em tese

Música no áudio digital: descrição psicofísica e caixa de ferramentas

Autor – Renato Fabbri

Renato_Fabbri

Baobaxia: Confluencias entre Redes Quilombolas e Software Livre

Autora – Sília Moan

Istituto Europeo di Designe

Fragmentos das táticas da cultura : técnica e política dos usos de mídia

Paulo Jose Olivier Moreira Lara

Download : Lara,PauloJoseOlivierMoreira

Resumo: Esta pesquisa verifica a adaptação do conceito de “tática” desenvolvido por Michel de Certeau e utilizado como fundação teórica de um movimento denominado Midia Tática. Com origens na Europa no final do século XX, este movimento herda modos de expressões culturais aliados à uma construção crítica do aparato tecnológico, notadamente das mídias eletrônicas e informáticas. Situamos a discussão sociológica a partir do conceito de racionalidade emergido no debate sobre recentes mutações na configuração do capitalismo e da tendências à novas formas de dominação que se erguem apoiadas no desenvolvimento tecnológico e na mudança das condutas erigidas das transformações do século XX. Para isso, situamos a Mídia Tática no contexto e discussões que deram origem a esta percepção e discutimos aspectos de recentes manifestações de oposição enquanto culturas que se utilizam desta noção em seus diferentes aspectos de intervenção. A intenção é observar os módulos de conflito e contradições que se dão quando o aumento das manipulações tecnológicas entram em contato com novas formações coletivas e padrões individuais e verificar os elementos políticos e culturais que resultam desta junção

Abstract: This research verifies the adaptation of the concept of “tactic” developed by Michel de Certeau and its use as a theoretical foundation of a movement called Tactical Media. With it’s origins in Europe at the end of the twentieth century, this movement inherits modes of cultural expressions allied to a critical construction of technological apparatus, especially the electronic and informatics media. We locate the discussion based on the sociological concept of rationality emerged at the debate on recent changes in capitalism’s configuration and it’s trends to new forms of domination which appear supported by technological development and changes of conducts erected by some of the transformations on the twentieth century. For this, we alocate the Tactical Media in the context and discussions that led to this perception and discuss aspects of recent demonstrations of opposition as cultures that make use of this concept in its various aspects of intervention. The intention is to look at the modules of conflict and contradictions that occur when the increase of technological manipulations join with new collective formations and individual patterns and check the political and cultural factors that results in this junction.

______________________________________________________________

A CONTRACULTURA NO CINEMA: A abordagem do movimento contracultural na indústria do cinema

Leonardo Braga Rocha

contraculturacinema

Pesquisa a partir de um estudo de caso de três filmes relacionados ao tema da Contracultura:  Trainspotting (1996), do diretor inglês Danny Boyle; Os Sonhadores (2003), do italiano Bernardo Bertolucci; e Edukators (2004), do alemão Hans Weingartner.
______________________________________________________________

Ciberbarricadas documentárias

Bráulio de Britto Neves

brauliobrittoneves@yahoo.com.br

download_ciberbarricadas

Resumo: Este ensaio delineia, a partir de dois documentários telemáticos ativistas de Miguel “Videohackers” Bastos, “A20 – Não começou em Seattle, não vai terminar em Québec” e “Brad Will – Uma noite mais nas barricadas”, os traços que distinguem o ciberdocumentário prefigurativo como inovação retórica no contexto do documentarismo contemporâneo. Produzidos em dois momentos distintos das atividades do Centro de Mídia Independente – Brasil, os vídeos também testemunham a trajetória do Indymedia, rede de ativismo mediático surgida em 1999, de abrangência geográfica e diversidade política sem precedentes.

Abstract: This essay sketches, out from two on-line activist documentary movies by Miguel “Videohackers” Bastos, “A20 – It didn’t started in Seattle, it won’t end in Québec” and “Brad – One more night in the barricades”, the distinctive features of the prefigurative cyberdocumentary as an innovative rhetoric in the realm of contemporary documentary. Produced at two different moments of the Brazilian Independent Media Centre activities, they also witness the trajectory of Indymedia project, the media activist net that emerged in 1999 with unprecedented geographic outreach and political diversity.

O fascínio da cena pública contemporânea por uma classe de máquinas lógicas, ao qual pertencem os computadores digitais, pode esconder o quanto o conceito de máquina é antigo e multifário. Porém, as implicações políticas do uso de máquinas lógicas estão muito longe de terem sido esgotadas. Este artigo pretende demonstrar os ganhos heurísticos em abordar as “máquinas de imagens” (câmeras, microfones, scanners et alii) também como máquinas lógicas. Sua argumentação situa as máquinas lógicas como “classe natural” das máquinas, ao lado das máquinas energéticas e cibernéticas, no propósito de fornecer elementos que favoreçam compreender por que, com as retóricas audiovisuais documentárias, as máquinas de imagens se tornaram fulcrais na produção do discurso público contemporâneo. Finalmente, através dessas proposições, interpreta-se as teses, lançadas entre quinze e dez anos atrás por diversos teóricos do cinema, quanto à perda da indicialidade ou referencialidade das imagens em movimento.

______________________________________________________________

Imagens-câmera, máquinas lógicas e retóricas documentárias

Bráulio de Britto Neves

artigo_retoricas_doc

O fascínio da cena pública contemporânea por uma classe de máquinas lógicas, ao qual pertencem os computadores digitais, pode esconder o quanto o conceito de máquina é antigo e multifário. Porém, as implicações políticas do uso de máquinas lógicas estão muito longe de terem sido esgotadas. Este artigo pretende demonstrar os ganhos heurísticos em abordar as “máquinas de imagens” (câmeras, microfones, scanners et alii) também como máquinas lógicas. Sua argumentação situa as máquinas lógicas como “classe natural” das máquinas, ao lado das máquinas energéticas e cibernéticas, no propósito de fornecer elementos que favoreçam compreender por que, com as retóricas audiovisuais documentárias, as máquinas de imagens se tornaram fulcrais na produção do discurso público contemporâneo. Finalmente, através dessas proposições, interpreta-se as teses, lançadas entre quinze e dez anos atrás por diversos teóricos do cinema, quanto à perda da indicialidade ou referencialidade das imagens em movimento.