O sincretismo religioso e a festa de Cosme e Damião em Areia Branca

Crianças lotam rua no bairro São João a espera dos lanches e das brincadeiras. (Foto: Carlos Júnior)

Crianças lotam rua no bairro São João a espera dos lanches e das brincadeiras. (Foto: Carlos Júnior)

Os centros de umbanda e casas de candomblé são os pioneiros em preservar a tradição do dia de Cosme e Damião. Estes centros espirituais promovem entre os dias 27 de setembro e 12 de outubro, as festividades alusivas aos Irês e Ibejis, divindades das religiões de matriz africana que são associadas aos santos do catolicismo São Cosme e São Damião.

Mais do que uma comemoração religiosa, o dia de Cosme e Damião nos terreiros de povos tradicionais é marcado pela distribuição de doces e guloseimas para as crianças. Tradição esta que é repetida por católicos, que em suas casas recebem os meninos e meninas que correm de um lado para outro, buscando encher suas sacolas de coisas de criança.

Em uma produção de vídeo, apresento para você o depoimento de líderes espirituais que falam sobre o lado religioso e o social que as casas buscam promover na data. Uma forma de tentar desconstruir uma imagem arcaica que ainda prevalece, de que nos centros de religião de matriz africana se pratica o mal e ainda um pouco das brincadeiras que são realizadas antes da distribuição das lancheiras.

Não esqueça de deixar seu comentário no final da matéria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*