Os seis eixos do Programa

Eixo 1 – Educar para Comunicar

A mídia e os meios de comunicação também assumem um papel de formação da subjetividade de um povo na medida em que por ela se dá a circulação de determinados conteúdos culturais. Quem comunica também educa. Partindo do pressuposto que tanto a educação como a comunicação são assentadas, fundamentalmente, no processo de diálogo, torna-se patente a necessidade de promover processos formativos para a produção de uma comunicação dialógica.

Tanto no âmbito da educação informal, envolvendo comunidades e redes de comunicadores, como da educação formal, envolvendo extensão universitária e desenvolvimento de ações junto ao MEC no ensino fundamental, é de suma importância estimular a criação de um processo estratégico de formação crítica de leitura de mundo, produção de informação, de apropriação do uso de ferramentas analógicas e digitais a serviço do fortalecimento da identidade e da promoção da diversidade das expressões e manifestações culturais do país.

Eixo 2 – Produção  de Conteúdos Culturais

Potencializar a circulação de vozes, incentivando a manifestação e expressão da pluralidade cultural brasileira, observadas as diferenças culturais e regionais do país, em especial, com relação aos segmentos que padecem de ‘invisibilidade na comunicação’, como mulheres, negros, indígenas, quilombolas, ribeirinhos, rurais, portadores de deficiências, dentre outros.

Desta forma, possibilitará a visibilidade das expressões culturais brasileiras por meio da diversidade da mídia,  liberdade de pensamento, expressão e informação e permitirá que esses segmentos se reconheçam valorizando a história, a regionalidade, a cultura e demais fatores que possibilitem aos indivíduos e aos povos expressarem e compartilharem suas ideias e valores.

Os conteúdos podem ser estabelecidos nos mais diversos suportes analógicos e digitais: livros, ebooks, fanzines, cordéis, revistas, radiofônicos, musicais, fotográfico, audiovisual, visualização de dados, etc.

Com relação aos conteúdos a serem produzidos, são considerados atributos desejáveis  o uso, preferencialmente, de tecnologias e softwares livres, a produção de materiais que garantam a acessibilidade para pessoas com deficiência, a produção de metadados em acordo com o SNIIC e o licenciamento de uso da obra que garanta a possibilidade de distribuir e circular os conteúdos nos canais acordados.

Temas demandados para a produção de conteúdos:

Direito à comunicação;

Violência contra a juventude negra;

Autonomia das mulheres;

Meio ambiente: consumo responsável e destinação dos resíduos sólidos – lixo;

Infância (rural e urbana);

Juventude (rural e urbana);

Idosos;

Cidadania e Diversidade (cultura da paz, direitos culturais, participação social, territórios e cultura de povos e comunidades tradicionais, reconhecimento);

Expressões Culturais Afro-brasileira;

Intolerância Religiosa; e

Culinária, festejos populares e religiosos, rituais, mitologias.

Eixo 3 –  Distribuição de Conteúdos Culturais

É preciso garantir, em ampla escala, a distribuição e circulação dos conteúdos produzidos pelos comunicadores populares e da rede midialivrista. Com o fortalecimento crescente do campo da comunicação pública, por meio de suas rádios e TVs e, ainda, estabelecendo parcerias com as TVs e rádios comunitárias e universitárias vislumbra-se a possibilidade de acessar esses canais para a distribuição dos conteúdos, na construção de parcerias mais expressivas.

Este é uma ação estruturante do processo que garante amplitude de acesso aos conteúdos produzidos, que passam a ganhar a vida cotidiana do (a)  brasileiro(a).

Eixo 4 –  Meios para a Comunicação

É necessário disparar a construção de um processo estratégico de promoção de infraestrutura e meios adequados para  produzir, abrigar, trafegar e disponibilizar a produção cultural preconizando a democratização do acesso à banda larga, os softwares livres, aquisição de equipamentos, a construção de soluções para integrar e armazenar acervos já existentes,  provimento e manutenção de infraestrutura para a digitalização dos acervos, dentre outros.

Eixo 5 – Comunicação e Protagonismo Social

Fortalecer o portagonismo social por meio da comunicação e da democratização do conhecimento e da informação contribuindo para o desenvolvimento social e a cidadania do indivíduo.

É necessário reconhecer os fazedores e fotalecer a atuação de agentes e grupos que trabalham a comunicação e a cultura nas várias regiões brasileiras com seus métodos proprios e suas diferentes realidades.

Reconhecer a influências das acenstralidades, tradições, costumes e rituais inclui fortalecê-las, mantê-las vivas e ampliar o conhecimento em torno delas. Os processos de comunicação têm fundamental importância nessa dinâmica.

Ao fortalecer estes protagonismos através dos meios disponíveis, aprofunda-se o interesse nelas bem como suas emanações. Felizmente, temos inúmeros casos de protagonismos sociais a serem resguardados, apoiados e fortalecidos.

A diversidade se dá num constante esforço de interações entre as diferenças, a comunicação ajuda a mate-las vivas e expressivas. No reconhecimento de protagonistas locais, marginais, regionais e periféricos se encontra uma raiz profunda do desenvolvimento igualitário e democrático das culturas. Cabe a realização de um processo de mantê-la próximo a seus agentes através da comunicação.

Eixo 6 – Comunicação e Renda

Construir estratégias de fortalecimento econômico, de geração de trabalho e renda de grupos e agentes que atuam no campo da comunicação para a cultura em rede para fortalecer o processo de desenvolvimento sustentável.

Tomar as redes e os circuitos alternativos de comunicadores como geradores de postos de trabalhos na economia criativa, uma vez que o processo criativo, de produção dos conteúdos e informações é o que agrega valor à ação,  é inerente ao trabalho.

Ações transversais aos eixos

Serão desenvolvidas atividades que potencialmente perpassam os vários eixos. A exemplo, a realização de estudos direcionados, mapeamento dos cenários, fomento à pesquisa e à extensão no que diz respeito às instituições de ensino superior.