Últimos Posts

  • Internet prepara su gran asalto a la ‘caja tonta’

    0 comentários

    por: conteudosdigitais, em Notícias no dia 09/09/2010

    03/09/2010
    Fernando Mexía*
    El Mundo

    LOS ÁNGELES – Tras años de tímidos intentos, las compañías tecnológicas han decidido apostar fuerte por la integración de Internet en los televisores con el lanzamiento este otoño en EEUU de novedosos dispositivos para interactuar con la “caja tonta”.

    A la actualizada Apple TV, que fue presentada esta semana, hay que sumar la esperada venta de productos como Revue -el adaptador para Google TV- o su competidor Boxee Box, que saldrán a un mercado que sigue buscando una fórmula eficaz para contagiar al pasivo telespectador el espíritu inquieto del internauta.

    Hasta la fecha, los interesados en disfrutar de contenidos web mientras ven la tele han podido hacerlo adquiriendo alguna de las caras pantallas planas con aplicaciones de Internet o comprando dispositivos que hacen de puente entre los dos universos como Roku XR, Tivo o Apple TV.

    Sin embargo, ninguno de estos aparatos permite navegar libremente por la Red y se limitan a ofrecer acceso a un determinado número de contenidos como YouTube, Flickr, Facebook o canales de alquiler de películas y series como Netflix y Amazon VoD.

    Un vacío que pretende llenar Google con su servicio Google TV que estará disponible incorporado a los televisores de Sony o a través de la caja módem Reveu fabricada por Logitech, cuyo precio estimado podría rondar los 200 dólares.

    La plataforma Google TV, además de incluir las aplicaciones mencionadas, está pensada para navegar en la Red desde el televisor mediante Google Chrome igual que si se usara un ordenador, misma filosofía que siguen los creadores de Boxee, un ‘software’ para ver series y películas en Internet, que desarrollaron la Boxee Box.

    Ese dispositivo, valorado en 199 dólares y que verá la luz en noviembre, se anunció como el que tendrá mayor conjunto de aplicaciones para visionado de contenidos disponibles en la red, además de servir para navegar por Internet.

    Llega la nueva Apple TV
    La nueva Apple TV presentada el miércoles por el consejero delegado de esa empresa, Steve Jobs, buscará otro enfoque menos ambicioso en términos de interacción, pero más simple de manejo y económico, 99 dólares.

    El aparato llegará a las tiendas en EEUU en octubre con la idea de convertirse en un videoclub casero con tarifas competitivas y acceso a algunas aplicaciones de Internet, una oferta parecida a la que incluye actualmente Roku XR, que se mueve en la misma franja de precio.

    Será cuestión de tiempo saber qué visión termina por convencer al telespectador, la más interactiva de Google o la más práctica de Apple, un pulso comercial que está llamado a modificar en mayor o menor medida la forma en la que se consume televisión.

    Actores clave en esta carrera tecnológica son los proveedores de contenidos, principalmente las grandes cadenas de televisión y los estudios de Hollywood, que desde la llegada de Internet han visto menguar sus ingresos, especialmente en ventas de DVD, un área de negocio que sufriría aún más.

    Esta semana Steve Jobs aseguró que con la nueva Apple TV se podrán alquilar capítulos de series en emisión por 99 centavos cada uno, 2 dólares menos del precio en la actual Apple TV, aunque sólo los estudios Disney y Fox han aceptado esas condiciones, mientras muchos consideran que se devalúa en exceso el precio del producto.

    La irrupción masiva de Internet en la televisión podría condicionar también los acuerdos entre los estudios y las empresas que distribuyen televisión por cable y satélite, que pagan por emitir unos contenidos que luego las cadenas cuelgan gratuitamente en sus páginas web.

    En ese sentido, plataformas como Hulu.com, que ofrece en internet para EEUU una amplia gama de series y películas de forma legal, ha llegado a impedir su acceso desde buscadores pensados para ser usados en la pantalla de la televisión, como Kylo.tv o el propio Boxee, que pretenden fusionar internauta y telespectador.

    *da Agência Efe.

    Tags: , ,

  • Apuestan a una mayor oferta de contenidos

    0 comentários

    por: conteudosdigitais, em Notícias no dia 09/09/2010

    03/09/2010
    Angelina Mejía
    El Universal

    Con el apagón analógico y la recepción de las señales digitales en la televisión abierta se espera una mayor oferta de contenidos.

    Con las nuevas tecnologías, las televisoras tradicionales tendrán oportunidad de insertar una barra más variada de programación, y la competencia por la audiencia con los sistemas de paga se intensificaría.

    Actualmente los operadores del servicio de televisión por cable y satelital ofrecen contenidos de alta definición, por lo que se prevé que una porción del mercado tenga esta tecnología a través de la contratación de los sistemas de paga.

    Un estudio realizado por NexTV Latam estima que para 2015 60 millones de hogares en América Latina, es decir, 38% del total que cuenta con televisor, tendrá receptores para captar TV digital de aire gratuita.

    El análisis hace énfasis en que 53.5 millones de hogares de la región tendrán esta tecnología en su variante Terrestre (TDT) y 6.4 millones vía satélite (DTH). Otros 25.6 millones de hogares recibirán televisión digital terrestre mediante Set-Top-Boxes o por decodificadores.

    “Hacia 2015 se espera que casi 42% de los receptores de TV existentes en América Latina sean digitales y que alrededor de 75% de los mismos cuente con un receptor TDT integrado. No obstante, 72% de esos televisores estará conectado a sistemas de televisión de paga (cable y satélite)”, según el estudio.

    Con la convergencia tecnológica también existirá la oportunidad de recibir contenidos digitales de alta definición en dispositivos móviles como celulares, computadoras o pantallas portátiles que se llevan en autos.

    Más espectro para servicios móviles

    Con esta transición estará disponible una mayor cantidad de espectro radioeléctrico para la prestación de servicios móviles, debido a que en la banda de 700 MHz, donde operan los sistemas de radiodifusión, es posible el despliegue de tecnologías de telecomunicaciones.

    Esta banda también representa una oportunidad para el desarrollo de las tecnologías móviles de Cuarta Generación (4G).

    De acuerdo con la Asociación Iberoamericana de Centros de Investigación y Empresas de Telecomunicaciones (AHCIET), en esta banda asociada al Dividendo Digital es posible destinar 65% a radiodifusión y 108 MHz a servicios móviles, con lo cual se pueden emitir más de 100 señales de televisión abierta o 60 de alta definición y aumentar la oferta de servicios de banda ancha móvil.

    En países como Estados Unidos se decidió esperar al “apagón analógico” para reasignar este espectro a operadores móviles, pero especialistas consideran que no es necesario que concluyan las transmisiones analógicas para liberar las frecuencias para servicios móviles.

    Tags: ,

  • Qualidade de vídeo é menos importante quando usuário gosta do que vê

    0 comentários

    por: conteudosdigitais, em Notícias no dia 18/08/2010

    13/08/2010
    Redação R7

    Uma pesquisa do departamento de psicologia da Universidade de Rice, nos Estados Unidos, revelou que quando alguém gosta do vídeo a que está assistindo tende menos a notar a diferença na qualidade da imagem, seja na TV, na internet ou no celular.
    Philip Kortum, autor do estudo, e o coautor Marc Sullivan, dos Laboratórios da AT&T, mostraram a cem voluntários 180 trechos de vídeos com qualidades iam de 550 kilobits por segundo até a de um DVD.

    Depois de assistir a trechos de dois minutos, os participantes disseram o que acharam da qualidade de cada um e sobre a vontade de vê-los. Os pesquisadores descobriram uma forte relação entre a vontade de assistir ao conteúdo do vídeo e as notas para a qualidade de cada um.
    Kortum conta que, no começo, os pesquisadores estranharam os dados revelados. Mas depois perceberam que os vídeos de baixa qualidade tiveram notas mais altas do que alguns de ótima qualidade.

    Depois de analisar as informações, eles descobriram que que o que mandava era a qualidade do conteúdo, não da imagem.

    – Se você está em casa, gostando do vídeo que está assistindo, provavelmente não vai notar ou mesmo se preocupar com a quantidade de pixels das imagens ou se os dados estão comprimidos.

    As descobertas vão contra a crença popular de que as pessoas querem e precisam da melhor qualidade de vídeo possível todo o tempo.
    A pesquisa pode ser muito importante para empresas de TV a cabo, de vídeo online e de provedores de conteúdo para que diminuam megabits de compressão e usem a menor quantidade possível de dados.

    Segundo Kortum, essa preocupação é essencial não apenas para PCs e aparelhos móveis, como também para produtoras e emissoras de TV à medida que elas transmitem conteúdo de alta qualidade em canais de banda limitada.

    Tags: , , ,

  • 51% dos recursos do artigo 3A foram recolhidos pela Globo

    0 comentários

    por: conteudosdigitais, em Notícias no dia 16/08/2010

    TELA VIVA NEWS
    Incentivos quinta-feira, 12 de agosto de 2010, 14h37
    O artigo 3A da Lei do Audiovisual já recolheu R$ 51,43 milhões desde 2009 até o dia 3 de agosto de 2010. Deste montante, 51% foi recolhido pela Globo, totalizando R$ 26,3 milhões. O artigo 3°A é o mecanismo que permite que canais de televisão (pagos e abertos) invistam parte do imposto devido pela compra de direitos internacionais na coprodução com produtores brasileiros independentes.

    Depois da Globo, aparece a HBO Brasil, com 16,71% dos recursos recolhidos, seguida de Fox Latin American Channels do Brasil, Record, Fox Film do Brasil, ESPN do Brasil, Telecine, Turner, Topsports, Elo Audiovisual e Sky Brasil.

    Segundo o diretor da Ancine Mário Diamante, que participou de painel da ABTA 2010 nesta quinta-feira, 12, dos mais de R$ 51 milhões recolhidos, apenas R$ 8.455.897 foram captados. A HBO utilizou R$ 5.831.303,98 dos recursos para a série “Mulher de Fases”, em produção com a Casa de Cinema, e dos episódios especiais de “Alice”. A ESPN Brasil utilizou pouco mais de R$ 454 mil em “Viajantes Radiciais”, o Telecine captou R$ 1.110.661,02 para o longa “Não se preocupe. Não vai dar certo”, e a Record utilizou recursos para o especial “Uns Braços”.

    O diretor da Ancine falou ainda que já foram investidos R$ 61.36 milhões em obras audiovisuais por meio do Artigo 39, um dos principais mecanismos utilizados para incentivar as produções dos canais internacionais pagos. Apenas em 2010, até o dia 3 de agosto, foram investidos R$ 6.475.893,46. Daniele Frederico.

    Tags: , ,

  • News Corp. plans national newspaper for tablet computers and cellphones

    0 comentários

    por: conteudosdigitais, em Notícias no dia 13/08/2010

    It’s the latest bid by a major media company to build readership using new devices such as the iPad. The new publication would offer short, snappy stories and operate under the auspices of the New York Post.

    News Corp.

    News Corp. Chief Executive Rupert Murdoch is upbeat about the company’s new national digital newspaper. “We’ll have young people reading newspapers,” he said. “It’s a real game changer in the presentation of news.” (Mario Anzuoni, Reuters / August 13, 2010)

    News Corp. Chief Executive Rupert Murdoch is embarking on an ambitious plan for a new national digital newspaper to be distributed exclusively as paid content for tablet computers such as Apple Inc.‘s iPad and mobile phones.

    The initiative, which would directly compete with the New York Times, USA Today and other national publications, is the latest attempt by a major media organization to harness sexy new devices to reach readers who increasingly consume their news on the go. The development underscores how the iPad is transforming the reading habits of consumers much like the iPod changed how people listen to music.

    “We’ll have young people reading newspapers,” the 79-year-old Murdoch said during the company’s Aug. 4 earnings call. “It’s a real game changer in the presentation of news.”

    Unlike News Corp.’s business-centric Wall Street Journal, the new digital newspaper would target a more general readership, offering short, snappy stories that could be digested quickly. The newsroom would operate under the auspices of Murdoch’s New York Post and be overseen by its managing editor, Jesse Angelo. News Corp. has yet to set a launch date, although people familiar with the matter said the news organization would like it to debut by year’s end.


    Get a daily snapshot of business, financial and technology news delivered to your inbox with our Business Daily newsletter. Sign up »


    Although it would draw the reporting resources of the Post and Dow Jones, Murdoch could potentially invest millions of dollars to staff the operation and charge a yet-to-be determined subscription fee. One person familiar with the plan said News Corp. envisions a staff of several dozen reporters and editors and that the budget has not yet been determined.

    The digital publication would be available as an application for the iPad and other devices.

    As print advertising flees to the Web, news organizations are scrambling to prop up their bottom lines with new sources of revenue.

    “Newspapers are looking at this as another lifeline to survive,” said Edward J. Atorino, a media analyst with the Benchmark Co.

    Murdoch has been increasingly focused on building readership and revenue on digital platforms, erecting a pay wall around the Times of London and announcing plans to charge for access to News Corp.’s other newspaper websites. The media giant offers the Wall Street Journal on the iPad for a $4 weekly subscription fee.

    The iPad launched in April with a built-in reading application that connects to Apple’s electronic bookstore, which contains tens of thousands of titles from five major book publishers. A handful of newspapers and magazines — including Wired, Popular Science and the New York Times — had iPad-ready apps waiting when the device hit shelves. Since then, those tablet-based editions have been widely praised for their readability — and have attracted the attention of advertisers who are increasingly looking to digital devices as the number of print readers wanes.

    The initial success of the iPad has attracted other hardware makers hoping to capture a piece of the tablet market, which San Jose technology research firm Gartner Inc. believes could lead to the sales of 10.5 million devices by the end of this year.

    The New York Times said its free, advertising-supported application for the iPad has been downloaded more than 400,000 times. The newspaper is preparing to introduce a paid version as it moves forward with plans to charge for online access to its news next year. Growth in digital revenue has helped offset a decline in traditional print advertising, the newspaper said during last month’s earnings call.

    Alan D. Mutter, a media and technology consultant, said it remains to be seen whether Apple’s iPad will allow old-line print publications to reach new, younger readers. Preliminary research shows that newspapers attract readers 40 and older regardless of how the news is disseminated.

    “Newspaper content tends to attract — whether on print or on an iPad or however — mostly the same kind of readers,” Mutter said. “Not necessarily younger readers.”

    dawn.chmielewski@latimes.com

    David Sarno contributed to this report

    //

    //

    Copyright © 2010, Los Angeles Times

    Tags: , ,

  • Em estudo, Ancine diz que preço por canal por assinante é mais alto no Brasil

    0 comentários

    por: conteudosdigitais, em Notícias no dia 12/08/2010

    11/08/2010
    Redação
    Teletime

    A Agência Nacional de Cinema (Ancine) está, aos poucos, se preparando para atuar como uma agência reguladora do mercado audiovisual como um todo, e não só do meio cinematográfico. Não que a agência já não tenha atribuições relevantes em relação aos conteúdos em outras plataformas, como o registro de obras, acompanhamento de produções e administração do recolhimento da Condecine. Mas o que ficou claro na apresentação de Manoel Rangel, presidente da agência, durante a ABTA 2010, é a preocupação da Ancine no diagnóstico setorial em áreas que vão além do mercado de cinema e na proposição de ações regulatórias específicas. A agência deverá ter uma atuação reguladora bem mais importante no setor de TV paga caso mantenha-se a proposta de legislação de TV paga do PLC 116 no Senado.

    Segundo Rangel, os objetivos da Ancine serão sempre o de reduzir os preços ao consumidor, estimular o investimento privado em toda a cadeia e possibilitar maior diversidade cultural e presença de conteúdo brasileiro (de estoque e conteúdos independentes) nas diferentes plataformas.

    Rangel procurou demonstrar, com dados econômicos e estudos setoriais, que a TV por assinatura está com um custo por assinante por canal bastante elevado em relação a outros mercados internacionais. E mostrou que o setor de TV paga tem uma grande deficiência na exibição de conteúdos brasileiros.

    Um levantamento da agência, atualizando análise que havia sido realizada em 2007, estudou pacotes de operadoras em cinco países. O critério de análise foi comparar a média de preços de pelo menos duas operadoras de cada país (no caso brasileiro foram cinco), a partir dos canais no segundo pacote mais barato, excluídos canais de transporte obrigatório (must carry).

    O levantamento mostra que no Brasil o preço ao consumidor por canal por assinante fica entre R$ 2,88 e R$ 1,97, o que, segundo Rangel, é um valor bem acima do Chile, onde o preço do canal por assinante está entre R$ 1,08 e R$ 1,24; Espanha, entre R$ 1,80 e R$ 0,82; Portugal, entre R$ 0,82 e R$ 0,81 e; Argentina, entre R$ 0,89 e R$ 0,51. Questionado, sobre a influência tributária sobre esta variação, Rangel afirmou que esse não pode ser colocado como o fator preponderante para a diferença, porque no mesmo levantamento feito em 2007 os valores praticados no Brasil eram muito maiores, entre R$ R$ 1,92 e R$ 6,84. “Não houve nenhuma mudança tributária desde então. O que fez com que houvesse diminuição de valores foi a competição entre operadoras, que se ampliou de 2007 para cá”, disse.

    De fato, desde 2007 o mercado de TV paga presenciou o início da operação de pelo menos quatro operações de DTH (Telefônica, Oi, Embratel e CTBC). Rangel destacou também que na análise feita em 2010, foi considerado o cenário em que há dois novos operadores, e nesses casos, o preço por canal por assinante é menor ainda, reforçando a sua hipótese de que a competição é que leva à redução de preços. Para Sean Spencer, diretor geral da TAP Latin America, associação que representa operadores internacionais na América Latina, não é possível descartar a questão tributária que, segundo ele, é muito mais elevada no Brasil.

    Outro dado do estudo da Ancine é que, nos pacotes analisados, há menos canais. No caso de Espanha e Portugal há entre 31 e 54 canais nos pacotes analisados. Na Argentina e Chile, entre 42 e 86. No Brasil, o total de canais nos pacotes estão entre 26 e 47 canais.

    Olhando especificamente o cenário competitivo na cidade do Rio de Janeiro (onde há três operadores de DTH de grande porte operando, uma operadora de cabo e uma de MMDS), a conclusão da Ancine é que o preço dos canais por assinantes são 30% maiores do que no Chile, 70% maiores do que em Portugal e Espanha e 171% mais caros do que na Argentina, considerando as operadoras analisadas. Nos demais países, as operadoras analisadas foram ZON e Portugal Telecom, em Portugal; Digital + e Telecable na Espanha; DirecTV, Telmex e VTR no Chile.

    Pouco conteúdo nacional
    Outro estudo trazido pela Ancine procura mostrar a baixa incidência de conteúdos nacionais nos canais de filmes brasileiros. Foram analisados os canais Canal Brasil, Cinemax, HBO, HBO Family, HBO Plus, Maxprime, Telecine Premium, Telecine Action, Telecine Light, Telecine Pipoca, Telecine Cult e TNT. Segundo a Ancine, considerando o canal Brasil, a incidência de filmes nacionais é de 811 filmes em 4727 títulos exibidos em 2009, ou seja, 14,6%. Desconsiderando o Canal Brasil, esse percentual cai a 1,4%, ou apenas 64 títulos. O quadro não muda na análise dos canais de séries e seriados: 1,2% do tempo da programação foi dedicada a programação nacional, o que dá apenas 34,5 horas anuais, contra 2.754 horas exibidas no ano. Segundo Manoel Rangel, esse pequeno percentual se deveu às coproduções financiadas com recursos do Artigo 39, e no caso do Canal Brasil, trata-se de um canal que tem um incentivo de distribuição colocado na Lei do Cabo. “E ainda assim uma grande operadora brasileira, que já havia tirado o Eurochannel, de filmes europeus, está despejando o Canal Brasil e retirou de sua programação a MTV brasileira para colo9car o da MTV americana”. Rangel não citou, mas referia-se à Sky.

    Questionado se a política de cotas estabelecida no PLC 116/2010 (que cria novas regras para a TV paga) não poderia levar a uma ampliação do custo dos canais ao operador (e portanto ao assinante), agravando ainda mais o problema, Manoel Rangel lembrou que na redação proposta há um período de transição que ajudará a resolver problemas pontuais. “E a demanda que se criará por conteúdos em TV por assinatura com a entrada de novos operadores dará escala a esse novo conteúdo, e levará a uma redução dos preços”, disse o presidente da Ancine. A política de cotas visa ampliar, segundo Rangel, a presença do conteúdo nacional na TV paga, criando um mercado potencial hoje inexistente e dando escala “para que esse conteúdo dispute espaço com aqueles que chegam aqui amortizados”.

    Dados relevantes
    Para o consultor legislativo do Senado, Igor Vilasboas Freitas, que trabalhará na redação do PLC 116/2010, facilitará a análise do projeto se, juntamente com os estudos específicos, a Ancine projetar objetivos e metas a serem atingidas em termos de preços por canal por assinante e em termos de participação percentual do conteúdo brasileiro. Rangel disse que a agência procurará contribuir com estas informações.

    Tags: , , ,

  • Maioria dos adolescentes não está disposta a pagar por conteúdo online

    0 comentários

    por: conteudosdigitais, em Notícias no dia 12/08/2010

    12/08/2010
    Redação
    IDG Now!

    Estudo da comunidade virtual Haboo Hotel mostra que jovens querem tudo de graça na internet e não priorizam o compartilhamento de mídias.

    Pesquisa global realizada pela Haboo Hotel, comunidade virtual voltada ao público adolescente, revela que mais da metade dos jovens de 11 a 18 anos não estão dispostos a pagar por conteúdo na internet. Segundo o estudo, realizado com 50 mil internautas dessa faixa etária, 32% desses usuários não pagam pelo que acessam, e 26% pagariam somente se não houvesse nenhuma opção grátis disponível.

    Os internautas brasileiros foram os que mais responderam ao questionário. No país, os adolescentes estão menos propensos a gastar com conteúdo na internet que a média mundial: 40% nunca pagam pelo que acessam e 24% só quando não há alternativas. Na Itália e na Espanha, os números são ainda mais alarmantes, pois 48% dos adolescentes nunca usaram seu dinheiro para comprar conteúdo. No Reino Unido, por outro lado, o mesmo índice cai para 21%.

    O levantamento também concluiu que a troca de arquivos não é uma prioridade para a Geração Z (aqueles que já nasceram inseridos no mundo digital). Apenas 23% disseram compartilhar, regularmente, música, vídeo, texto ou imagem, enquanto que 39% raramente o fazem. Do conteúdo partilhado, o tipo de mídia que mais se destaca é a música, já que 54% dos usuários costumam compartilhá-la.

    Quanto à segurança, aproximadamente 55% dos entrevistados afirmaram que se sentem seguros em qualquer ambiente online e 19% dizem não ter tanta confiança assim. Cerca de 20% dos adolescentes disseram que aprenderam sobre comportamento seguro na internet com a família, enquanto 30% indicaram a escola como principal conselheira.

    Tags: , ,

  • Viacom recorre da decisão que favoreceu divulgação de filmes no Youtube

    0 comentários

    por: conteudosdigitais, em Notícias no dia 12/08/2010

    :: Da redação*
    :: Convergência Digital :: 11/08/2010

    A Viacom vai mesmo recorrer da decisão que favoreceu a Google no processo de US$ 1 bilhão em que acusou a empresa de internet de permitir vídeos protegidos por direito autoral em seu site YouTube sem autorização.

    O recurso foi apresentado nesta quarta-feira, 11/8, à Corte Distrital de Nova York. No processo, a Viacom alegou que “dezenas de milhares de vídeos no YouTube, resultando em centenas de milhões visitas”, foram publicados com base em suas obras com direitos autorais, e que os acusados sabiam sobre isso, mas não fizeram nada para impedir uploads ilegais.

    Entretanto, em uma decisão de 30 páginas, o juiz distrital Louis Stanton disse que seria impróprio passar a Google e ao YouTube a responsabilidade dos termos da lei federal de direito autoral apenas por ter uma “consciência geral” de que os vídeos possam ter sido divulgados de forma ilegal.

    * Com informações da Cnet

    Tags: , , ,

  • Planalto vai usar interatividade para promover desconcentração

    0 comentários

    por: conteudosdigitais, em Notícias no dia 06/08/2010

    Folha de São Paulo – Mercado
    5/8/2010
    FÁBIO ZAMBELI
    DE BRASÍLIA

    A ampliação da rede de cobertura da TV digital pública no país é parte do esforço do governo para desconcentrar a operação do meio televisão, conquistando audiência com a oferta de serviços interativos gratuitos, como agendamento de consultas médicas, ensino à distância e acesso a extratos do INSS.
    Enquanto o Plano Nacional de Banda Larga não deslancha, o Planalto trabalhará para levar o chamado “e-gov” aos lares mais remotos pela plataforma televisiva.
    Na avaliação da Casa Civil, a pulverização desse conteúdo oficial seria mais viável e célere pela TV que pela internet, já que 96% da população brasileira já está coberta pelo sinal analógico e até 2013 toda a base terá de ser digitalizada.
    O pacote do governo federal, que poderá absorver R$ 1 bilhão do BNDES, tem duas interfaces: o barateamento dos conversores do sinal digital e o estímulo aos produtores de aplicativos.
    No primeiro item, um grupo interministerial planeja a desoneração tributária para a comercialização das caixas conversoras de sinal por R$ 200 -financiadas em parcelas mensais de R$ 17-, com a possibilidade de entrega até via Correios.
    A segunda frente prevê a montagem de consórcios de implementadores do Ginga, software livre escolhido para o padrão brasileiro de TV digital. A meta é atingir a marca de 5 milhões de sintonizadores com interatividade produzidos por ano.
    “A internet exige que se pague ao provedor para ter acesso. O último baluarte da informação gratuita é a televisão. Não adianta você criticar as cinco famílias que detêm monopólio na televisão brasileira.
    A televisão, em si, pode ter a televisão pública, pode ter novos atores”, diz o assessor especial da Casa Civil, André Barbosa Filho.
    Os dados que o governo pretende disseminar pela TV interativa digital já trafegam, em boa parte, pelas páginas mantidas pelos ministérios e estatais. Caberá aos órgãos públicos formatá-los com linguagem para atingir telespectadores de todas as faixas de renda.

    Tags: , , ,

  • Indústria estuda formar consórcio para produzir receptores do sinal digital

    0 comentários

    por: conteudosdigitais, em Notícias no dia 05/08/2010

    Qua, 4 de Agosto de 2010 16:01 por Fatima Fonseca
    Tele.SínteseE-mail Imprimir PDF
    O governo não quer subsidiar o setop box mas incentivar a criação de um ecossistema de produção, com financiamento do BNDES.

    As empresas Intelbras, Visiontec, Tele System e Century são algumas das fabricantes que avaliam a produção de conversores do sinal digital para o analógico (setop box). A ideia é que as empresas interessadas nesse mercado formem um consórcio e busquem financiamento no BNDES para a produção de setop box, informou hoje André Barbosa, assessor especial da Casa Civil e membro do Fórum da TV Digital, que participou de um evento em São Paulo para discutir as tecnologias que estão sendo desenvolvidas para o Sistema Brasileiro de TV Digital (SBTVD).

    “O Brasil não vai subsidiar a compra de aparelhos importados mas incentivar a criação de um ecossistema e financiar a produção”, afirmou Barbosa. Ele lembrou que hoje apenas uma empresa (a Totvs) detém o software que permite a interatividade na TV digital e que a decisão dos técnicos do governo é incentivar “novos implementadores do Ginga” para que o país possa cumprir a meta de produzir 15 milhões de setop box até 2013, ao custo de R$ 200 o aparelho.

    Alguns dos fabricantes interessados estão conversando com a Totvs para negociar o custo da licença do software. A informação foi confirmada pelo diretor da empresa, David Britto, representante da área de software no Fórum da TV Digital. “Neste momento estamos fazendo um estudo de viabilidade desse projeto. O que posso afirmar é que não é intenção da Totvs produzir setop box, mas apoiar a criação de um ecossistema para o produto chegar ao mercado através de empresas que hoje fazem produto eletrônico de consumo”, afirmou o executivo.

    Segundo Barbosa, o consórcio de empresas brasileiras deve entregar no dia 20 a proposta para produzir os conversores da TV digital, já com o ginga embarcado. O assessor estima uma demanda de pelo menos 15 milhões de setop boxes em 2013. A estimativa do mercado é que neste ano sejam produzidos 12 milhões de televisores no país, dos quais 5 milhões já com o receptor embutido. “So este ano teremos um legado de 7 milhões de aparelhos, que vão precisar do conversor”, diz Barbosa, acrescentando que há residências com mais de um aparelho de TV e mais de 15 milhões de domicílios de brasileiros de baixa renda, que supostamente não poderiam comprar televisores mais caros, já com o receptor embutido.

    Opção na USP

    O professor titular da USP e supervisor do LSITec, Marcelo Zuffo, reforça que o país vai precisar de setop box na transição do sistema de TV analógico para o digital (a previsão é que em 2013 todo o país já tenha o sinal da TV digital e a partir daí se prepare para o apagão analógico em 2016). O problema, acredita Zuffo, é que os grandes fabricantes de televisores optarem por produzir o aparelho com o receptor integrado. “O Brasil não tem uma indústria forte no setor”, disse Zuffo, lembrando que a Gradiente chegou a fazer setop box mas tirou seu produto do mercado, assim como a Positivo.

    O LSITec, envolvido com o projeto do SBTVD desde 2005, criou um modelo de receptor de baixo custo, que está a disposição dos fabricantes. O próprio laboratório, diz ele, tem uma linha de prototipagem com capacidade para produzir 10 mil unidades por dia.

    Tags: , ,