Convertendo sons em cores

Com as informações vistas até aqui já temos condições de iniciar o processo de comparação das frequências das notas musicais e a frequência das cores.

Como visto em artigo anterior,  a luz é uma onda eletromagnética (transversal) que pode se propagar no vazio enquanto o som é uma onda mecânica (longitudinal) que necessitam de um meio material para se propagar (o ar, por exemplo). Ambas precisam de um espaço de tempo entre a sua emissão e sua recepção.

No ar, o som propaga-se a uma velocidade de 344 m/s e a luz a uma velocidade 300.000.000 m/s. As ondas sonoras perceptiveis pelo ouvido humano oscilam aproximadamente entre os 20 Hz e os 20 KHz com comprimentos de onda entre os 17.15 e os 0,0172 nm, já as ondas electromagnéticas perceptiveis pelo olho humano oscilam entre os 430 THz e os 750 THz com comprimentos de onda entre os 740 e 380 nm.

Uma vez feita essas observações das características físicas dos dois elementos, passaremos então à questão de sua associação.

Vale dizer que primeiramente iremos converter o comprimento de onda das cores em valores de frequência utilizando uma equação que relaciona frequência, comprimento e velocidade de uma onda f= v/λ

 

onde:

v = velocidade de propagação da luz no meio (velocidade da luz no ar é igual a 3,0 x 108 m/s)
λ = lambda = comprimento de onda (em metros)
f = frequência (em Hz)

No artigo Mais Técnica que Arte II foi apresentada tabela com a conversão das 7 principais cores do espectro.

Mas essa simples conversão não é suficiente para resolver a questão mecânica do olho humano que não é capaz de analisar a luz em frequência do mesmo modo que o ouvido consegue analisar o som. Muitas distribuições diferentes de comprimentos de onda podem parecer brancas ao olho.

A cor é uma manifestção eletroquímica de todo um sistema sensorial, olhos, nervos, cérebro e não uma propriedade da luz, assim,  a transição entre suas nuances não são tão claras como ocorrem nas notas musicais.

No artigo Mais Técnica que Arte foram apresentadas as frequências das 7 notas naturais. Assim podemos criar a associação direta entre os valores de frequência das cores e sons.

Bom, agora bastaria pegarmos uma nota musical como referência, por exemplo o LA 440Hz,  e dobrarmos repetidas vezes sua frequência até chegarmos dentro da frequência da faixa visível. (Como vimos no artigo Mais Técnica que Arte ao dobrarmos a frequência de uma nota musical, iremos obter a mesma nota uma oitava acima).

Após repetirmos a operação 40 vezes (40 oitavas acima) encontraremos o valor de 484 x 10^12 Hz.

Se procurarmos na tabela de frequência das cores do artigo Mais Técnica que Arte II, perceberemos que se tratará de uma cor entre o vermeho e o laranja (trataremos essa subjetividade mais tarde)

É claro que poderíamos também transpor o valor de uma frequência de cores 40 “oitavas” abaixo e encontrar sua nota correspondente.

Aqui está então o resultado da conversão das 12 notas da escala musical:

Nota Frequência (Hz) Cor Compr. Onda (nm) Frequência (HzX1012)
DO 523,3 Verde 521 575
DO# 554,4 Azul 492 610
RE 587,3 Anil 464 646
RE# 622,3 Violeta 438 684
MI 659,3 Violeta 414 725
FA 698,5 Violeta 390 768
FA# 370,0 Vermelho 737 407
SOL 392,0 Vermelho 696 431
SOL# 415,3 Vermelho 657 457
LA 440,0 Laranja 620 484
LA# 466,2 Amarelo 585 513
SI 493,9 Verde 552 543

Por enquanto é isso, próximo artigo trataremos de aperfeiçoar esta essociação.

A presto,

D.

Veja os apps do autor na App Store

Veja os livros do autor no iTunes

Esta entrada foi publicada em Arte, Tencologia e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

45 respostas a Convertendo sons em cores

  1. Dácio, Sara e Julio. Há cerca de 40 anos me veio à mente que seria possível transpor uma escala musical comun, para uma equivalente em luzes de cores, para ouvir e dançar, se a um teclado fosse colocados dispositivos para o acendimento das lâmpadas corrrespondentes aos sons da escala musical, e o ambiente, o forro de uma sala, fosse nele colocado as lâmpadas em forma de pixeis, não sei dizer quantas. Mas, essas lâmpadas acender-se-iam ao executar da melodia no instrumento. O rítmo poderia ser marcado por disposivos ligados à bateria do instrumento, acendendo lâmpadas estraboscópicas possivelmente brancas. Naquele tempo, escrevi para 21 universidades e 4 laboratórios de pesquisas no Brasil, sobre a possiblidade da transformação dos sons em cores e de nenhuma recebi qualquer resposta. Por brincadeira pedi a uma universidade americana que visse o site e deles tive um resposta. Estavam em reforma mas se prontificavam a voltar ao assunto dentro de alguns meses se eu estivesse interesse. Se vocês pudessem ver o site, usando o internet explorer, eu ficaria agradecido o link é música para surdos. Ter visto este trabalho de vocês hoje foi como se eu estivesse sonhando, pois procurei por muitos anos coisa assim na Internet e nunca encontrei. Um grande abraço para vocês todos. José Wilson dos Santos

    • Olá José,

      Obrigado pelo interesse no blog.
      Vi seu site e o que descreve é completamente funcional é possível de implementação, principalmente quando deixa claro que o objetivo final é o entretenimento.
      Minha grande dificuldade em minhas pesquisas é encontrar o máximo de precisão nessa associação entre música-cor o que não é tarefa das mais fáceis.

      Fique à vontade para interagir da forma que lhe for útil com o blog. Ficarei feliz em poder ajudar.

      Grande abraço,

      D.

      • João Carlos disse:

        Você é bom em programação, e matemática Dácio?
        Acho que na sua pesquisa, para dar uma certa acompanhada no que acontece, precisamos aumentar os dados, colocando as mais variadas variações das notas, para ver o comportamento das frequências.
        Já deve ter pensado nisso, mas acho muito interessante seu trabalho. Você já pensou nisso? Alguma coisa errada na minha forma de pensar.

        • Olá João, obrigado pela sua mensagem e desculpe pela demora de minha resposta.
          Sim, consigo desenvolver o que preciso em programação e matemática é um gosto e admiração.
          Não entendi bem o que quis dizer com “…colocando as mais variadas variações das notas…”. Se puder esclarecer.
          Grande abraço.
          A presto,
          Dacio

    • willian Francis disse:

      Olá amigo, a base dessa ideia já existe.. Scriabin tinha planos de fazer algo parecido http://en.wikipedia.org/wiki/Prometheus:_The_Poem_of_Fire
      Abraço

      • Obrigado pelo seu comentário caro amigo. Sim, a ideia de “converter” som em cor é bem antiga. Minha proposta difere no que já foi realizado no que diz respeito à precisão técnica da associação entre música e cor. É até simples dizer puramente a nota X de frequência Y corresponde a cor Z com seu comprimento de onda W convertida em frequência K. O caso é considerar: e os harmônicos de cada nota? E quando temos acordes? E sobre a duração e intensidade? Existem diversos fatores que são desconsiderados, quando o objetivo é “reproduzir” esta “conversão”. Não quero desconsiderar nada.

        Espero que continue acompanhando os posts.

        Abraços,

        D.

  2. Obrigado pela sua mensagem José, espero que continue buscando as respostas que procura e fique à vontade para questionar o que achar pertinente sobre o assunto.
    Abraços,
    D.

  3. thiago disse:

    Como definir( Distinguir) padrão de cores tais como
    RE# Violeta
    MI Violeta
    FA Violeta
    FA# Vermelho
    SOl Vermelho
    SOL# Vermelho

  4. Aos interessados em compartilhar informações sobre o tema, gostaria de divulgar que o grupo de pesquisa que coordeno se dedicou no 2o semestre de 2011 a algoritmos para a conversão cor-som. O site é este aqui: http://www.ufjf.br/comus. Obrigado.

  5. Marcio Sorge disse:

    Olá dacio estamos produzindo um trabalho musical chamados frequencias de cura e ao ler esse seu texto acima era justamente o que buscavamos para complementar nosso trabalho.

    Gostaria de pedir a vc permissão se possível para usar seu artigo em nosso estudo com suas explicações, seria muito importante para nós para complementar nosso trabalho com esta materia.

    Se vc permitir colocaremos os creditos e seu endereço da net em nosso livrinho.

    desde ja agradecemos e assim que estiver pronto estre trabalho eu o aviso.

    Muito obrigado
    parabéns pelo exelente trabalho que tem feito na internet com seu site TECNOLOGIA E ARTE.

    Marcio Sorge

    • Caro Marcio,

      É com muita satisafação que recebo seu comentário no Cultura Digital.

      Fique à vontade em utilizar os artigos em seu trabalho colocando os devidos créditos e o enderço à informação original. E claro, me enviando uma cópia de seu livrinho, rs.

      Boa sorte, e abraços,

      D.

  6. Newson disse:

    Me apareceu uma duvida que pra mim é ao menos interssante… será que Deus pensou em sons quando fez o arco-iris? rrsssss…. em falar nisso… meu caro amigo….vc sabe me dizer qual seria o som do arco-iris? ou melhor…o acorde que o compõe?

    um grande abraço.

  7. Ignorante disse:

    Como faço para capturar e converter cores e sons que estejam fora da faixa de percepção humana para as faixas perceptíveis? Que software eu posso usar?

    • Boa Tarde amigo,

      Não tenho de cabeça um aplicativo que o faça. Eletrônicamente responderia que poderíamos captar sua forma de onda em um osciloscópio e dividir sua frequência até chegar há uma faixa de frequência audível. Mas vou ficar antenado em encontrar uma solução de software para te sugerir. Grande abraço.
      D.

  8. silvia disse:

    Lembrando que a medicina tradicional chinesa indica notas, frequências musicais e também as cores que tem propriedade de equilibrar os órgãos.

    • Obrigado pelo seu comentário Silvia. A Musicoterapia já está bastante avançada em suas conclusões de causa-efeito e apesar de não fazer parte de minhas pesquisas, não seria interessante buscar uma relação entre a Chromoterapia e a Musicoterapia?

  9. Pedro disse:

    Sei que ondas de rádio possuem harmônicos, luz possui harmônicos?

  10. dri Z disse:

    Que bom encontrar essas informações! Obrigada!
    Pesquisa linda!
    Vá em frente!

  11. Angelina Chacur López disse:

    Dácio,
    Que lindo ver o seu trabalho.
    Estou pesquisando exatamente isso.
    A relação me parece muito plauzível e confere com estudos sobre sons e cores relacionados ao chakras, que podem ser encontrados em alguns sites. Ex: http://fusaocosmica.blogspot.com.br/2013/01/importancia-do-uso-dos-mantras-e-sons.html.
    Me chama a atenção o fato de ter escolhido o número quarenta para transpor sons em cores. Pois se tivesse escolhido o número 38, por exemplo, o resultado não seria o mesmo. Por que a escolha do número 40?
    Estou desenvolvendo um estudo sobre a relação entre som, cor, forma e números e saúde e estes seus artigos me foram muito úteis. Um grande abraço e estou aberta a futuras conversas.

    • Angelina,
      Obrigado pelo comentário. Fico feliz que meus estudos tenham despertado seu interesse e espero que possam ajudá-la de alguma forma. Com relação ao valor do fator multiplicador escolhido ter sido o número 40, se dá devido a necessidade de alcançar a faixa de frequência visível ao espectro para poder associá-la a determinada nota. Uma vez que dobrando a frequência de uma nota, obtenho a mesma nota, porém uma oitava acima, precisei “dorbrá-la” 40 vezes para poder atingir a frequência visível do espectro e identificar uma cor visível.

      Hoje a chromoterapia e musicoterapia possuem estudos bem avançados sobre sua causa – efeito. Imagino que sejam seus objetos de estudo.

      Abraços,

      D.

  12. Willian Francis disse:

    Olá amigo, não entendi porque preferiu usar o F# e o G no vermelho sendo que não estão no visível da visão. Se fossem também violeta estariam na parte visível.. E o lá não começaria no vermelho já que o vermelho abrange até o 484Thz? abraço

    violeta 668–789 THz
    azul 606–668 THz
    verde 526–606 THz
    amarelo 508–526 THz
    Laranja 484–508 THz
    vermelho 400–484 THz
    (wikipédia)

    • Obrigado pelo seu comentário caro amigo. Não posso utilizar os valores que apresentou primeiramente pelo fato da academia não considerar a wikipedia como fonte a ser utilizada para artigos científicos (e independente dos textos que apresento não se transformarem em um artigo científico futuramente, a importância e seriedade com que os trato me fez adotar essa prática também). Segundo, apesar da transição entre as cores não se darem por valores específicos, não posso lidar com faixas de frequência pois mais de uma nota se encontraria dentro da mesma faixa.
      Portanto, utilizei um estudo de Charles Lucy (um músico escolar) que criou uma tabela bastante rigorosa (onde não considera as notas temperadas, ou seja, sol# e Lab não são as mesmas notas) e atribuiu valores mais específicos para cada cor. Pode dar uma conferida em sua tabela aqui: Charles lucy Table

      Espero que tenha sanado sua dúvida e que continue acompanhando os posts.

      Abraços,

      D.

  13. loucodelucido disse:

    Irmão, você precisa tomar LSD e Psilocibina, você seria um genio sensorial, sempre houve ligação entre nossos 5 sentidos, porém tente falar isso pra alguem, vao te chamar de louco. o que falta no mundo é mais comunicação com principios ativos naturais, tais como: Psilocibina, DMT, Mescalina, LSA, entre inumeros outros, nos quais o conecta com o verdadeiro sentido da vida.
    E se você está se pensando; este cara está drogado. Você está certo… Porém nada disso aqui relatado vem de uma viajem sem sentido, pesquise a fundo dentro de você, e você conhecerá um mundo que sempre esteve à sua frente e você nunca se deu conta

    • Caro amigo, achei seu post bastante divertido e boa sua dica: “…pesquise a fundo dentro de você, e você conhecerá um mundo que sempre esteve à sua frente e você nunca se deu conta.”

      Espero que contiue acompanhando os posts.

      Abraços,

      D.

  14. Natalia disse:

    Gostei muito desses artigos, sou estudante de musicoterapia, e estou escrevendo um trabalho sobre sinestesia na percepção musical, justamente com esse tema da visão de cores nas notas. Na psicologia existe um conhecido teste psicológico chamado pirâmide das cores. Será que as cores das notas de uma composição também podem representar sintomas psicológicos do seu compositor?

    • Ei Natalia, obrigado pela sua mensagem. Primeiramente me desculpe este imenso espaço de tempo entre sua pergunta e minha resposta.
      Bem, precisaria entender sob quais fundamentos foi construída a pirâmide de cores. A harmonia musical exerce certas reações nos seres humanos pois são construídas para sugerir movimento, tensão e repouso. Se convertesse essas construções harmônicas em cores e criasse a pirâmide das cores, eu arriscaria dizer que poderia usá-la para analisar os sintomas psicológicos de um compositor.
      Um grande abraço.
      A presto,
      Dácio

  15. Gil Freire disse:

    Dárcio e equipe,
    Parabéns pelo artigo descrito “CONVERTENDO SOM EM CORES“ 4 /06/2011.
    Estou pesquisando nos sites exatamente o estudo que vcs estão desenvolvendo, como transformar ou converter som em cores.
    Gostaria de saber se vcs poderiam me ajudar a montar uma sequencia de cores em som.
    Eu infelizmente não entende de notas musicais, porém gostaria de transmitir a sensação das cores as pessoas que não podem ver, devido a distancia ou por deficiência visual, através dos sons.
    Por acaso vcs tem algum trabalho realizado desta forma?
    Agradeço a atenção e forte abraço a equipe.
    Gil Freire

    • Olá Gil, obrigado pela sua mensagem e desculpe a demora de minha resposta.
      Não, não tenho um trabalho nesta área e poderia sim ser criado coisas simples em uma conversão de uma nota simples em cores. Uma vez “negociada” determinada associação com o ouvinte ele escutaria um som e remeteria à cor combinada. Agora, uma conversão de músicas através de sons… complexo isso 🙂
      Mas pesquise o músico britânico Neil Harbisson que devido a uma deficiência visual (não conseguia distinguir cores) desenvolveu um aparato que identifica uma cor e a converte em uma nota musical.
      Um grande abraço.
      A presto,
      Dácio

  16. silvajsm12 disse:

    GENTE, tenho um segredo para revelar, sinto é vejo cores em sons, notas musicais, COMO?
    Não sei…!!!
    Só sei que vejo, eu sou músico e sempre quando oučo ou se faz as notas eu vejo as cores, e sempre dá forma certa sem confundir trocas, acreditem, é verdade!!!
    Não sei de ainda atendem a este post, mas queria muito compartilhar isto é chegar em alguma conclusão, porque tenho mais coisas pra dizer sobre isto que é de ficar admirado…!!!

  17. antonio amorim disse:

    Ola meu nobre Dacio,

    Quero lhe passar algo:
    Se puderes verificar, existe controversia no que afirmou em outros websites, e mais. para se ter certeza de que a correspondencia entre as cores, as frequencias e o tom musical esta realmente correta, somente uma pessoa que se libertou do ciclo de nascimento e morte, chamado na literatura hindu de “moksha ou nirvana”, podera saber.
    As sete cores, as frequencias e o tom musical e tao somente o inicio, correspondem se mutuamente. Cada um deles sao inteiramente distintos uns dos outros.
    Doze cores diferentes para cada frequencia e tom musical diferente, totalizando doze que e o numero perfeito.

    Estou a disposicao no meu email para mais esclarecimento, se assim o desejar.

    • Olá Antonio, obrigado pela sua mensagem e desculpe a demora de meu retorno.
      Bastante interessante seu comentário. Me interesso bastante pela tradição hindu (que tem uma forma muito diferente de tratar os intervalos musicais) mas acredito que não se aplica aqui. Meu estudo é científico e baseado na correspondência dos valores das frequências entre notas e cores e claro, não invalida outros estudos e outros tipos de associações.
      Grande abraço.
      A presto,
      Dácio

  18. Caros gênios: Dacio, Sarah e Julio. Meu nome é José Wilson dos Santos, willosantos, conhecido de vocês dos anos 2000 e pouquinho. Nunca mais tratei do assunto música para surdos dançar e curtir. Mas, vendo os seus cálculos, estranhei a repetição de cores, principalmente vermelho e roxo, para notas diferentes. Acho que isso pode ser solucionado. Vi uma pessoa falando sobre fazer um acorde com as cores do arco íris e você dizer que seria muito dissonante tal acorde. Na realidade, sempre vi o arco íris como diversos acordes. Isso, porque sempre entendi que as cores puras são as 3: azul, vermelho e amarelo. Na realidade tem mais uma, sem a qual não chegaríamos às milhares de cores possível. É o rosa choque. Assim, o laranja do arco íris é parte do vermelho sobre parte do amarelo, assim como o roxo ou lilás é parte do azul sobre parte do vermelho, o verde, parte do azul sobre parte do amarelo. Assim, veja o meu raciocínio. O arco íris é uma sucessão de acordes. Acho que você tem que encontrar a matemática dessa mistura. Também para as oitavas subsequente das cores advindas da mistura de duas outras, você deve encontrar as oitavas de cada uma das cores puras separadamente, para depois mistura-las matematicamente, para encontrar as oitavas subsequentes. Desculpem-me se os estou confundindo ou se estou confuso. Mas, estou muito alegre em ter feito este contato. Um grande abraço para vocês três.

    • Olá José, obrigado pela mensagem e desculpe a demora de meu retorno.
      Queria deixar um aparte, antes de mais nada. Deve ter feito alguma confusão, conduzo esta pesquisa sozinho e não conheço Sarah ou Julio. A não ser que seja alguns dos leitores que deixaram alguma mensagem por aqui, daí me desculpo.
      Bem, no artigo Cor luz, cor tinta menciono que para os que trabalham com cor pigmento, as cores primárias realmente são vermelho, amarelo e azul, porém, para quem trabalha com a cor luz (e o arco-íris neste caso pode ser entendido com luz, certo?) as cores primárias seriam vermelho, verde e azul violetado.
      E seria interessante propor um acorde para o arco íris (ou ao menos as sete cores mais predominantes) mas ainda preciso compreender muita coisa antes de chegar lá.
      Um grande abraço.
      A presto,
      Dacio

  19. Eu sou aquele José Wilson dos Santos lá do começo. Cheguei à conclusão que sons transformados em cores para passar uma melodia para impressionar a visão como o som impressiona os ouvidos, não pode ser por forma científica. Parece que o certo seria encontrar com muito senso, 12 cores fortes, escuras (parecidas com o dó, ré, mi, fá, sol, lá, si), para significar uma primeira oitava. Depois encontrar a oitava seguinte, relacionada com as notas da primeira oitava (talvez apenas mais claras). Aí, já se poderia instalar num teclado para ver o que de daria.

    • Olá José, obrigado por mais uma mensagem.
      Como justifiquei em outra resposta, poderia sim ser feita diversas associações entre cores e sons (como realmente existem). Aqui o propósito é que seja feita de forma matemática e científica, o que traz uma complexidade grande mas espero chegar a resultados bastante interessantes.
      Grande abraço.
      A presto,
      Dacio

  20. Maíne Batista disse:

    Dácio, bom dia.
    Estou com uma proposta em arte e gostaria de utilizar este aplicativo que transforma som em cor.
    Não estou conseguindo encontrá-lo. Pode me ajudar.

    Att.
    Maíne Batista

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*