Jose Luiz Herencia

Perfil

Nome completo

Jose Luiz Herencia

Sexo

Masculino

Endereço

Ilhabela / São Paulo / Brasília

Cidade

Brasília

Estado

Distrito Federal

Biografia

Sobre o autor

José Luiz Herencia é gestor cultural, pesquisador, compositor e poeta.

Em 2008, foi assessor especial do Ministro de Estado da Cultura.

Assumiu, em 2009, a Secretaria de Políticas Culturais do MinC, onde é responsável pelas áreas de economia da cultura, cultura digital e direitos autorais, entre outras.

Entre 1995 e 1999, estudou Filosofia na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP), onde desenvolveu pesquisas na área de estética e participou de iniciativas como o Núcleo de Estudos Jean Maugué.

Em 1997, organizou o ciclo de seminários Drummond: entre o ser e as coisas, com a participação em especialistas em literatura e teoria literária, com apoio do Instituto Itaú Cultural e do Instituto de Estudos Brasileiros da USP.

Na USP, foi curador de diversas exposições comemorativas, como Antonio Candido – Pensamento e Militância, incorporada à publicação homônima editada pela Fundação Perseu Abramo (1998).

É membro, desde 1998, do conselho editorial dos Cadernos de Filosofia Alemã, publicação da Discurso Editorial / Humanitas, da FFLCH-USP, e que reúne contribuições de especialistas brasileiros e internacionais em filosofia alemã, da estética à epistemologia.

Em 1998, criou – com o apoio de intelectuais como Antonio Candido e José Miguel Wisnik – do grupo de trabalho que reabriu a Casa de Mário de Andrade / Oficina da Palavra, equipamento da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo.

Atuou, entre 1998 e 1999, como coordenador de atividades da Casa de Mário de Andrade / Oficina da Palavra.

Foi assessor para a área de música da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo e produziu, entre 2000 e 2002, o espetáculo semanal “Rua do Choro”, em que dirigiu mais de 250 apresentações de música instrumental de artistas como Altamiro Carrilho, Paulo Moura e Yamandu Costa, entre outros.

Em 2000, passou a integrar a equipe do Instituto Moreira Salles, onde criou e dirigiu, até janeiro de 2008, a área de música e produções audiovisuais.

Coordenou, como membro da direção do Instituto Moreira Salles, um dos mais respeitados projetos de preservação da memória musical brasileira, digitalizando e disponibilizando gratuitamente, no site do IMS, mais de 100 mil gravações realizadas no Brasil entre 1902 e 1964 (integrantes do acervo reunido pelo jornalista José Ramos Tinhorão).

Coordenou, no IMS, as equipes que preservam e divulgam alguns dos mais representativos acervos artísticos brasileiros, como os de Chiquinha Gonzaga, Ernesto Nazareth e Pixinguinha.

Em 2007, organizou, pelo Instituto Moreira Salles e em parceria com o MinC e a Petrobras, o I Edital Petrobras de Festivais de Música, e mapeou o circuito brasileiro de festivais.

Como produtor artístico realizou centenas de espetáculos com a participação de artistas como Caetano Veloso, Francis Hime, Paulinho da Viola e Chico César, entre outros.

Em 2004, foi curador do projeto musical da exposição São Paulo, 450 anos – realizada pela FIESP em seu centro cultural na Avenida Paulista, SP.

Foi curador de projetos musicais de diversas exposições fotográficas realizadas em Paris por ocasião do Ano do Brasil na França (2005), em locais como o Museu Carnavalet, o Museu D’Orsay e a Cité de la musique, em Paris.

Colaborou em diversas publicações com artigos e ensaios sobre música e literatura, e em produções como Pixinguinha e a velha guarda do samba, premiado documentário de Thomas Farkas e Ricardo Dias (2006).

Foi diretor artístico da GAIA DISCOS, em que produziu e lançou, entre outros, os discos Jobim Violão, do crítico musical e violonista Arthur Nestrovski, e Tudo o Que Gira Parece a Felicidade, com a trilha sonora do espetáculo de dança homônimo dirigido pelo coreógrafo Ivaldo Bertazzo, ambos indicados para o Prêmio Tim de Música – edição 2008.

Produziu, para o selo Rádio MEC, o disco 100 anos de Radamés Gnattali: obra integral para violoncelo e piano, com gravações da pianista brasileira Fernanda Canaud e do violoncelista inglês David Chew.

Participou de debates e ministrou, em instituições como Fundação Joaquim Nabuco, USP, UNICAMP, Instituto Moreira Salles e CIEE (Centro de Integração Empresa–Escola), entre outras, cursos, conferências e palestras sobre política cultural, música e literatura.

Fez palestras e conferências sobre política cultural e música brasileira em países como Argentina e Cuba, como o realizado pela IASPM – Asociacíon Internacional para El Estúdio de La Musica Popular (Havana, 2006).

Preside o Comitê Brasileiro de Internacionalização e Economia da Arte Contemporânes – CBIEAC (Programa Brasil Arte Contemporânea) e participa do Conselho do Programa Petrobras Cultural, além de representantar o MinC em diversas comissões e grupos interministeriais.

É autor de composições gravadas em cd´s de intérpretes como Teresa Cristina, entre outros.

O ser social

Perfil no Twitter

jlherencia

Onde atua

Onde atua?

Governo

Profissão

Gestor cultural, pesquisador, compositor e poeta

Representa uma entidade

Sim

Qual entidade

Ministério da Cultura | Secretaria de Políticas Culturais

Endereço da entidade

http://www.cultura.gov.br/