MINC | Embaixada do Brasil em Londres exibirá obras doadas por artistas brasileiros durante a 2ª Guerra Mundial

exposicaolondres

Após 73 anos, parte de mostra de arte brasileira realizada no Reino Unido por iniciativa de artistas brasileiros e do Itamaraty em benefício do esforço de guerra aliado contra o nazi-fascismo será exibida ao público. No acervo, obras de Portinari, Di Cavalcanti, Tarsila do Amaral, Lasar Segall e Volpi, entre outros. A exibição de parte das peças ocorrerá entre abril e junho de 2018 na Embaixada do Brasil em Londres.

A exposição de 1944 – a maior exibição de arte brasileira até então realizada fora do país –  reuniu, na Royal Academy of Arts, 168 quadros produzidos por 70 artistas do Brasil e foi visitada por aproximadamente 100 mil pessoas, entre elas a rainha Elizabeth, mulher do então rei George VI. Os recursos obtidos com a venda das obras doadas pelo Brasil foram revertidos à época  em favor da Royal Air Force, a Força Aérea britânica.

Além das pinturas, a exposição “The Art of Diplomacy – Brazilian Modernism Painted for War” exibirá cartas, fotografias, matérias de jornal e documentos históricos relacionados a essa iniciativa brasileira.

Share

ALAGOAS | Festa Literária de Marechal Deodoro começa nesta quarta-feira

flimar-2017-marca-hz

De 22 a 25 de novembro, Marechal Deodoro se torna a capital da literatura e cultura. A 8ª edição da Festa Literária de Marechal Deodoro (Flimar) começa nesta quarta-feira (22), invadindo as ruas da cidade histórica. Serão quatro dias de exposições, palestras, artesanato, sarau, gastronomia, cinema, teatro, música e dança.

A vasta programação cultural se espalha do centro histórico à orla lagunar. Esta edição está repaginada, ganhando novas dimensões e envolvendo os mais diversos setores num ato de grandiosidade e valorização da cultura local.

A secretária executiva de Estado da Cultura, Rosiane Rodrigues, ressaltou a parceria firmada com a prefeitura do município para realização do evento. “Deste o primeiro ano da gestão do governador Renan Filho, o Estado tem investido efetivamente na promoção da Festa Literária. Entendemos a cultura como ferramenta essencial para o desenvolvimento social. A Flimar já se consolida como maior evento literário da região e movimenta o turismo e a economia por meio da cultura”, afirmou.

Flimar

A Festa Literária é um projeto de consolidação de uma política de incentivo à leitura, com resultados concretos, que se prolongam nas escolas e comunidades, contribuindo para que haja amor e hábito à leitura, reduzindo o número de analfabetos e melhorando o próprio ser humano e a qualidade de vida de todos.

O evento é uma realização da Prefeitura de Marechal Deodoro, com patrocínio do Governo de Alagoas, Caixa Econômica Federal e Sebrae, e apoio da Imprensa Oficial Graciliano Ramos e da Devassa. Também são parceiros do evento as editoras Seguinte e Sextante, Instituto Federal de Alagoas, Sesc, Distribuidora BêaBá e a Imbratin.

Confira a programação completa no endereço http://www.flimar.com.br/programacao/

Share

MINC | Rouanet injetou R$ 16,5 bilhões na economia do País desde 1992

photo4944988804041779168

A investidores e produtores culturais no Fórum de Cultura e Economia Criativa, nesta terça-feira, em Sao Paulo, o ministro  da Cultura, Sérgio Sá Leitão, anunciou mudanças para aprimorar a Lei Rouanet, principal impulsionador das atividades criativas no Brasil.

Desde sua criação, em 1992, a Lei de Incentivo à Cultura – a Lei Rouanet – injetou cerca de R$ 16,5 bilhões na economia brasileira. Além disso, apoiou a realização de 50.396 projetos culturais.

A nova Instrução Normativa (IN) da Lei Rouanet, que está na fase final e deverá ser publicada na próxima semana, será mais enxuta e mais simples que a atual, mas manterá o rigor na fiscalização dos projetos. “Estamos na reta final”, destacou o ministro.

A revisão da regulamentação da Lei Rouanet é uma das prioridades do Ministério da Cultura. Nesses quatro meses, Sá Leitão participou de reuniões com o setor cultural para chegar a um texto mais voltado para o usuário dos incentivos fiscais. “A ideia é que a gente dê mais solidez, mais segurança jurídica para o mecanismo e facilite o seu uso tanto pelos proponentes quanto pelos patrocinadores, sem perda do rigor no acompanhamento e na fiscalização dos projetos, que é o papel do Ministério”, argumentou Sá Leitão.

Campanha de esclarecimento

O Ministério da Cultura está planejando uma campanha de esclarecimento da Lei Rouanet, mostrando como o mecanismo funciona, qual o impacto dos incentivos culturais na economia brasileira e os benefícios que produziu no País. “Isso gera renda, gera emprego, desenvolve o país e, portanto, todos são beneficiados”, afirmou.

A renúncia fiscal da cultura anual é de cerca de R$ 1,250 bilhão – o que representa 0,64% do total dos incentivos federais. Em contrapartida, somente o setor de audiovisual gera R$ 2 bilhões ao ano de impostos federais.

O desafio do segmento cultural, segundo o ministro, é maximizar o potencial das atividades criativas. Estudos indicam que o segmento cultural e criativo deve crescer no país a uma taxa de 4,6%, nos próximos cinco anos – bastante superior às projeções de crescimento da economia brasileira como um todo.

“São atividades que já têm peso econômico muito expressivo, mas têm um potencial de expansão e, portanto, de contribuição para o desenvolvimento do país gigantesco”, disse Sá Leitão.

Share

PERNAMBUCO: Último Encontro na Academia do Seminário de Bibliotecas nas Escolas

d3cdb172-656b-48ea-8bcc-bb78a8eac49a

No dia 30 de novembro acontecerá o último Encontro na Academia do SEMINÁRIO BIBLIOTECA NAS ESCOLAS, das 09:00 às 12:00, na Academia Pernambucana de Letras. Este é o sexto encontro do Seminário Biblioteca nas Escolas, que contará com a presença do escritor e ensaísta Luís Seguilha com Ana Durado e Érica Verçosa.

Este é o encerramento da segunda edição do seminário, realizado pela Editora Cubzac, com patrocínio da Cepe e apoio da Academia Pernambucana de Letas. Uma realização da Editora Cubzac, o evento discuti a importância da implantação e dinamização de bibliotecas nas escolas. O seminário tem por objetivo oferecer formação continuada para profissionais que trabalham em bibliotecários escolares.

Discutir a importância da implantação e dinamização de bibliotecas nas escolas e ampliar a discussão e conscientização sobre seu papel como poderoso instrumento para formação de leitor e transformação social. O evento é uma realização da Editora Cubzac, com patrocínio da Companhia Editora de Pernambuco e apoio da Academia Pernambucana de Letras – APL.

Serviço

Seminário Biblioteca nas Escolas

Quando: 30 de novembro, das  das 09:00 às 12:00

Onde: Academia Pernambucana de Letras

Share

ALAGOAS: Mostra Sururu de Cinema Alagoano divulga a lista de selecionados 2017

unnamed (1)

A lista dos selecionados para a edição 2017 da Mostra Sururu de Cinema Alagoano foi divulgada na última sexta-feira (17). O evento, promovido pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), em parceria com o Fórum Setorial do Audiovisual Alagoano, acontece entre os dias 14 e 17 de dezembro, no Centro Cultural Arte Pajuçara, em Maceió, com entrada gratuita.

Foram selecionados 18 filmes, que concorrem aos prêmios de Melhor Filme pelo Júri Oficial, Melhor Filme pelo Júri Popular, Melhor Contribuição Artística, Melhor Contribuição Técnica, Melhor Performance e Prêmio Olhar Crítico (dado pelos membros do Laboratório de Crítica Cinematográfica). Além da mostra competitiva, mais três filmes compõem a programação deste ano.

Confira a lista dos filmes selecionados e convidados:

MOSTRA COMPETITIVA

A Noite Estava Fria –  Leonardo A. Amorim, Ficção, 17min51seg

As Melhores Noites de Veroni – Ulisses Arthur, Ficção 16min

Avalanche – Leandro Alves, Ficção 21min19seg

Cadê minha casa que estava sempre aqui? – Renata Baracho, Documentário, 10min32seg

Delas – Karina Liliane, Documentário, 15min23seg

Enéias, O Picapau – Celso Brandão, Documentário, 13min

Entre as Linhas do Tear – Marcelo Nivaldo da Silva Junior, Documentário, 10min50seg

Furna dos Negros – Wladymir Lima, Documentário, 26min

Imaginários Urbanos – Glauber Xavier, Documentário, 15min

Meninos do Francês – Duda Bertho, Documentário, 15min32seg

O Carpinteiro de Jesus – Celso Brandão, Documentário, 15min32seg

Onde Você Mora? – Direção Coletiva, Documentário ,13min

Os Desejos de Miriam – Nuno Balducci, Ficção, 19min32seg

Ressonância – Fabiana de Paula, Ficção, 14min28seg

Teresa – Nivaldo Vasconcelos, Ficção, 19min

Trem Baiano – Robson Cavalcante e Claudemir Silva, Documentário. 28min23seg

Tupi Or Not Tupi – Renata Claus e Nara Normande, Animação, 03min3seg

Uma interrogação para o mundo – Arnaud Borges, Experimental, 3min19seg

FILMES CONVIDADOS

Entrerio – Larissa Lisboa, Experimental, 11min57seg

Eu me preocupo – Paulo Silver, Ficção, 19min35seg

O Peixe – Jonathas de Andrade, Documentário, 23 min

Share

PERNAMBUCO: Fundação de Cultura de Camaragibe lança Convocatória para Coletânea musical online

unnamed

“Camaragibe de Sons” é uma coletânea digital gratuita que tem por objetivo difundir a atual produção musical da cidade de Camaragibe. O objetivo é dar visibilidade a artistas e bandas, tanto consagradas quanto emergentes inseridos na cena cultural de Camaragibe.

Com este projeto, a Fundação de Cultura de Camaragibe busca compreender o cenário musical do município, mapeando os profissionais que se fazem presentes na cena local. A coletânea online “Camaragibe de Sons” é uma iniciativa sem fins lucrativos da Fundação de Cultura de Camaragibe, que visa identificar, valorizar e promover a produção musical dos compositores e profissionais que atuam na região.

Realize sua inscrição na coletânea neste link:
https://goo.gl/forms/tpBSON41sq0BzrsU2

FORMA DE PARTICIPAÇÃO

Poderão participar do projeto qualquer artista, grupo ou cantor que atue no ramo da música, sejam estes de qualquer estilo ou gênero, desde que o proponente e mais de 50% dos integrantes do grupo a ser inscrito residam na cidade de Camaragibe há mais de três anos.

Os interessados que desejarem participar da coletânea devem apresentar obrigatoriamente uma amostra de seu trabalho em até três registros de áudio em formato digital (mp3). As obras gravadas deverão ser composições autorais, interpretadas pelo próprio autor ou com autorização escrita por terceiros que, porventura,tenham direitos autorais (em caso de co-autoria) e/ou direitos conexos sobre a obra.

Neste projeto não serão aceitas músicas ainda por gravar ou composições sem arranjo. A Fundação de Cultura de Camaragibe não irá bancar gravações ou ceder estúdios para tal finalidade. As músicas a serem incluídas na coletânea já deverão ter sido gravadas previamente pelo grupo ou artista de forma independente ou com recursos de terceiros.

As inscrições serão gratuitas e online no endereço http://culturadigital.br/culturacamaragibe, ficando abertas de 10 de Novembro a 17 de Dezembro de 2017. Após o período de inscrições, as músicas serão avaliadas por uma curadoria especializada (formada por profissionais do estado e do município) e posteriormente incorporadas à coletânea que ficará disponível de forma gratuita na Internet.

Share

PIAUÍ: Secult divulga lista dos pré-selecionados para concorrer ao edital de cinema

secult-lanca-edital-para-selecao-de-projetos-de-audiovisual💡 Habilitados

A Secretaria Estadual de Cultura – Secult divulgou na última segunda-feira (20) a lista dos filmes habilitados para concorrer ao Edital Piauí de Seleção de Projetos Audiovisuais. Ao todo, foram habilitadas 35 propostas, em várias categorias. Essas propostas agora serão encaminhadas à comissão julgadora, formada por três membros, com notório conhecimento na área. Será analisada a relevância dos temas propostos, além da técnica e compatibilidade entre o orçamento e o roteiro da obra escrita. O edital vai contemplar 20 projetos audiovisuais, com um investimento de R$ 6 milhões.

Entre os habilitados, está o longa-metragem ficção animação “Jenipapo – a marcha dos esquecidos”, o longa documentário “Não matou, El Matador”, a série documentário “As aventuras de Julieta no Sertão”, o longa documentário histórico “Parnahyba – as janelas olham devagar”, o curta-metragem documentário “Água para Gregório” e o curta ficção animação “Eu e minhas verdades”. A lista completa dos projetos habilitados pode ser encontrada no site da Secult, no endereço www.cultura.pi.gov.br.

A partir da divulgação, fica aberto o prazo de cinco dias para interposição de recursos. O recurso deverá ser interposto exclusivamente por meio de ofício dirigido à Secult, até às 13h30 do dia 27 de novembro.

O edital visa apoiar projetos independentes de obras audiovisuais, com relevância artística e cultural através de conceito, conteúdo e capacidade de preencher lacunas sociais, culturais e históricas. Os filmes devem ser inéditos e serão aceitos projetos dos gêneros de ficção, animação e documentário.

Os recursos são oriundos do Governo Federal, através do Fundo Setorial do Audiovisual, da Agência Nacional do Cinema (Ancine) e do Tesouro Estadual, através do Programa de Trabalho – Democratização e Difusão das Artes Criativas e da Cultura Piauiense.

Share

BAHIA | 19ª Edição Leituras do Mundo com Lia Robato

Leituras_Novembro

Lia Robatto, coreógrafa, professora e pesquisadora, militante das artes há mais de 50 anos é a convidada do Museu de Arte da Bahia para fazer a palestra da 19ª Edição do projeto Leituras do Mundo que acontece na próxima quinta-feira (23), às 17h, na Biblioteca do MAB com entrada franqueada ao público. O tema da palestra seguida de debate é “Escolas de Arte da UFBA e a vanguarda na Bahia dos anos 70”.

Com um currículo rico de realizações e reconhecimento do público e crítica,  Lia vai passear na memória das artes cênicas da Bahia dos anos 50 e 60, época que o Reitor Edgar Santos da Universidade da Bahia criou as escolas de arte, que geraram uma comunidade unida onde havia intenso intercâmbio de idéias e trabalhos integrados. Quase todos professores vieram de fora e a maioria de alunos eram baianos de Salvador e do Interior do Estado. Segundo Lia Robatto, “formou-se uma interessante comunidade numa cidade carente de artistas profissionais ou alunos em formação, principalmente entre o pessoal de música, teatro e dança, quase todos se sentindo um tanto excluídos numa cidade ainda muito retrógrada e fechada aos comportamentos e idéias ‘extravagantes’ dos artistas”.

As três novas escolas de arte, nasceram e se consolidaram sob o signo da modernidade, sob forte influência da arte europeia e norte americana. Porém o grande diferencial da arte gerada na Bahia , era a forte presença da cultura popular de herança ou africana ou sertaneja, que permeava toda a poética criativa em curso, nesta rica combinação da reverência ao passado, tradicional e popular mesclada com uma nova linguagem na perspectiva do futuro e do erudito.”

Lia lembra: “Os alunos e professores de Música, Teatro e Dança da UFBA, costumavam assistir aulas, palestras, oficinas e apresentações uns dos outros, já prenunciando uma desejável interdisciplinaridade. Também alunos de várias outras áreas, não só de artes, frequentavam assiduamente as atividades dessas escolas, como Glauber Rocha e Caetano Veloso. Esse ambiente, disse Lia, gerou, dentro e fora da universidade, uma produção artística rica em experimentalismos, a chamada arte de vanguarda dos anos 60, onde a Bahia se destacou no cenário nacional.”

LIA ROBATTO: 50 ANOS DE DANÇA, ARTE E GRAÇA

Lia Roabatto vem atuando nas Artes Cênicas como professora na Universidade Federal da Bahia, na Escola Parque de Anísio Teixeira, como gestora na Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, na ONG Projeto Axé entre outras instituições culturais. Como coreógrafa, montou espetáculos experimentais itinerantes e ambientais, ou em busca de uma autoexpressão. Dirigiu e coreografou mais de 40 coreografias para várias companhias de dança, como Balé da Cidade S.P e seu Grupo Experimental de Dança, BTCA e ou cias. independentes.

Paulistana., Lia Robatto foi formada por Yanka Rudzka, uma das pioneiras da dança moderna do Brasil. Em 1957, à convite do Reitor Edgar Santos veio para a Bahia exercendo as funções de bailarina da Escola de Dança da Universidade Federal da Bahia e como assistente de sua mestra Yanka, fundadora da referida Escola, a 1ª. Escola Universitária de Dança do Brasil, onde também se graduou.

Lia foi professora nas Escolas de Dança e de Teatro da Universidade Federal da Bahia de 1957 à 1981. Fundou as Escolas de Iniciação Artística (1965), de Dança da Fundação Cultural do Estado da Bahia (1984), e seu Curso Técnico Profissionalizante (198 8) ,  a Escola de Dança e Capoeira no Projeto Axé e sua Cia. Jovem GICÁ (199 8) . Implantou os cursos de dança na Escola Parque (1962) e de expressão corporal na Escola Técnica Federal, Bahia (1972)

Publicou os livros: “Dança em Processo, a linguagem do indizível” pela EDUFBA, 1994, e “Passos da Dança”, com Lúcia Mascarenhas, pela Casa Jorge Amado em 2002, e “A dança como via Privilegiada de Educação” também pela EDUFBA 2012, além de vários artigos em revistas e jornais.

Lia foi Presidente do Conselho Estadual de Cultura da Bahia, Fundadora e Presidente da Associação TCA, Consultora no Instituto Via Magia, Consultora do Ateliê de Coreógrafos, entre outros.

Recebeu diversos títulos e comendas oficiais, tais como: “Ordem do Mérito na classe de Comendador” – Presidência da República” “Comenda 2 de Julho” (Assembleia Legislativa do Estado da Bahia) “Ordem do Mérito do Estado da Bahia, Grau de Cavaleiro” (Governo Estadual)  “Título de Soteropolitana” (Câmara dos Vereadores de Salvador) Medalha Edgar Santos da Universidade Federal da Bahia  além de vários prêmios artísticos tais como APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) Troféu “Martim Gonçalves”, Bahia (por 3 anos) Bolsa Vitae de Artes, São Paulo.

Share

PERNAMBUCO | TERREIRO MUSICAL CELEBRA A CONSCIÊNCIA NEGRA COM BANTUS REGGAE

CARTAZ TERREIRO NOV2017

Após um mês, o Ponto de Cultura Centro de Capoeira São Salomão realiza no próximo dia 26 de novembro (domingo)  o Projeto Terreiro  Musical  com uma edição especial em comemorações ao dia da Consciência Negra. Sendo o único Ponto de Cultura de Capoeira em Pernambuco o Centro de Capoeira São Salomão busca fortalecer esta arte de resistência exaltando as expressões culturais de Matriz Africana e valorizando os artistas Negros do Estado. Nas comemorações o Terreiro Musical traz ao Centro de Capoeira São Salomão a banda Bantus Reggae. Com 21 anos de estrada a Bantus Reggae é uma grande referência da musicalidade negra pernambucana. Criada no ano de 1996, pelo músico Hildelarques  Alves, a Bantus Reggae surgem Casa Amarela  inicialmente como Bando do Reggae em parceria com o músico Marcelo Santana.

Sua música, o reggae, tem influência, além das referências como Bob Marley, Peter Tosh, Alpha Blond, da música negra pernambucana.  Além do Bantus Reggae  a programação do Terreiro Musical contará ainda com o Cine Mandinga acompanhado de um debate sobre racismo e negritude, além de feira afroempreenderora, food truck e o Café com Ginga. O Terreiro Musical Edição Especial da Consciência Negra acontecerá dia 26 de novembro (domingo) a partir das 16h no Centro de Capoeira São Salomão (Av. Amaro Gomes Poroca, 267, Várzea, Recife/PE), o show do Bantus Reggae acontecerá a partir das 19h. Os Ingressos (Show) custam R$ 10,00. Maiores Informações pelos fones (81) 991721957 (Dani Gouveia) ou (81) 997616984 (Gabi Apolonio).

SERVIÇO:

TERREIRO MUSICAL – EDIÇÃO ESPECIAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA

QUANDO? 26 de novembro de 2017 (domingo)

QUANTO? R$ 10,00 (Show do Bantus Reggae)

PROGRAMAÇÃO:

16h – Feirinha AfroEmpreendedora (Gratuito)

17h30 – Cine Mandinga com debate (Gratuito)

19h – Show do Bantus Reggae (R$ 10,00)

Share

MinC: Serra da Barriga, em Alagoas, celebra Dia da Consciência Negra

foto-2-2

(Foto: Marcelo Araújo)

Uma grande festa com centenas de pessoas marcou as comemorações do Dia da Consciência Negra, 20 de novembro, nesta segunda-feira, no Parque Memorial Quilombo dos Palmares. Este ano, o tom do evento ficou com o título recebido pela Serra da Barriga, em União dos Palmares (AL), de Patrimônio Cultural do Mercosul.

A programação começou ainda na madrugada, com a celebração de rituais religiosos de matriz africana. Por toda manhã, rodas de capoeira, grupos de percussão e cantos animaram os presentes. Moradores de todo o estado de Alagoas, entre eles alunos de escolas públicas, e turistas compareceram aos festejos.

A solenidade contou com a participação do presidente da Fundação Cultural Palmares (FCP), Erivaldo Oliveira, do governador de Alagoas, Renan Filho, do prefeito de União dos Palmares, Kil Freitas, e do primeiro presidente da Fundação Palmares, Carlos Moura, além de autoridades federais, estaduais e municipais, do meio acadêmico, dos quilombolas, dos capoeiristas, dos povos de terreiro e da sociedade civil em geral.

O presidente da FCP entregou aos membros da Comunidade Quilombola Muquém, de União dos Palmares, o Selo Quilombola. O documento resulta de parceria entre a Fundação Palmares a Secretaria Especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário. A artesã Albertina Nunes recebeu o selo, que agrega valor às atividades dos remanescentes de quilombos. Depois, Erivaldo Oliveira e Renan Filho deram os certificados de conclusão da capacitação para multiplicadores do projeto Conhecendo Nossa História: da África ao Brasil, uma iniciativa da FCP em parceria com o Ministério da Educação (MEC) e prefeituras.

Império da Guiné

A cerimônia teve também um lançamento importante, do jogo Império da Guiné, desenvolvido pela Fundação Palmares e Instituto Federal de Brasília (IFB). O material será trabalhado em escolas que aderiram ao Conhecendo Nossa História, apresentando aspectos diplomáticos culturais e científicos da África. Ainda no evento, o governador Renan Filho assinou a ordem de serviço para implantação de mais de 7km de asfalto no acesso à Serra da Barriga, o que deve contribuir para fortalecer o turismo na região.

Erivaldo Oliveira agradeceu o apoio do governo estadual para o desenvolvimento da Serra da Barriga, localidade que no passado abrigou o Quilombo dos Palmares, onde Zumbi dos Palmares liderou a luta pela liberdade do povo negro. O presidente da FCP adiantou que, em 2018, sua instituição vai propor a candidatura da Serra da Barriga ao título de Patrimônio Cultural da Humanidade na reunião da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). “Hoje o setor de turismo é o que mais cresce no mundo inteiro. Queremos fazer daqui um lugar de grande visitação, mas de forma organizada, com as pessoas aprendendo sobre a religiosidade de matriz afro, sobre o gingado da capoeira e sobre a história de Zumbi dos Palmares”, destacou.

Carlos Moura lembrou que a história da Fundação Palmares começou no fim dos anos 80, depois que militantes do movimento negro conheceram a Serra da Barriga. “Meus cumprimentos à Fundação Palmares pelo excelente trabalho. Não basta só denunciar o racismo e o preconceito. É preciso ter políticas públicas como as que esta instituição realiza”, elogiou o primeiro presidente da Fundação, que em 2018 comemora 30 anos de criação.

O prefeito Kil Freitas observou que a chegada do título de Patrimônio Cultural do Mercosul coincide com um momento de mudanças para União dos Palmares. Renan Filho parabenizou a Fundação Palmares pelo trabalho realizado na promoção da cultura e na defesa dos direitos do povo negro. “Hoje é um dia especial, o primeiro 21 de novembro tendo a Serra da Barriga como Patrimônio Cultural do Mercosul. Viva Zumbi! Axé”, afirmou Renan Filho.

A cada ano, uma surpresa

Para quem compareceu à festa do Dia da Consciência Negra, junto com a comemoração da data havia o orgulho pelo reconhecimento do Mercosul, que contou com campanha empreendida pela Fundação Palmares. A jovem Ekedi Lucélia Tainá participa dos festejos desde criança e trazia a alegria estampada no rosto. “Cada ano, temos uma surpresa. Em 2017, é o título para a Serra. Significa mais uma reverência à memória do nosso herói, Zumbi dos Palmares”, ressaltou Lucélia.

O estudante Jeiverson Bernardo contou que é importante prestigiar os eventos do Dia da Consciência Negra. “Esta data nos faz refletir sobre as questões do povo negro por todo o ano”, disse. O técnico de enfermagem Jadiel Rodrigues subiu a serra pela primeira vez e ficou feliz com o que viu. “Nem dormi nessa noite. Estou bastante empolgado”, revelou Jadiel.

Para o ativista do movimento negro e professor Zezito Araújo, o título dado pelo Mercosul inaugura um novo capítulo na história da Serra da Barriga. “Vivemos um resgate dos nossos valores. A população alagoana está tomando conhecimento do que aconteceu aqui e, automaticamente, melhorando sua autoestima”, declarou Zezito.

Share