Marco Civil da Internet no Brasil

Discussões gerais sobre Responsabilidade dos atores (Eixo 2)

Este tópico contém respostas, possui 15 vozes e foi atualizado pela última vez por Foto de perfil de Fernão Lopes Fernão Lopes 9 anos, 3 mes atrás.

Visualizando 15 posts - 1 até 15 (de 39 do total)
  • Autor
    Posts
  • #4516

    Espao de desenvolvimento dos debates sobre os limites das responsabilidades a serem expressas no marco civil da Internet no Brasil

    #5401

    Neste item, acredito que seja necessário que em cada município, seja necessário criar um comitê local de gestão da internet, de forma a fiscalizar cada infra de iluminação de internet, pois, a idéia é fazer com que cada comunidade tenha sua torre de distribuição.  As Colgins (Comite Local de Gestão da Internet) serão compostas de empresários, entes do governo local e entidades da sociedade civil organizada, onde cada grupo (associações de moradores – como provedores do sinal, a COLGIN e a própria população) terá sua cota de responsabilidades para manter o serviço rodando dentro das regras de boas práticas e bom senso.  Pode ser citado que isso é revolucionário, mas vamos levar em consideração que o modelo que está sendo feito hoje, não está ajudando e avançando de forma a atingirmos as metas do PMGU, bem como os valores que estão envolvidos são altos demais, não só para criar a infra como para manter.  Vamos discutir mais o assunto.

    #7265

    Neste item, acredito que seja necessário que em cada município, seja necessário criar um comitê local de gestão da internet, de forma a fiscalizar cada infra de iluminação de internet, pois, a idéia é fazer com que cada comunidade tenha sua torre de distribuição.  As Colgins (Comite Local de Gestão da Internet) serão compostas de empresários, entes do governo local e entidades da sociedade civil organizada, onde cada grupo (associações de moradores – como provedores do sinal, a COLGIN e a própria população) terá sua cota de responsabilidades para manter o serviço rodando dentro das regras de boas práticas e bom senso.  Pode ser citado que isso é revolucionário, mas vamos levar em consideração que o modelo que está sendo feito hoje, não está ajudando e avançando de forma a atingirmos as metas do PMGU, bem como os valores que estão envolvidos são altos demais, não só para criar a infra como para manter.  Vamos discutir mais o assunto.

    #5402

    Metodologias ágeis: planejamento (agenda setting)

                                     reduzir incertezas

                                     dinâmica

                                     estimativas

      

    Configurações de trabalho em equipe: lista de tarefas

                                                                  prazos

                                                                  micro-planejamento

                                                                  macro-planejamento

                                                                  acompanhamento

      

    Arquitetura flexível: feedback (o que acham?)

                                    análises de satisfação

                                    melhoramentos

                                    potencialização de ações

     

    Conexões: entre pessoas

                      métodos

                      tecnologias

     

    Pré-requisitos: integração contínua

                            integração social

                            desenvolvimento de idéias

                            documentação de processos

                            programação em redes

                            projeção constante

     

    Interoperabilidade: padrões abertos: processos de elaboração abertos

                                                               publicado e disponivel

                                                               sem limitação a sua reutilização

                                    padrões internacionais: extensibilidade

                                                                          estabilidade/confiabilidade

                                                                          

    Comunidades: inicialização de ambientes: grupo (entidades)

                                                                         soluções

                                                                         direcionamento: integração de  definições

                                                                                                    alinhamento de projetos

                                                                                                    reuso de soluções

                            controle de desenvolvimento colaborativo: estrutura básica   

                                                                                                 padrões de implementação

                                                                                                 decisões de projetos

                                                                                                 recursos

                                                                                                 niveis de participação

     

    ÁREA DE ABRANGÊNCIA E PÚBLICO ALVO (ESCALA E PERFORMANCE SEM DOR)

    Módulos: estatisticas: identificação
                                      cadastro de usuários
                                      arranjos locais 
                   parceiros: agentes de inclusão digital
                                    redes de cultura (sócio-digitais)
                                    sistemas de midias integrados

     

      

     

     

    CRONOGRAMA E CALENDÁRIO DE AÇÕES (TIME MULTIFUNCIONAL E AMÁVEL)

     

     

     

    Cronograma: Confecção de orçamento: aquisição de equipamentos 

                                                              obras e instalações

                                                              contratação de pessoal

                                                              impostos

                                                              gastos correntes

    Modelos juridicos: direitos autorais: copy right (todos os direitos)

                                                       copy left (creative commons)

                                                       dominio publico                                  

                                                   propriedade intelectual: patentes

                                                                                      licenciamentos

                                                                                      propriedade industrial

                        Modelos de negócios: financeiro: modelo dimensional (micro/macro)

                                                                         planilhas

                                                                         custos

                                                                         retorno

                                                                         referencias (casos)

                                                                         prestação de contas                              

                                                         gerencia: relatórios de desempenho

                                                                        padrões de produção

                                                                        padrões de qualidade

                                                                        métodos de controle (testes/simulação)

                                                         fomento: mecanismos multilaterais (financiamentos)     

                                                                       leis de incentivo

                                                                       acesso aos mercados

                                                        

     

     estruturação: parcerias

                                investimentos

                                sistematicidade

                                conselhos: gestor                                                                               pedagógico

                                                     editorial

    #7266

    Metodologias ágeis: planejamento (agenda setting)

                                     reduzir incertezas

                                     dinâmica

                                     estimativas

      

    Configurações de trabalho em equipe: lista de tarefas

                                                                  prazos

                                                                  micro-planejamento

                                                                  macro-planejamento

                                                                  acompanhamento

      

    Arquitetura flexível: feedback (o que acham?)

                                    análises de satisfação

                                    melhoramentos

                                    potencialização de ações

     

    Conexões: entre pessoas

                      métodos

                      tecnologias

     

    Pré-requisitos: integração contínua

                            integração social

                            desenvolvimento de idéias

                            documentação de processos

                            programação em redes

                            projeção constante

     

    Interoperabilidade: padrões abertos: processos de elaboração abertos

                                                               publicado e disponivel

                                                               sem limitação a sua reutilização

                                    padrões internacionais: extensibilidade

                                                                          estabilidade/confiabilidade

                                                                          

    Comunidades: inicialização de ambientes: grupo (entidades)

                                                                         soluções

                                                                         direcionamento: integração de  definições

                                                                                                    alinhamento de projetos

                                                                                                    reuso de soluções

                            controle de desenvolvimento colaborativo: estrutura básica   

                                                                                                 padrões de implementação

                                                                                                 decisões de projetos

                                                                                                 recursos

                                                                                                 niveis de participação

     

    ÁREA DE ABRANGÊNCIA E PÚBLICO ALVO (ESCALA E PERFORMANCE SEM DOR)

    Módulos: estatisticas: identificação
                                      cadastro de usuários
                                      arranjos locais 
                   parceiros: agentes de inclusão digital
                                    redes de cultura (sócio-digitais)
                                    sistemas de midias integrados

     

      

     

     

    CRONOGRAMA E CALENDÁRIO DE AÇÕES (TIME MULTIFUNCIONAL E AMÁVEL)

     

     

     

    Cronograma: Confecção de orçamento: aquisição de equipamentos 

                                                              obras e instalações

                                                              contratação de pessoal

                                                              impostos

                                                              gastos correntes

    Modelos juridicos: direitos autorais: copy right (todos os direitos)

                                                       copy left (creative commons)

                                                       dominio publico                                  

                                                   propriedade intelectual: patentes

                                                                                      licenciamentos

                                                                                      propriedade industrial

                        Modelos de negócios: financeiro: modelo dimensional (micro/macro)

                                                                         planilhas

                                                                         custos

                                                                         retorno

                                                                         referencias (casos)

                                                                         prestação de contas                              

                                                         gerencia: relatórios de desempenho

                                                                        padrões de produção

                                                                        padrões de qualidade

                                                                        métodos de controle (testes/simulação)

                                                         fomento: mecanismos multilaterais (financiamentos)     

                                                                       leis de incentivo

                                                                       acesso aos mercados

                                                        

     

     estruturação: parcerias

                                investimentos

                                sistematicidade

                                conselhos: gestor                                                                               pedagógico

                                                     editorial

    #5403
    Foto de perfil de frederico
    frederico
    Membro

    Isso é simples:

    Responsabilidades dos usuários de internet (domésticos ou corporativos):

    Cada usuário/empresa é responsavel pelos seus sistemas, sendo eles os responsaveis pelos atos cometidos apartir destes sistemas, salvo se provarem que o sistema foi comprimetido por falhas não desconhecidas publicamente até a data do comprimetimento.

    Isso obrigaria as pessoas – especialmente as empresas, a MANTEREM SEUS SISTEMAS ATUALIZADOS: As pessoas colocam alames nas suas casas, nos seus carros, fazem seguro de vida, seguro de casa, de carro, plano de saude…. mas não atualizam um sistema e nem um antivirus.

    Navegar na internet usando sistema desatualizado é o mesmo que dirigir bebado num veiculo com pneus carecas em dia de chuva a 150Km/h – o veiculo pode até atingir o objetivo de chegar ao destino, porém há um grande risco de sofrer um acidente.

    Quanto a fiscalização destas normas por meios estatais, creio ser inviavel: Cada um pode compor o sistema da forma que achar melhor para atingir o objetivo, ou ainda, as coorporações podem considerar toda sua estrutura como informação de alto sigilo. Porém, creio que, caso o sistema seja usado para fins ilicitos e o proprietario deste sistema não se preocupou com a segurança desta informação, ele até pode ser inocentado do crime, mas ser autuado por ser conivente com este crime.

    Elementos como redes sem fio sem senha ou com senha fraca são encontrados em quase toda cidade.

    Empresas de médio e grande porte tem obrigação de saber que segurança é essencial. Pequenas e micros empresas, e usuários domésticos, não. Então seria interessante a criação de duas leis:

    A primeira que crie um site governamental que informe, com linguagens simples e fácil acesso, as pessoas como se proteger.

    A segunda é que seja obrigatório que na embalagem e nos manuais (caso haja) de todo o hardware vendido para uso doméstico, um link para este endereço, informando: “Antes de usar, leia sobre segurança em http://www.<paginadogoverno&gt;.gov.br/<tipo de dispositivo>. Se for um modem adsl, <tipo de dispositivo> sera adsl, se for wireless, passa s er wireless…

    Neste site teria informações básicas e simples do que a pessoa adquiriu de fato (o que faz um modem, um roteador….. ) e o básico da segurança de uso deste equipamento. Se isso é feito com automoveis (vem no manual dicas de segurança), não vejo o porque nao fazer com informatica. A diferença é que, ao inves de ser um papel que custa caro e polui a natureza, usa-se somente um link.

    Assim a pessoa poderia acessar diretamente a informação que ela precisa saber, e não haveria a alegação de que “eu nao sabia que outras pessoas poderiam acessar!”.

    Essa seria, em minha opinião, o ponto mais importante, pois reduz (e pune caso ) a irresponsabilidade, ao mesmo tempo que aumenta a proteção de toda rede, dificultando muito ataques feitos por gente sem conheciento que pegam a receita  de bolo de como atacar via internet (os chamados script kiddies).

     

    Entendo que a internet é um serviço de utilidade publica – apesar de ser possivel fazer sacanagem via internet, ela possui uma quantidade de informação muito grande e muito exata, existem sites com informações tão boas que a simples leitura pode substituir até mesmo livros escolares. Entendo que o acesso a internet deve ser considerado um DIREITO do cidadão, podendo, até mesmo, ser fornecido, pelo proprio governo, acesso 100% gratuito a navegação para sites de internet (sites somente, nada de baixar musica ou pirataria ou jogos, ou seja, somente http e https) para todos de graça. Seria o complemento ideal para a educação.

     

    Não compete aos municipios ou aos governos estaduais a criação de comites gestores e fiscalização de internet – a internet é uma rede distribuida e descentralizada. Os municipios e estados, podem, sim, fiscalizar a QUALIDADE e a ABRANGENCIA DO SERVIÇO PRESTADO – se o serviço contratado prevê uma velocidade X, então a velocidade deve ser X, e garantir que haja link para fora do municipio/estado/pais o suficiente para atender a demanda de todo o trafego fornecido.

    A infra estrutura deve ser da iniciativa privada (podendo ser feita pelo poder publico caso não haja interesse da iniciativa privada em investir em algum local), com o poder publico garantindo a fiscalização da qualidade do serviço.

    Isto [da velocidade] é questão contratual e compete a toda a sociedade fiscalizar, denunciar e punir a prestadora que não o cumpre (entendo que fornecer velocidade menor que a contratada é o mesmo que roubar algo). O que não deve ser fiscalizado é o que cada um faz com seu acesso a internet, assim como o acesso deve ser irrestrito, ou seja, sem ennhuma restrição a protocolos ou tipo de dados enviados/recebidos.

     

     

    #7267

    Isso é simples:

    Responsabilidades dos usuários de internet (domésticos ou corporativos):

    Cada usuário/empresa é responsavel pelos seus sistemas, sendo eles os responsaveis pelos atos cometidos apartir destes sistemas, salvo se provarem que o sistema foi comprimetido por falhas não desconhecidas publicamente até a data do comprimetimento.

    Isso obrigaria as pessoas – especialmente as empresas, a MANTEREM SEUS SISTEMAS ATUALIZADOS: As pessoas colocam alames nas suas casas, nos seus carros, fazem seguro de vida, seguro de casa, de carro, plano de saude…. mas não atualizam um sistema e nem um antivirus.

    Navegar na internet usando sistema desatualizado é o mesmo que dirigir bebado num veiculo com pneus carecas em dia de chuva a 150Km/h – o veiculo pode até atingir o objetivo de chegar ao destino, porém há um grande risco de sofrer um acidente.

    Quanto a fiscalização destas normas por meios estatais, creio ser inviavel: Cada um pode compor o sistema da forma que achar melhor para atingir o objetivo, ou ainda, as coorporações podem considerar toda sua estrutura como informação de alto sigilo. Porém, creio que, caso o sistema seja usado para fins ilicitos e o proprietario deste sistema não se preocupou com a segurança desta informação, ele até pode ser inocentado do crime, mas ser autuado por ser conivente com este crime.

    Elementos como redes sem fio sem senha ou com senha fraca são encontrados em quase toda cidade.

    Empresas de médio e grande porte tem obrigação de saber que segurança é essencial. Pequenas e micros empresas, e usuários domésticos, não. Então seria interessante a criação de duas leis:

    A primeira que crie um site governamental que informe, com linguagens simples e fácil acesso, as pessoas como se proteger.

    A segunda é que seja obrigatório que na embalagem e nos manuais (caso haja) de todo o hardware vendido para uso doméstico, um link para este endereço, informando: “Antes de usar, leia sobre segurança em http://www.<paginadogoverno&gt;.gov.br/<tipo de dispositivo>. Se for um modem adsl, <tipo de dispositivo> sera adsl, se for wireless, passa s er wireless…

    Neste site teria informações básicas e simples do que a pessoa adquiriu de fato (o que faz um modem, um roteador….. ) e o básico da segurança de uso deste equipamento. Se isso é feito com automoveis (vem no manual dicas de segurança), não vejo o porque nao fazer com informatica. A diferença é que, ao inves de ser um papel que custa caro e polui a natureza, usa-se somente um link.

    Assim a pessoa poderia acessar diretamente a informação que ela precisa saber, e não haveria a alegação de que “eu nao sabia que outras pessoas poderiam acessar!”.

    Essa seria, em minha opinião, o ponto mais importante, pois reduz (e pune caso ) a irresponsabilidade, ao mesmo tempo que aumenta a proteção de toda rede, dificultando muito ataques feitos por gente sem conheciento que pegam a receita  de bolo de como atacar via internet (os chamados script kiddies).

     

    Entendo que a internet é um serviço de utilidade publica – apesar de ser possivel fazer sacanagem via internet, ela possui uma quantidade de informação muito grande e muito exata, existem sites com informações tão boas que a simples leitura pode substituir até mesmo livros escolares. Entendo que o acesso a internet deve ser considerado um DIREITO do cidadão, podendo, até mesmo, ser fornecido, pelo proprio governo, acesso 100% gratuito a navegação para sites de internet (sites somente, nada de baixar musica ou pirataria ou jogos, ou seja, somente http e https) para todos de graça. Seria o complemento ideal para a educação.

     

    Não compete aos municipios ou aos governos estaduais a criação de comites gestores e fiscalização de internet – a internet é uma rede distribuida e descentralizada. Os municipios e estados, podem, sim, fiscalizar a QUALIDADE e a ABRANGENCIA DO SERVIÇO PRESTADO – se o serviço contratado prevê uma velocidade X, então a velocidade deve ser X, e garantir que haja link para fora do municipio/estado/pais o suficiente para atender a demanda de todo o trafego fornecido.

    A infra estrutura deve ser da iniciativa privada (podendo ser feita pelo poder publico caso não haja interesse da iniciativa privada em investir em algum local), com o poder publico garantindo a fiscalização da qualidade do serviço.

    Isto [da velocidade] é questão contratual e compete a toda a sociedade fiscalizar, denunciar e punir a prestadora que não o cumpre (entendo que fornecer velocidade menor que a contratada é o mesmo que roubar algo). O que não deve ser fiscalizado é o que cada um faz com seu acesso a internet, assim como o acesso deve ser irrestrito, ou seja, sem ennhuma restrição a protocolos ou tipo de dados enviados/recebidos.

     

     

    #5404
    Foto de perfil de frederico
    frederico
    Membro

    Espao de desenvolvimento dos debates sobre os limites das responsabilidades a serem expressas no marco civil da Internet no Brasil

    Acredito que de responsabilidade, é o q sitei acima: Q o governo garanta a qualidade do serviço, sem outra fiscalização direta sobre a navegação. Apesar de que, acho que o post anterior é melhor encaixado no eixo 3….

    #7268

    Espao de desenvolvimento dos debates sobre os limites das responsabilidades a serem expressas no marco civil da Internet no Brasil

    Acredito que de responsabilidade, é o q sitei acima: Q o governo garanta a qualidade do serviço, sem outra fiscalização direta sobre a navegação. Apesar de que, acho que o post anterior é melhor encaixado no eixo 3….

    #5405

    Frederico quero fazer uma ressalva sobre a criação do comitê local de gestão da internet como venho citando.  Ele não é um intruso ou ditador e sim um braço da sociedade civil organizada juntamente com empresários e governo para fazer que o serviço rode bem e de forma auto-sustentável em cada cidade ou parte dela, ou seja, oque quero dizer que se o controle ficar direto com o governo federal, corremos o risco disso virar ditadura, assim como na China.  Temos que garantir que a internet seja descentralizada e que cada comitê tenha a função de ajudar e não de coibir.  Em nosso dossiê criamos a seguinte estrutura hierárquica : Governo cede o link, o comitê local faz a gestão do projeto na cidade e as associações de moradores ou outra entidade sem fins lucrativos distribuem o sinal de internet através de suas infras.  O comitê terá o papel de facilitar todas as questões técnicas, administrativas e logísticas dos provedores comunitários.  No mais posso enviar o dossiê completo para o grupo é só ver com o admin como fazer.

    #7269

    Frederico quero fazer uma ressalva sobre a criação do comitê local de gestão da internet como venho citando.  Ele não é um intruso ou ditador e sim um braço da sociedade civil organizada juntamente com empresários e governo para fazer que o serviço rode bem e de forma auto-sustentável em cada cidade ou parte dela, ou seja, oque quero dizer que se o controle ficar direto com o governo federal, corremos o risco disso virar ditadura, assim como na China.  Temos que garantir que a internet seja descentralizada e que cada comitê tenha a função de ajudar e não de coibir.  Em nosso dossiê criamos a seguinte estrutura hierárquica : Governo cede o link, o comitê local faz a gestão do projeto na cidade e as associações de moradores ou outra entidade sem fins lucrativos distribuem o sinal de internet através de suas infras.  O comitê terá o papel de facilitar todas as questões técnicas, administrativas e logísticas dos provedores comunitários.  No mais posso enviar o dossiê completo para o grupo é só ver com o admin como fazer.

    #5406
    Foto de perfil de josecoura
    josecoura
    Participante

    A primeira questão sobre a internet que posso colocar para o debate é a comunicação disfarçada ou anônima, onde uma pessoa se passa por outra ou cria uma identificação virtual e utiliza isto para constranger, enganar, difamar ou qualquer atividade negativa contra qualquer outra pessoa.

    Isto pode?

    #7270

    A primeira questão sobre a internet que posso colocar para o debate é a comunicação disfarçada ou anônima, onde uma pessoa se passa por outra ou cria uma identificação virtual e utiliza isto para constranger, enganar, difamar ou qualquer atividade negativa contra qualquer outra pessoa.

    Isto pode?

    #5407
    Foto de perfil de Francine Emilia Costa
    Francine Emilia Costa
    Participante

    Não cheguei a let a discussão toda, mas creio que não tenha como implementar os COLGINS. Isso porque a situação varia muito de município para município. São Paulo, por exemplo, precisaria de muito mais que um Colgin, ou um Colgin MUITO bem estruturado. Já cidades pequenas (com por volta de 15 mil habitantes ou menos) teriam um Colgin que ficaria praticamente inativo, visto que poucas pessoas detêm internet nesses locais. Ainda mais levando em consideração que alguns locais não usam internet via telefone, e sim via rádio/satélite.

    Agora, é necessário, mais que responsabilizar as pessoas pelo atos delas dizer que a internet não é terra de ninguém. Há a falsa impressão de que a internet não tem regras, pode fazer tudo… Mas o caso é justamente o oposto, a internet é onde você precisa sim se identificar, dizer o que pensa, se relacionar com o mesmo respeito que na “vida real”. E ai o processo se complica um pouco mais.

    #7271

    Não cheguei a let a discussão toda, mas creio que não tenha como implementar os COLGINS. Isso porque a situação varia muito de município para município. São Paulo, por exemplo, precisaria de muito mais que um Colgin, ou um Colgin MUITO bem estruturado. Já cidades pequenas (com por volta de 15 mil habitantes ou menos) teriam um Colgin que ficaria praticamente inativo, visto que poucas pessoas detêm internet nesses locais. Ainda mais levando em consideração que alguns locais não usam internet via telefone, e sim via rádio/satélite.

    Agora, é necessário, mais que responsabilizar as pessoas pelo atos delas dizer que a internet não é terra de ninguém. Há a falsa impressão de que a internet não tem regras, pode fazer tudo… Mas o caso é justamente o oposto, a internet é onde você precisa sim se identificar, dizer o que pensa, se relacionar com o mesmo respeito que na “vida real”. E ai o processo se complica um pouco mais.

Visualizando 15 posts - 1 até 15 (de 39 do total)

Você deve fazer login para responder a este tópico.