07/07/2010
Breno Pires
Jornal do Commércio (PE)

Convergência de mídias e novos dispositivos de acesso ao conhecimento, como e-readers, exigem mudanças na forma de sistematizar conteúdo

As possibilidades de acesso à informação trazidas pelas novas tecnologias de informação e comunicação estão modificando de forma radical a relação das pessoas com a leitura e o conhecimento. O acesso aos mais diversos conteúdos é potencializado através da pesquisa em sites, especializados ou não, de qualquer lugar do mundo, bem como de livros virtuais (os e-books), com crescente disponibilização para download e agora portáteis graças a aparelhos como o Kindle.

A oferta de leitura e de conhecimento passa a ter um alcance sem precedentes, e o consumo de informação também se expande, até devido ao cuidado crescente com educação, que passa a ser levada mais a sério nos países que ainda não são de primeiro mundo. Nesse contexto, as bibliotecas percebem a importância de uma evolução rumo a um futuro mais digital – sem deixar, no entanto, que a tecnologia comprometa a sua essência.

O futuro do conhecimento está na internet, como plataforma, defende o professor e pesquisador Marcos Galindo, coordenador do departamento de ciência da informação da UFPE, que congrega os cursos de biblioteconomia e gestão da informação. “O rio corre para o mar, e o mar da gente hoje é a internet. O mar da biblioteca e do conhecimento está na internet”, pontua.

No Laboratório de Tecnologia da Informação da UFPE (Liber), Galindo coordena um projeto de digitalização de arquivos, norteado por dois eixos fundamentais: a preservação de conteúdos e a disponibilização para o acesso na rede. “O que a gente tem pensado para isso é desenvolver projetos que combinem a preservação e o acesso à biblioteca pública. Não se pode pensar em uma iniciativa de modernização nas bibliotecas com uma ação conservadora”, diz o pesquisador.

Galindo é um entusiasta do poder de multiplicação da internet. “Antigamente, a gente guardava a informação. Se um livro era raro, você guardava ele. As pessoas se ufanavam de possuir coisas raras. Hoje, ao contrário, as pessoas se ufanam quando dão acesso. Observe que as bibliotecas têm milhares ou milhões de acessos. Quanto mais acesso você tem, mais gente está visitando, mais o que você faz tem sentido.”

Para o especialista em gestão da informação, mais do que a plataforma em que o conteúdo é oferecido, o fundamental é que seja mantida a função social das bibliotecas, isto é: guardar conhecimento, recuperá-lo, levá-lo para a sociedade, gerar novos conhecimentos e preservá-los num sistema de informação para gerações futuras. Por isso ele entende que as bibliotecas existentes na web são como quaisquer outras bibliotecas, só que com um grau maior de evolução tecnológica. “Qual é a diferença entre o Google e aquela biblioteca de cinco mil anos atrás, feita em tabuletinha, em Nínive, na Mesopotâmia, onde hoje é Bagdá? Para mim, é só a tecnologia. Biblioteca digital é uma biblioteca”, interpreta Galindo.

Regina Fazioli, coordenadora da Biblioteca Virtual do Governo do Estado de São Paulo (BVSP) e consultora em gestão do conhecimento, entende que as bibliotecas físicas têm que adaptar a própria atuação para atender melhor às necessidades das pessoas. “Penso que as bibliotecas públicas estão ficando para trás. Elas não estão alcançando as pessoas para fora de seus muros. É importante não ficar restrito aos espaços físicos”, diz.

Fazioli defende a utilização de ferramentas antenadas com a nova era do conhecimento, em desenvolvimento. Esse é um dos preceitos que guiam o trabalho da BVSP (veja matéria abaixo). “A biblioteca física deve se preocupar com outras instâncias da transferência de informação, como forma de potencializar a sua vocação de centro de informação, construção de conhecimento e vivência”, aponta.

Em Pernambuco, o projeto Sesi Indústria do Conhecimento, que tem abrangência nacional, promove a implantação de centros multimídias que oferecem à população pesquisa e prática de leitura em diversas mídias. São dez as unidades no Estado, e outras quatro estão por vir.

Coordenador do projeto, Leonardo Roque destaca que as novas tecnologias, apesar de promoverem mudanças na relação das pessoas com a informação, não ameaçam o futuro das bibliotecas comuns. “Sou da opinião que, embora a tecnologia vá provocar profundas mudanças na forma como as bibliotecas prestam seus serviços, unidades tradicionais ainda serão necessárias ao desenvolvimento humano”, afirma.

Roque, no entanto, destaca que não se trata apenas de tecnologia. É preciso que os profissionais estejam preparados para relacionar as diferentes possibilidades de acúmulo de conhecimento. “Enquanto a tecnologia encanta com seus recursos e visual hi-tech, precisamos apresentar os livros como instrumentos que abram portas para novas aventuras e oportunidades e não só como materiais meramente didáticos e para estudos”, defende.

Tags: , ,