Prometo

 

promesa

Não prometo o que não posso cumprir
Não faço trilhas que não posso seguir
Não crio rotas que não possa fugir
Não mastigo amargo que não possa cuspir
E que eu vomite palavras em você
Que eu fuja antes de cogitar sofrer
Que desvie caminhos que me levem ao mal
E minhas palavras sejam descumpridas afinal
Pra quê manter a você fidelidade?
Porque crer que pode haver felicidade?
Sorrir pensando ter encontrado a metade
Depois queimar o peito sem dó nem piedade.

Renaly Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*