Tecnologia e Arte – Uma introdução

Ao iniciar uma série de artigos em um novo “porto” gosto sempre de me posicionar para que os leitores tenham uma idéia do que virá a seguir. A escolha do título deste blog está diretamente ligada a minha história pessoal e profissional.

Iniciei meus estudos em música aos 13 anos, aos 15 iniciei meus estudos de formação média em eletrônica e aos 18 iniciava minhas atividades como técnico em laboratório em manutenção e montagem de micro (em uma época em que realmente se dava manutenção nos componentes do micro, e não simplesmente se substituíam dispositivos).

Durante toda minha vida profissional foi muito natural pra mim procurar recursos técnicos para satisfazer meus desejos de músico, não só com relação a equipamentos eletrônicos, mas com a proliferação do recurso MIDI na década de 90, utilizando o micro como mais uma ferramenta de trabalho para minhas criações artísticas.

A música em si possui uma conexão direta com as ciências exatas. Há uns 2500 anos atrás Pitágoras estabeleceu sua gama diatônica, uma escala de 5 notas que ainda pode ser ouvida na música chinesa. Sua separação foi feita através de frações matemáticas.

Já a gama dos físicos (também conhecido como gama de Zarlino) criou uma escala musical com 12 intervalos de notas, ligeiramente desiguais, obtidas através da relação entre os harmônicos de dois sons.

A gama temperada, utilizada universalmente por todos os instrumentos de notas bem definidas, possui 12 intervalos iguais e sua relação entre eles é a raiz duodécima de 2. A história credita a Bach (1685-1750) a criação deste sistema de composição musical, mas só foi possível porque John Napier (matemático escocês, 1550-1617) havia criado os logaritmos.

E se pensarmos que o som resultante de qualquer instrumento é uma freqüência (expressa em hertz –hz) e que se dobrarmos essa freqüência teremos a mesma nota uma oitava acima, podemos estabelecer relações entre as freqüências musicais e as cores do espectro (que também possuem seus valores de freqüência). Já imaginou as cores de uma sinfonia de Mozart?

Bem, eu como um profissional da música e ao mesmo tempo um profissional da área tecnológica procuro sempre estabelecer relações entre os dois campos e procurarei colocar aqui minhas observações para compartilhar com vocês minhas conclusões.

Até a próxima.

Dácio

English Version

Art and Technology – An Introduction

Throughout all of my professional life it has been natural for me to search for technical resources to satisfy my needs of as a musician. Not just with regards to electronics equipment but also, with the popularization of MIDI technologic in the 1990’s, with the use of the computer as one more tool for my artistic creations.

Music itself has a direct connection with the exact sciences. 2,500 years ago Pitagoras established his diatonic scale, a scale with 5 notes which can still be heard in Chinese music. The difference in pitch between each note was defined through the use of mathematical fractions.

The physicists scale (also known as the Zarlino´scale) was created using a musical scale with 12 note intervals, lightly unequal, which were obtained from the relationship between the harmonics of two sounds.

The well tempered, which is universally used by all musical instruments with well defined notes, has 12 equal intervals whose relationship between each note is taken from the twelfth root of two. History credits Bach (1685-1750) with the creation of this musical composition system, but it was only possible because of John Napier’s invention of logarithms.

If we think about the resulting sound of any musical instrument is at a specific frequency value (noted in hertz – hz) and if we then multiply this frequency by 2, we obtain the same note only one octave higher. Thus we can establish the relationship between musical frequencies and the colors of the spectrum (which also have these frequency values). Can you imagine the colors of a Mozart symphony?

Well, as I am both a music, and an IT professional of the music and of the IT area, I’m always establishing the relationship between the two fields e will put here and I would like to share my observations to share my and conclusions here.

A presto

Dácio

Esta entrada foi publicada em Arte, Tencologia e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

2 respostas a Tecnologia e Arte – Uma introdução

  1. Me identifiquei com esse site. Sou musicista e sou espírita, Tenho noção de alguns assuntos aqui colocados (informações recebidas de Amigos da Outra Dimensão). Na verdade, fiquei maravilhada com as “coincidências”… Estou profundamente grata por tudo o que me foi aclarado através desse site. Peço a Deus que ilumine e abençoe aos seus criadores e mantenedores, pra que tenham sempre idéias iluminadas e luminosas. Abraços Fraternos!

    Jane Eugenia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*