Memórias negras: a recuperação de coleções do jornal O Exemplo

O blogue Memórias Digitais dá sequência a uma série de posts sobre os projetos selecionados no edital Preservação e Acesso aos Bens do Patrimônio Afro-Brasileiro, lançado em 2013 pela secretaria de Políticas Culturais (SPC) do Ministério da Cultura (MinC) e Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Finalizados em dezembro de 2015, os acervos digitais resultantes das pesquisas estão disponíveis no Tainacan – solução, em versão beta, para a disponibilização online de acervos da parceria entre MinC e Universidade Federal de Goiás (UFG).

 

Entre os 24 selecionados no edital Preservação e Acesso aos Bens do Patrimônio Afro-Brasileiro, lançado pelo Ministério da Cultura (MinC) e Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) em 2013, está o projeto “O direito às memórias negras: preservando o patrimônio Afro-brasileiro nas coleções do Jornal O Exemplo (1892-1930)”, da historiadora Maria Angelica Zubaran.

Jornal gaúcho tinha a cultura negra como pauta

Jornal gaúcho tinha a cultura negra como pauta

Como resultado da pesquisa, foram digitalizados e disponibilizados online 368 exemplares do periódico da imprensa negra gaúcha, que circulou entre os anos de 1892 e 1930 na cidade de Porto Alegre.

“O jornal era feito por negros e para a comunidade negra do Rio Grande do Sul e dialogavam também com os jornais nacionais e internacionais”, explica a historiadora.

“Dentre as questões muito abordadas pelo jornal estavam a educação e a luta contra o preconceito étnico-racial, duas questões que para o jornal, inclusive, estavam intimamente ligadas”.

Professora da graduação em História e da pós-graduação em Educação, da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), Maria Angelica relata que o acervo que conseguiu reunir estava disperso entre o Museu de Comunicação Social Hipólito José da Costa, o Núcleo de Pesquisa em História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e, sobretudo, na coleção particular de Nayara de Oliveira, filha do poeta e militante Oliveira Silveira, de quem herdou o material mais antigo e raro do jornal O Exemplo – relativo à última década do século XIX.

Representação e afirmação
“O trabalho valoriza as memórias negras e possibilita à comunidade afro-brasileira uma outra dimensão da sua construção e formação histórica”, conta Zubaran. “Contribui para a autoestima daquelas populações que, durante muito tempo, foram representadas de forma negativa, principalmente nos meios de comunicação – e isso teve um impacto muito negativo para a formação das identidades de matriz africana”, acredita.

Pesquisa sobre O Exemplo: contribuição para a revisão historiográfica

Pesquisa sobre O Exemplo: contribuição para a revisão historiográfica

O projeto também se articula com políticas públicas de ação afirmativa, que tornaram obrigatório o ensino da história e da cultura afro-brasileira e indígena nos currículos de escolas públicas e privadas brasileiras.

“Para os pesquisadores e escritores de livros didáticos é muito importante ter acesso a estas fontes: é isso que permite uma nova produção historiográfica, porque as histórias das populações afro-brasileiras foram, durante muito tempo, esquecidas ou negligenciadas”, conclui Maria Angelica Zubaran.

Acesse todas as edições digitalizadas no Tainacan.

 

Texto: Vinicius Mansur (Ascom/MinC)
Imagens: divulgação

 

2 comentários sobre “Memórias negras: a recuperação de coleções do jornal O Exemplo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*