Mais técnica que arte II

No artigo passado introduzi o assunto sobre a relação entre as artes música e pintura e tratei das características técnicas relacionadas as notas musicais.

Nesse artigo vou falar das cores.

Obviamente não é o caso aqui de filosofarmos sobre os conceitos biológicos das cores, e nem de seus valores de comprimento de onda ou a parte da luz não visível pelos olhos humanos (raios gama, X, ultra violeta, etc…).

Ao tratar de cores, temos de falar a respeito da luz desde que Newton descobriu que a luz poderia se dividir em muitas cores (utilizando um prisma) e Maxwell estabeleceu teoricamente que a luz é uma modalidade de energia radiante que se propaga através de ondas eletromagnéticas. Sua teoria foi comprovada por Hertz (veja só?!?) uns 15 anos depois.

Bom, tudo isso para entendermos que sendo a luz uma onda eletromagnética, possui um comprimento de onda. Os cientistas sabem que a velocidade da luz no ar é igual a 3,0 x 108 m/s, logo, é possível utilizar uma equação que relaciona frequência, comprimento e velocidade de uma onda.

Através desta fórmula pode-se calcular a frequência de cada cor. No intervalo do espectro eletromagnético que corresponde à luz visível, cada frequência equivale à sensação de uma cor. A tabela abaixo mostra essa relação:

Cor Comprimento de onda
( A= 10-10m)
Frequência
(1014 Hz)
Violeta 3900 – 4500 7,69 – 6,65
Anil 4500 – 4550 5,65 – 6,59
Azul 4550 – 4920 6,59 – 6,10
Verde 4920 – 5770 6,10 – 5,20
Amarelo 5770 – 5970 5,20 – 5,03
Alaranjado 5970 – 5220 5,03 – 4,82
Vermelho 6220 – 7800 4,82 – 3,84

(Como curiosidade, a fórmula mencionada é: f= v/λ e na tabela se encontram os valores de comprimento de onda)

É fácil perceber que conforme a frequência aumenta, diminui o comprimento de onda, assim como mostra a tabela acima. Dentro do espectro eletromagnético, a parte que nos interessa é um pequeno trecho da luz visível, conforme pode-se ver na próxima figura:

Com essas informações só nos resta saber como relacionar as frequências das notas musicais com as frequências das cores visíveis do espectro.

Mas isso é assunto para o próximo artigo.

A presto

D.

Veja os apps do autor na App Store

Veja os livros do autor no iTunes

Esta entrada foi publicada em Arte, Tencologia e marcada com a tag , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

3 respostas a Mais técnica que arte II

  1. julio disse:

    Dacio, ótimo o artigo. Parabéns.
    Favor entrar em contato no meu email para conversarmos ok.
    Obrigado

  2. Olá Dácio, gostaria de referenciar os seus artigos num post do meu blogue de pintura que estou a preparar. Podemos falar mais através do contacto de e-mail que lhe envio?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*