos municípios de Santarém e Marabá, no oeste e sudeste paraense, respectivamente, para articular a realização do Ciclo de Desenvolvimento da Economia Criativa no estado.

Pará Criativo, Seicom e Agência de Inovação e Tecnologia da Ufopa reúnem para articular o ciclo de Santarém

Em Santarém, a equipe de articulação da incubadora se reuniu com a Agência de Inovação e Tecnologia da Universidade do Oeste do Pará (Ufopa) e o representante da Secretaria de Indústria, Comércio e Mineração (Seicom) do estado. Em Marabá, o a reunião foi realizada com a Secretaria de Cultura do município, a pró-reitoria de extensão da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) e Seicom de Marabá.

Realizada pela Incubadora Pará Criativo, Instituto de Artes do Pará (IAP) e Secretaria de Indústria, Comércio e Mineração (Seicom), a atividade tem o objetivo de promover um ciclo de formação em municípios das principais mesorregiões do Pará, com a participação de representantes do governo, academia, iniciativa privada e sociedade civil organizada, para debater o Empreendedorismo Criativo e também proporcionar à sociedade uma contextualização dos fundamentos da Economia Criativa.

Marabá, Santarém, Bragança, Cachoeira do Arari e Belém são as cidades paraenses que receberão o ciclo. A ação é voltada para empreendedores criativos de todos os segmentos da economia criativa, produtores culturais, acadêmicos e gestores públicos e privados. Os encontros já começaram a ser articulados e em breve as instituições realizadoras farão o anúncio das datas.

Mais informações: (91) 4006-2930

 

 

 

O artesanato indígena e a economia criativa é tema de exposição no Pará Criativo

Exposição Barro, Madeira e Palha - O artesanato indígena e a economia criativa

A partir do próximo dia 17, a Incubadora Pará Criativo, que funciona no prédio do Instituto de Artes do Pará (IAP), recebe a exposição “Barro, Madeira e Palha – O artesanato indígena e a Economia Criativa”. Realizada em parceria com a Fundação Ipiranga, a mostra vai expor a produção artesanal das etnias Assurini do Xingu, Arawaté e Parakanã. As peças fazem parte do acervo da Fundação Ipiranga que, por meio da Associação Assurini Awaeté, mantém a loja Koisas de Índio, no Mercado de Carne Francisco Bolonha, no complexo do Ver-o-Peso. O projeto da Fundação contribui para a valorização da cultura indígena, potencializa as possibilidades de uso da produção artesanal e incentiva o escoamento da produção dos trabalhos das etnias envolvidas.

Karina Menezes, curadora da Fundação Ipiranga, e Guilherme Repilla, assessor cultural da Incubadora Pará Criativo, assinam a curadoria da exposição, que apresenta cerca de 80 peças, incluindo cestaria, cerâmica e outros objetos tradicionais.

Para Guilherme Repilla, além de divulgar o trabalho desenvolvido pelos povos indígenas, a exposição contribui “para o desenvolvimento de novos olhares”. “O nosso principal objetivo é fazer as pessoas conhecerem o artesanato indígena além do souvenir. Que elas sejam encorajadas a utilizar os objetos no cotidiano”, ressaltou.

No primeiro semestre deste ano, a Fundação Ipiranga realizou uma mostra fotográfica no IAP, retratando parte da cultura Assurini e Araweté. A presidente da Fundação Ipiranga, Suely Menezes, destacou a importância de ações que exponham a cultura indígena. “É uma grande alegria para a Fundação ser um dos elementos propulsores deste projeto. Ficamos contentes em contribuir para que as pessoas conheçam cada vez mais a cultura indígena. Essa exposição pode ser um começo importante de um novo relacionamento desses povos com a sua produção artesanal e a maneira que se relacionam com a sociedade paraense”, disse ela.

A abertura da exposição, no dia 17, contará com a apresentação do músico Salomão Habib, um dos grandes pesquisadores da música regional paraense.

Parceria – A exposição “Barro, Madeira e Palha – O Artesanato Indígena na Economia Criativa” marca o início da parceria entre a Incubadora Pará Criativo e a Fundação Ipiranga. Para o coordenador de Articulação da Incubadora Pará Criativo, Ruy Secco, a parceria é estratégica. “Como uma importante instituição que atua na promoção, preservação e disseminação das manifestações artísticas e culturais da região, a adesão da Fundação Ipiranga à rede de parceiros da Incubadora Pará Criativo enriquece ainda mais nosso projeto. A Fundação possui projetos de grande impacto e relevância em vários segmentos da Economia Criativa, e juntos contribuiremos para a valoração da cultura nas suas mais variadas formas, auxiliando no desenvolvimento e crescimento socioeconômico da região”, frisou Ruy Secco.

A Fundação Ipiranga é uma entidade sem fins lucrativos, que desenvolve ações sociais e culturais destinadas a consolidar a cultura paraense. Suas ações são pautadas na necessidade de difundir a cultura indígena, realizando trabalhos no âmbito da economia, saúde, arte e cultura.

Serviço: O vernissage da exposição “Barro, Madeira e Palha – O artesanato indígena e a Economia Criativa” será no dia 17 de setembro, às 19 h, no IAP. A abertura contará com apresentação do músico Salomão Habib. A exposição será visitada das 8 às 17 h, de segunda a sexta-feira, até o dia 30 de setembro.

Por Juliane Frazão – Comunicação Pará Criativo

Pará Criativo promove encontro para esclarecer dúvidas sobre o Programa Conexão Cultura Brasil

A Incubadora Pará Criativo, em parceria com o Ministério da Cultura Regional Norte, realiza na próxima terça-feira, 26, às 15h, o encontro “Diálogos Criativos – Programa Conexão Cultura Brasil”. A ação tem o objetivo de esclarecer os principais questionamentos relacionados aos editais “Conexão Cultura Brasil #Intercâmbios” e “Conexão Cultura Brasil #Negócios”, promovidos pela Secretaria de Economia Criativa do Ministério da Cultura.

Lançado pelo Ministério da Cultura, em parceria com o Ministério da Educação, a CAPES e o Ministério das Relações Exteriores, o Programa Conexão Cultura Brasil tem o objetivo de ampliar a presença de artistas e empreendedores brasileiros no mundo em atividades de formação (cursos e estágios), em instituições culturais de grande projeção internacional e eventos de cultura e negócios.

O edital “Conexão Cultura Brasil – #Intercâmbios”, realizado em parceria com o Ministério da Educação e a CAPES, no valor de R$ 4 milhões, disponibiliza recursos para serem usados em passagens e diárias, entre os meses de novembro de 2014 e março de 2015, possibilitando o envio de aproximadamente 400 agentes para o exterior. Os interessados poderão participar de atividades de formação técnica, artística ou acadêmica,  apresentações, intercâmbios e estágios de até três meses, além de eventos de arte e de negócios na área cultural em instituições de projeção internacional.

O edital “Conexão Cultura Brasil – #Negócios” conta com orçamento de R$400 mil em sua primeira fase. Levará delegações para participar de três eventos de negócios culturais de grande relevância internacional nos segmentos de Artes Cênicas, Música e Arte contemporânea, são eles: Santigo a Mil, Womex 2014 e ARCO Madrid. A iniciativa é uma estratégia do Ministério da Cultura e do Ministério das Relações Exteriores para aumentar a presença brasileira internacionalmente e inserir produtos culturais nacionais nos mercados da Europa e da América Latina.

Os setores abrangidos pelos editais são: Música, Artes Cênicas, Circo, Artes Visuais, Cinema, Animação, Games, Programação de Softwares e Aplicativos Móveis, Literatura, TV, Rádio, Mercado Editorial, Moda, Design, Arquitetura, Publicidade, Gastronomia, Gestão Cultural, Indústria de Espetáculos, Produção de eventos culturais, Produção Audiovisual, Operação de Equipamentos Audiovisuais, Produção de Roteiro, Sonoplastia, Figurino, Cenotecnia, Iluminação, Luthieria, Edição Gráfica e Visual, Restauração, Artesanato, Cultura Popular e Patrimônio, Museu e memória, Turismo Cultural.

Ao retornar ao Brasil, os selecionados deverão realizar contrapartidas em forma de cursos, oficinas e/ou apresentações artísticas, para multiplicar o conhecimento obtido nos intercâmbios.

As inscrições para os dois editais serão feitas no SALICWEB no endereço:http://sistemas.cultura.gov.br/propostaweb/

Os editais podem ser conferidos na íntegra no site do Ministério da Cultura:http://www.cultura.gov.br/editais

Serviço
Diálogos Criativos – Programa Conexão Cultura Brasil
26 de agosto de 2014, às 15h, na Sala Multimeios do IAP – Praça Justo Chermont, 236 -Nazaré – Belém

As inscrições para o encontro Diálogos Criativos – Programa Conexão Cultura Brasil já estão abertas e podem ser realizadas pelo link http://migre.me/l6olg

30 vagas – Inscrições gratuitas

Mais informações: (91) 4006-2930

DIALOGOS CRIATIVOS - Conexão Cultura