Espetáculo “Mamulengo do Ambrósio” chega em Caruaru (PE)

17547604_545963028934667_1861113482_o“Mamulengo do Ambrósio” que mistura diversos elementos da cultura popular nordestina como o Coco, Cavalo Marinho, Boi de Mamão, literatura de cordel e teatro de rua conta a “história de uma trupe de mambembes trapaceiros e atrapalhados que trazem em suas malas muitas histórias. Esta trupe conta com a esperteza e malandragem de Mateu e Catirina para escapar das armadilhas do coronel João Redondo”, sintetiza o grupo.

O Coletivo Hetéaçã é formado por Gessyca Geyza Silva, Joesile Cordeiro, Felipe Espíndola e a Cia. Armorial Teatro de Bonecos está representada por Alex Apolônio.

17500050_545962942268009_1000713462_o

Foto: Divulgação

Em Caruaru, a apresentação é produzida pelo Coletivo Artístico Fuxico de Chita, tem assessoria da Cia Bacural Cultural e apoio da Casa da Cultura José Condé.

Além da apresentação, o grupo alagoano promoverá na cidade uma performance, intercâmbio cultural, teatro Lambe-lambe na Feira da Sulanca (dia 03) e uma oficina ministrada pela atriz Gessyca Geyza Silva.

Serviço

Quando: sábado (01) – 10h
Onde: Estação Ferroviária de Caruaru
Quanto: gratuito
Classificação: Livre
Share

Brasil sediará estágio do Programa Iberbibliotecas

photo5100546132886529975O Brasil foi escolhido para sediar o estágio do Programa Iberbibliotecas, previsto para novembro, em São Paulo. Durante uma semana, 27 bibliotecários selecionados pelos países e cidades membros do programa farão visitas, contatos e intercâmbios com instituições do setor. Eles tratarão, durante os estudos e debates, dos seguintes temas: biblioteca para todos; biblioteca inclusiva e acessível; atendimento a diferentes públicos em situação de exclusão; e acessibilidade e desenho universal na área do livro, leitura e bibliotecas.

Podem ser inscrever bibliotecários de bibliotecas públicas e comunitárias dos países e cidades integrantes do Iberbibliotecas – Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Espanha, México, Paraguai, Buenos Aires (Argentina) e Medellín (Colômbia). O processo de postulação ao estágio é público e as inscrições devem ser enviadas diretamente pelos postulantes ao e-mail da Unidade Técnica do Iberbibliotecas: iberbibliotecas@cerlalc.org, que as redistribuirá para os países correspondentes dos inscritos. A pré-seleção será feita nesses países e a seleção definitiva será realizada pelo Comitê Intergovernamental do Programa Iberbibliotecas.

A proposta de estágio é a de proporcionar visitas, contatos e intercâmbios com instituições voltadas à temática do livro e leitura (bibliotecas públicas, comunitárias e escolares, centro culturais, organizações da cadeia produtiva do livro, núcleos de estudos e pesquisas etc.), além de organizações do campo da cultura e artistas com propostas inovadoras no campo da acessibilidade e inclusão de grupos historicamente marginalizados (pessoas com deficiência, grupos da periferia da cidade, população de rua e pessoas idosas, entre outros).

Entre os objetivos do estágio estão também a contribuição para o fortalecimento das políticas, programas e projetos relativos ao livro e à leitura, introduzindo a questão da acessibilidade e inclusão de forma articulada e transversal, além de consolidar parcerias entre bibliotecas e outros equipamentos culturais e educacionais, como museus, centros culturais, escolas e teatros.

Escolha do Brasil

Neste ano, cinco propostas concorreram como sede do estágio, sendo uma do Brasil, uma de Medellín e três da Espanha. Os integrantes do Programa ranquearam os postulantes por ordem de prioridade e a proposta brasileira foi a que recebeu mais votos como primeira opção.

“A vitória do Brasil para sediar este estágio é triplamente importante: primeiro, por reconhecer o trabalho da atual gestão do Departamento de Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas (DLLB), que apresentou uma proposta robusta e de qualidade, focando uma temática relevante, atual e desafiadora para todas as bibliotecas do mundo: a acessibilidade e a inclusão compreendidas de forma ampla”, afirma o diretor do DLLLB, Cristian Brayner. “Segundo, por abrir espaço para que os bibliotecários e agentes de leitura do País apresentem as boas práticas das bibliotecas e centros de leitura e, terceiro, por possibilitar que estes mesmos atores conheçam as diversas ações desenvolvidas pelos países latino-americanos”, avalia.

A participação dos estagiários será custeada pelo próprio Iberbibliotecas (investimento de US$ 58.120) e está limitada a três participantes por país ou cidade integrante do Programa. A coordenação do estágio ficará a cargo da Mais Diferenças, organização da sociedade civil de interesse público (Oscip) que já realiza outras parcerias com o MinC, como o Projeto Acessibilidade em Bibliotecas Públicas, junto com o DLLLB.

O Programa

O programa Iberbibliotecas é uma realização do Centro Regional para o Fomento do Livro na América Latina e no Caribe (Cerlalc), órgão da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) responsável pelo fomento ao livro e à leitura na América Latina, no Caribe, em Portugal e na Espanha.

Esta é a segunda edição do Estágio/Pasantía. A primeira foi realizada no ano passado em Medellín, na Colômbia.

Camila Campanerut
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura
Share

Ancine lança programa para viabilizar conteúdo acessível

C8FsXVPXgAA7VCPA Agência Nacional do Cinema (Ancine) lançou, nesta terça-feira (28), o Programa de Apoio à Distribuição de Conteúdo Acessível no Segmento de Exibição Cinematográfica 2017. A iniciativa visa garantir que os lançamentos de pequeno porte contem com recursos de acessibilidade para deficientes visuais e auditivos.

A acessibilidade aos portadores de deficiência visual e auditiva nas salas de cinema está prevista na Lei 13.146/2015, que instituiu o Estatuto da Pessoa com Deficiência, e na Instrução Normativa nº 128/2016, editada pela Ancine em setembro, que regulamenta o provimento de tecnologia assistiva.

De acordo com os comandos legais, os filmes nacionais e estrangeiros, exibidos em todo o País, devem dispor dos recursos de legendagem; legendagem descritiva (que indica, para surdos, ruídos e sons importantes para a construção da narrativa); audiodescrição (que auxilia os cegos na compreensão da mensagem, com a narração de informações visuais) e da Língua Brasileira de Sinais, conhecida como LIBRAS.

“Todos os brasileiros devem ter direito ao acesso às obras audiovisuais da forma em que são oferecidas. A obrigação de acessibilidade é uma questão civilizatória. Esse programa de apoio à distribuição de conteúdo acessível foi pensado para que todos os filmes, mesmo aqueles lançados em poucos cinemas, cheguem aos brasileiros que necessitam de tecnologia assistiva”, explica o diretor-presidente da Ancine, Manoel Rangel.

Parâmetros

No segundo semestre de 2016, a Ancine instalou uma Câmara Técnica com a participação de representantes dos segmentos de distribuição e exibição para acompanhar a implementação e validar as tecnologias de provimento dos recursos de acessibilidade visual e auditiva nas salas de cinema brasileiras.

Os trabalhos foram concluídos neste mês, com a publicação de um Termo de Recomendações que estabelece os parâmetros mínimos a serem observados para a distribuição e exibição de conteúdo acessível nas salas de exibição. O documento apresenta especificações técnicas recomendadas a empresas distribuidoras, exibidoras e provedoras de soluções de acessibilidade determinando um padrão a ser seguido no provimento dos serviços de acessibilidade auditiva e visual.

O termo pactuado entre os participantes da Câmara Técnica determina os formatos de distribuição dos arquivos digitais e o fluxo de distribuição dos conteúdos acessíveis, além de abordar a questão da proteção relativa aos direitos autorais pertinentes a esses conteúdos.

Clique aqui para acessar o Termo de Recomendações produzido pela Câmara Técnica sobre Acessibilidade.

Como funciona o Programa de Apoio

O Programa de Apoio à Distribuição de Conteúdo Acessível no Segmento de Exibição Cinematográfica 2017 vai contemplar com até R$ 15 mil as empresas distribuidoras de filmes nacionais ou estrangeiros com ocupação máxima de até 20 salas de cinema.

Os apoios serão destinados às obras, nacionais ou estrangeiras, a serem exibidas comercialmente até 30 de junho de 2018. O valor do apoio deve ser utilizado exclusivamente para a execução de serviços de legendagem, legendagem descritiva, LIBRAS e audiodescrição.

Os pedidos devem ser feitos em nome das distribuidoras (ou da empresa produtora que esteja distribuindo diretamente a obra), que precisam estar com o cadastro regularizado na Ancine.

Os interessados devem preencher o formulário e anexar a documentação solicitada no regulamento do Programa, disponível aqui.

A partir do dia 16 de maio de 2017, as empresas distribuidoras devem oferecer os filmes aos cinemas com recursos de legendagem, legendagem descritiva e audiodescrição. Os filmes distribuídos a partir de setembro devem também contar com recursos de linguagem de LIBRAS.

Saiba mais

A entrada em vigor da Lei 13.146/2015, que instituiu o Estatuto da Pessoa com Deficiência, fixou um prazo máximo de quatro anos, a partir de 1º de janeiro de 2016, para que as salas de cinema brasileiras ofereçam, em todas as sessões, recursos de acessibilidade para pessoas com deficiência. A partir do comando legal, a Ancine editou, após um período de consulta pública, normativo que dispõe sobre as normas gerais e critérios básicos de acessibilidade visual e auditiva a serem observados nos segmentos de distribuição e exibição cinematográfica.

De acordo com a Instrução Normativa nº 128, as salas de exibição comercial deverão dispor de tecnologia assistiva voltada à fruição dos recursos de legendagem, legendagem descritiva, audiodescrição e LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais. Os recursos serão providos na modalidade que permita o acesso individual ao conteúdo especial, sem interferir na fruição dos demais espectadores.

Para a formulação da IN foram realizadas uma Análise de Impacto Regulatório, publicada em fevereiro 2015 – com amplo levantamento sobre a experiência internacional na implantação desses recursos e pesquisa sobre as tecnologias disponíveis no mercado -, e uma Consulta Pública em julho de 2016.

Mais informações: (21) 3037-6003/6004 e comunicacao@ancine.gov.br

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura
Com informações da Ancine
Share

Prefeito do Exu (PE) recebe visita do Ministério da Cultura

IMG-20170327-WA0044Na manhã da última segunda feira (27), o Prefeito do Exu Raimundinho Saraiva, recebeu no seu Gabinete a visita da representante do Ministério da Cultura no Nordeste,  Maria do Céu, que externou enorme interesse pela cultura local, e salientou que o Minc está abrindo as portas para as cidades do interior.

Estiveram presente na reunião a equipe da Secretaria de Cultura, o Secretário de Cultura Rodrigo Honorato, Chefe de secretaria Cícero Marcelino e a Agente Administrativa Eliana Galdino. No ato do encontro foi apresentado pela equipe da SECULT os planos e projetos para apoio e desenvolvimento da cultura e turismo no município de Exu.

*Com informações da Assessoria

Share

1º Ciclo de Palestras do Centro de Conservação e Preservação Fotográfica – Funarte: vídeos online

Post_CCPF-30anos-fotos-S.-Castellano-24A partir do dia 20 de março, o blog do Centro de Conservação e Preservação Fotográfica (CCPF) – Funarte disponibilizou o acesso a vídeos com as conferências do 1º. Ciclo de Palestras CCPF Funarte 30 anos.

Com os temas Fotografia Digital e Preservação e Fotografia, Periferia e Memória, o seminário foi realizado em novembro de 2016, no Museu Histórico Nacional, com explanações de profissionais destacados na atividade, como Pedro Karp Vasquez – um dos criadores e diretores do Instituto Nacional de Fotografia da Funarte, fundado em 1984 (que originou o CCPF) –. Entre os palestrantes estão ainda: João Roberto Ripper, Dante Gastaldoni, Tatiana Altberg, Marizilda Cruppe e outros.

Criado em 1987, o Centro de Preservação e Conservação Fotográfica da Funarte é um núcleo de referência nacional em sua área de atuação. É direcionado à capacitação técnica à disseminação de conhecimento e à memória da conservação fotográfica.

Projetos do CCPF

O 1º Ciclo de Palestras CCPF Funarte 30 anos.constitui a primeira etapa de um projeto maior: o Memória da Conservação Fotográfica. Nele está planejada uma série de encontros, cujo intuito é mapear a atuação do CCPF nas três últimas décadas. Também estão sendo programadas novas palestras e oficinas para 2017, também no Rio de Janeiro. Acompanhe notícias a respeito neste portal.

Fundação Nacional de Artes – Funarte

Centro de Programas Integrados (Cepin)
Direção: Maristela Rangel

Centro de Preservação e Conservação Fotográfica (CCPF)
Coordenadora: Sandra Baruki

1º Ciclo de Palestras CCPF Funarte – 30 anos

Acesse aqui as palestras, no blog do CCPF

Acesse aqui mais informações sobre o seminário e os palestrantes

Share

MinC investe no fomento às artes cênicas ibero-americanas

Iberescena-intro2O Ministério da Cultura (MinC) vai repassar o equivalente a US$ 120 mil para a Fundação Nacional de Artes (Funarte) para garantir a participação brasileira no Fundo de Ajuda para as Artes Cênicas Ibero-Americanas (Iberescena), que fomenta as artes cênicas ibero-americanas. Cada um dos 12 países participantes (Brasil, Argentina, Colômbia, Chile, Costa Rica, Equador, El Salvador, Espanha, México, Panamá, Peru e Uruguai) contribui com uma cota em dinheiro para este fundo, que estimula a formação de novos públicos na região e amplia o mercado de trabalho dos profissionais dessas artes, por meio da cooperação técnica e financeira.

Nesta semana, de terça (28/3) a quinta-feira (30/3), ocorre a 22ª Reunião do Conselho Intergovernamental do Iberescena, em Santiago, no Chile, onde serão alinhadas as diretrizes do próximo edital do programa, a ser lançado em breve.

“O apoio financeiro do MinC ao Programa Iberescena é fundamental. E, mais do que patrocinar, vamos acompanhar o que o Brasil e os demais países membros do Iberescena estão fazendo com os recursos, como estão investindo nas artes cênicas. Queremos participar do processo”, afirmou o presidente da Funarte, Stepan Nercessian, nesta segunda-feira (27/3), data em que se comemora o Dia Mundial do Teatro.

“A iniciativa é importante para a divulgação das artes cênicas brasileiras no exterior, o que induz a outras parcerias e potencializa novas ações”, ressalta o coordenador-geral de Cooperação e Relações Internacionais do Departamento de Promoção Internacional (Deint) do MinC, Eduardo Coelho.

O Brasil é membro do Iberescena desde 2010. O programa foi criado em 2006 pelos chefes de Estado e de Governo na XVI Cúpula Ibero-Americana, realizada em Montevidéu, no Uruguai, para fomentar a diversidade cultural ibero-americana no âmbito das artes cênicas.

De acordo com o coordenador do Centro de Artes Cênicas (Ceacen) da Funarte, Fabiano Carneiro, que vai a Santiago participar do evento, o Iberescena fortalece a conexão com outros países. “Antes da criação do programa, o Chile tinha mais conexão com países da Europa do que com o Brasil, por exemplo, e isso mudou. Existem interlocuções muito significativas. Temos uma série de desdobramentos a partir de projetos contemplados em outras edições. Coreógrafos de diversos países da América Latina têm estabelecido relações com grupos e companhias brasileiras. Na última edição, tivemos 120 projetos inscritos”, destaca.

Logo após a Reunião do Conselho Intergovernamental do Iberescena, Carneiro vai participar do primeiro Seminário Internacional sobre Políticas Públicas em torno das Artes Cênicas, de 31 de março a 1º de abril, também no Chile. O encontro busca gerar instâncias de reflexão sobre o cenário atual e analisar o papel do Estado na promoção de cada setor para atender aos seus problemas e necessidades.

Alessandra de Paula
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura
Share

Ministro da Cultura destaca importância da prorrogação do Recine

recine_2-01O ministro da Cultura, Roberto Freire, destacou a importância da prorrogação do prazo para a utilização do Regime de Tributação para o Desenvolvimento da Atividade de Exibição Cinematográfica (Recine), autorizado por meio da Medida Provisória nº770/2017. De acordo com o texto publicado nesta segunda-feira (27) no Diário Oficial da União (DOU), o benefício fiscal poderá ser usado até o dia 31 de dezembro deste ano.

Na avaliação do ministro, é fundamental que se possa dar continuidade a uma lei de incentivo para o fomento das atividades do audiovisual e, especificamente, do cinema brasileiro. “O Recine contribui fortemente para a manutenção de programas importantes do setor. Permitindo inclusive que não haja interrupção na construção de salas de cinema no País, por exemplo”, ressaltou.

A proposta de renovação do Recine foi encaminhada pela Agência Nacional do Cinema (Ancine) para a Casa Civil, para o Ministério da Cultura e para a Presidência da República. A renovação dependia da aprovação da Presidência.

Para a secretária do Audiovisual do MinC, Mariana Ribas, a medida favorece o exibidor e, principalmente, a população. “A prorrogação do Recine reforça o compromisso do governo em continuar estimulando a ampliação do parque exibidor, cujas medidas tributárias permitem a modernização de salas já existentes e a implantação de novas salas de cinema em municípios que ainda não possuem o equipamento”, afirmou.

Recine

Instituído por meio da Lei 12.599/2012, o Regime Especial de Tributação para o Desenvolvimento da Atividade de Exibição Cinematográfica tem por objetivo fortalecer a sustentabilidade e a viabilidade econômica da atividade, especialmente dos projetos financiados com recursos da União.

A redução de custos ajuda a viabilizar os investimentos e empréstimos do Fundo Setorial do Audiovisual, previstos pelo Programa Cinema Perto de Você, e confere  sustentabilidade às salas do Projeto Cinema da Cidade, ambos geridos pela Ancine.

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura
Share

Escola Nacional de Circo forma primeira turma em maio

EscolaNdeCircoeRedeGlobo220706-7No dia 27 de março, comemora-se o Dia Nacional do Circo e o Ministério da Cultura (MinC) apoia a arte circense por meio da Escola Nacional de Circo (ENC), localizada no Rio de Janeiro (RJ). Única instituição de ensino mantida diretamente pelo ministério, por meio da Fundação Nacional de Artes (Funarte), a escola é reconhecida internacionalmente, recebendo atualmente estudantes de 7 países e 17 estados brasileiros, todos com bolsa de estudos integral.

O presidente da Funarte, Stepan Nercessian, ressalta a importância da instituição. “No Dia Nacional do Circo, parabenizamos todos os artistas heróis da resistência. O circo vinha sofrendo muitos reveses, mas começa a se transformar. Este ano, a coisa mais importante para nós é a formatura dos alunos da Escola Nacional de Circo, em maio. Será a primeira turma de artes circenses reconhecida pelo Ministério da Educação. É um marco no sentido de desmarginalizar o circo. Estamos trabalhado também na retomada dos editais”, adianta.

Curso técnico

Atualmente, a instituição mantém 55 alunos matriculados e oferece aulas em turno integral. Os estudantes aprendem várias técnicas, como manipulação de malabares, acrobacias e equilíbrio. A admissão é realizada por concurso público. A duração é de quatro semestres e no final é realizado um espetáculo de formatura. O curso técnico é realizado em parceria com o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ).

De acordo com Carlos Vianna, coordenador da ENC, a instituição atende às demandas da sociedade. “Temos um trabalho muito importante de resgate da tradição do circo. Também desenvolvemos novas potencialidades, criando números e espetáculos inéditos. O diretor italiano Roberto Magro coordena o projeto, que envolve oito turmas”, explica o coordenador. Ele ainda conta que os 35 anos da escola serão comemorados de 13 a 21 de maio, com apresentações diferentes a cada dia.

Praça da Bandeira

Criada em 1982 pelo circense Luís Olimecha e por Orlando Miranda, a Escola Nacional de Circo reúne profissionais com mais de trinta anos de carreira artística, alguns provenientes da equipe que fundou a instituição. A escola está situada na Praça da Bandeira, ponto tradicional de armação de circos no século 19 e início do século 20.

O terreno, de 7 mil metros quadrados, abriga uma lona moderna de quatro mastros, com capacidade para 1,2 mil espectadores. O espaço possui salas de aula, dança, auditório, musculação, fisioterapia, refeitório e oficina para confecção e conserto de aparelhos.

Informações sobre a inscrição de alunos podem ser obtidas pelo telefone (21) 2504-3720 e e-mail escolacirco@gmail.com.

Alessandra de Paula
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura
Com informações da Funarte
Share

MinC participa de encontro voltado ao mercado de arte

GALERIAS EM DEBATEO primeiro encontro profissional no Brasil voltado ao mercado de arte, Galerias em Debate: Mudanças e Oportunidades, contará nesta segunda-feira (27), em São Paulo, com a participação do Ministério da Cultura (MinC). A representante da
pasta será a diretora de Estratégia Produtiva da Secretaria de Economia da Cultura (SEC) e secretária-substituta, Ana Letícia do Nascimento Fialho.

A diretora participará, a partir das 17h, da mesa redonda Esfera pública e privada: gestão e cooperação, ao lado da professora Gisele Jordão, da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM São Paulo). O mediador será o gerente de Exportações da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), Christiano Braga.

O evento é composto por dois dias de debates sobre perspectivas inovadoras para o mercado da arte, com convidados brasileiros e internacionais. Serão realizados apresentações, mesas redondas, tira-dúvidas e workshops na Sala Itaú Cultural (Avenida Paulista, 149 – São Paulo/SP).

Entre os temas a serem discutidos no evento estão o papel das galerias no atual e futuro sistema das artes; galerias como agentes culturais; e marcos legais, melhores práticas e meios e razões para internacionalização. Confira a programação completa.

O Galerias em Debate é uma realização do Latitude, programa desenvolvido para promover a internacionalização do mercado brasileiro de arte contemporânea – resultado da parceria entre a Associação Brasileira de Arte Contemporânea (ABACT) e a Apex-Brasil.

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura
Share

Paraíba comemora Dia Mundial do Teatro e Nacional do Circo com oficinas em sete cidades

1399640257981-circoNesta segunda-feira, dia 27 de março, comemora-se o Dia Mundial do Teatro e Nacional do Circo. Para celebrar a importância dessa data, sete cidades de diferentes regiões da Paraíba recebem oficinas gratuitas no período de 27 a 31 deste mês. A ideia é valorizar a formação em artes cênicas, oferecendo a atores profissionais e amadores a oportunidade de compartilhar experiências e conhecimentos nessa área.

Ao todo, serão cinco dias de atividades nos municípios de Cajazeiras, Curral Velho, Itaporanga, Conde, Alagoinha, Alagoa Grande e Bananeiras.

O evento é realizado pelo Governo do Estado, por meio da Fundação Espaço Cultural da Paraíba (Funesc), com apoio das prefeituras que estão acolhendo a iniciativa. Toda a programação é gratuita.

Formação – O Ensino das artes cênicas tem como objetivo desenvolver a familiarização com as linguagens artísticas a fim de ampliar o universo cultural do aluno. Ao educador, cabe o papel de facilitador, de provocador, de gerador de condições para que a expressão se manifeste, atingindo principalmente a capacidade de criar, improvisar, além de outras forças potenciais represadas ou adormecidas.

Programação

– Oficinas de Teatro

Cajazeiras – 27, 28, 29 e 30 de março

Oficina: Fundamentos Técnicos de Atuação na Perspectiva do Teatro Popular

Ministrante: Thardelly Lima.

Os jogos promovem oportunidade para que seja fomentada a formação de atores e atrizes no universo tão rico e interessante do Teatro Popular. Essa oficina visa criar um ambiente de troca e vivência através do treinamento técnico voltado à representação do teatral popular, bem como oferecer aos participantes conhecimentos históricos e teóricos. Durante o processo, o aluno contemplará conhecimentos relativos aos diversos fundamentos do trabalho do ator, seja em relação à voz, preparação corporal, dramaturgia, construção da personagem, improvisação, em suma, por meio da técnica de atuação do Teatro Popular, o aluno entrará em contato com os diversos fundamentos que regem a representação teatral.

Thardelly Lima – Ator, com licenciatura em Educação Artística (habilitação em artes cênicas) e especialista em Representação Teatral pela UFPB. Atualmente cursando Mestrado em Artes cênicas na UFRN. Integrou grupos de João Pessoa, como Graxa, Osfodidario e Piollin. Hoje atua no Ser Tão Teatro como ator no espetáculo Alegria de Náufragos e assistente de direção do espetáculo Flor de Macambira.

Curral Velho – 28, 29, 30 e 31de março

Oficina: Iniciação Teatral

Ministrante: Mirtthya Guimarães

Esta oficina tem o propósito de estimular atores para o fazer teatral, bem como experienciar jogos e dinâmicas corpóreo-vocais que estão fundamentados na Expressividade Caótica, proposta pela pesquisadora Mirtthya Guimarães e pelo diretor Humberto Lopes, que vem sendo desenvolvido pelo grupo de Teatro de Rua paraibano Quem Tem Boca é Pra Gritar, treinamento que tem por base a “Desordem Experimental”, fazendo com que o ator estabeleça seus “links” para a pré-ação do atuar.

Mirtthya Guimarães – Graduada em Licenciatura Teatro pela UFPB, Mestra em Arte Cênicas pela UFRN. Estudante da especialização: Arte, Educação e Sociedade, pelo CINTEP. Educadora, atriz e pesquisadora de Teatro de Grupo e Teatro de Rua. Faz parte do Grupo de Teatro de Rua Quem tem Boca é Pra Gritar. É articuladora da Rede Brasileira de Teatro de Rua (RBTR). Professora de Arte da Educação Infantil em CREIs, da Rede Municipal de Ensino de João Pessoa.

Itaporanga – 28, 29, 30 e 31 de março

Oficina: Iniciação Teatral

Ministrante: Humberto Lopes

Diretor teatral, ator, professor de teatro da Funesc. Fundou o grupo Quem tem boca é pra gritar com pesquisa no teatro de rua.

Conde – 28, 29, 30 e 31 de março

Oficina: Palavra e Cena

Ministrante: Suzy Lopes

A oficina propõe vivenciar a experiência da palavra no corpo em busca de uma poética possível para atores e não atores com a intenção de detectar pontos guardados e possam ser transformados em performance. A ideia surgiu da vivência que a ministrante investiga desde abril de 2005, quando idealizou o Projeto Café em Verso e Prosa, na qual estuda a utilização de recursos teatrais na récita poética. Trabalhar a partir do imaginário de cada participante, em busca de uma expressão poética, plástica e sonora de cada participante, experimentando por meio dos jogos e situações a intervenção do corpo em cena com a palavra falada, pensada ou fotografa, interagindo para uma possível performance itinerante que irá participar ao final da oficina de um cortejo na cidade do Conde em que os ministrantes irão fazer récitas por diversos pontos da cidade.

Suzy Lopes – Atriz, performer, produtora e coordenadora de teatro da Funesc. Fez bacharelado em Teatro pela UFPB. Está concluindo mestrado em Literatura e Interculturalidade com pesquisa em dramaturgia pela UEPB. Desde 1995, trabalha com teatro, cinema e performance. Atualmente é integrante da Galharufas Companhia de Teatro e realiza um sarau mensalmente no Empório Café.

Oficinas de Circo

Alagoinha: 27 e 28 de março

Oficina: Jogo de Bufão

Ministrante: Nyka Barros e Sávio Farias

A oficina traz o estudo e treinamento corporal a partir da ideia de construção da “criatura” e a descoberta de possibilidades e criação de discurso, pelo viés do bufão marginal e de outros tipos bufonescos, que são objetos de estudos nas pesquisas de mestrado de Nyka Barros e Sávio Farias, que irão ministrar a oficina.

Na oficina serão discutidas as possíveis analogias entre o treinamento com os animais asquerosos e o universo da bufonaria, tendo em vista que os bufões são tidos como párias da sociedade, igualmente repudiados, assim como os animais em questão. A oficina investiga a construção da coletividade e criação em grupo, por meio da ideia de bando, pois só muito raramente os bufões estão sozinhos. O discurso desenvolvido a partir da ideia de bufão marginal, tendo como base o treinamento desenvolvido por Roberta Casa Nova da sua experiência na escola de Phillipe Gaulier. Os aspectos animalescos trabalhados na oficina, juntamente com a técnica de bufão, podem auxiliar como aporte teorico-prático na compreensão de uma atuação mais performativa, desenvolvendo a pesquisa corporal, o potencial crítico e a expressão de um discurso potente como possibilidade formativa para o artista contemporâneo.

Sávio Farias é artista da cena, pesquisador e produtor cultural. Mestrando em Artes Cênicas pelo PPGAC da UFBA. Bacharel e Licenciado em Teatro pela UFPB. Integrante-fundador do Grupo Bufões de Olavo, atuando nos espetáculos Clown Bar (2010), Oração do Santo Gozo (2012) e Wanderer – Reino de Cegos (2016). Tem experiência e interesse nas áreas de atuação cênica, formação do artista teatral, palhaço e bufão, produção teatral.

Nyka Barros é Mestre em Artes Cênicas pela UFRN. Graduada em Teatro pela UFPB. Professora de Teatro do Centro Cultural Piollin e artista dos grupos Bufões de Olavo, Galharufas Cia. de Teatro, Cia. Nós 2 e Cia. de Teatro Argonautas. Pesquisa e prática em bufão, palhaço, teatro para bebês, música experimental e performance.

Alagoa Grande: 27 e 28 de março

Oficina: Técnicas circenses

Ministrante: Daniel Nóbrega

O circo é uma expressão artística milenar presente na cultura popular, basta lembrar da cantiga que declama “Hoje tem espetáculo? – Tem sim, senhor! Hoje tem marmelada? – Tem sim, senhor! ”, a primeira, senão a única referência de espetáculo que temos é a do circo. Nesse contexto, a oficina visa proporcionar um contato direto com algumas das técnicas responsáveis por criar esse mundo de encantamento que é o circo. Dentre as técnicas aplicadas na oficina estão: acrobacias de solo, acrobacia aérea (trapézio) e malabares. Ao experienciar o fazer circense, o participante se lança em um risco, não um risco cotidiano que sofremos todos os dias com o aumento da violência ou de ser atropelado no meio da rua, mas um risco prazeroso onde superamos nossos medos e nos desafiamos a cada nova experiência.

Daniel Nóbrega – Ator, palhaço, artista circense, animador e arte educador. Graduado em Licenciatura em Teatro pela Universidade Federal da Paraíba e Mestre em Artes Cênicas pela mesma instituição. Atualmente realiza pesquisas acadêmicas com foco na arte circense, atividades artísticas na Cia do Clownssicos (João Pessoa – PB) e ministra formação circense em cursos e oficinas realizadas em escolas e centros culturais.

Bananeiras: 27 e 28 de março

Oficina: EU, meu SER palhaço

Ministrante: Marinalva Rodrigues

A oficina pretende despertar o “ser palhaço” que cada um tem dentro de si, observando e sentindo seu universo. Entendendo a grande força que este ser tem de influenciar, tocar, sensibilizar com humor, crítica, respeito, ingenuidade e amor através da sua arte da palhaçaria.

Assim, será oferecido aos participantes experimentar, vivenciar e estudar a arte da palhaçaria a partir de jogos de Improvisação, de situações e gag’s clássicas de palhaços. Estimulando a criatividade imaginativa e jogando com elementos como: disponibilidade, percepção, entrega e prontidão. Despertar nos participantes uma gama de possibilidade de seus corpos, registrando repertórios próprios, que até então possam estar adormecidos para o ridículo e para a disponibilidade para com o público.

Marinalva Rodrigues – Formada em Educação Artística com habilitação em Artes Cênicas pela UFPB, professora efetiva de Teatro do Município de João Pessoa, estudou técnicas circenses com o professor Djalma Buranhem no Circo Escola Pirilampo (2002) junto com o Grupo de Circo e Teatro Lua Crescente, do qual faz parte e é vice-presidente. Deu continuidade a seus estudos em circo com oficinas ministradas por Joice Aglae, Teófanes Silveira (Palhaço Biribinha), Eros Galvão, Ulisses Nogueira, Diocélio Barbosa, Robson Raderchpek, Payaco Chacovachi, Léo Bassi, Ricardo Pucetti… Atuou e atua como professora de circo nas colônias de férias da Afrafep (2012 a 2015), do Sesc Gravatá (2015), do Espaço Cultural (2016/2017), Escola The Kids Place (2017). Área de anexos

*Com informações da  Secom/PB

Share