Recife ganha exposição com renomados artistas contemporâneos

 

A partir do dia 17 deste mês de julho – com abertura marcada para às 19h – até o dia 11 de agosto, a capital pernambucana será palco do “Grande Área – Recife” – uma exibição de trabalhos de renomados artistas visuais contemporâneos brasileiros, que traz à terra do Frevo e do Maracatu trabalhos de vídeo, vídeo-performance e cinema-performance.

A exibição convida para um despertar crítico e reflexivo, possibilitando ao visitante uma experiência associada a lugares comuns e situações dramáticas. A mostra faz parte do projeto “Grande Área – 2014”, realizado pelo Ministério da Cultura – MINC, FUNARTE e Fase 10 Ação Contemporânea, em seis capitais brasileiras, simultaneamente: Recife, Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo. Em Pernambuco, ficará localizado na Sala Nordeste de Artes Visuais da Funarte.

A exposição audiovisual coletiva “Grande Área – Recife” teve pré-estreia na fachada do Museu Cais do Sertão, dia 10 de julho, às 19h, e o projeto fez, ainda, exibição do filme “O Lugar de Todos os Lugares”, de Marcelo Coutinho, e bate-papo com o artista, no cinema São Luiz, dia 14, também às 19h, aberto ao público.

Com curadoria de Xico Chaves e Luiza Interlenghi, o projeto “Grande Área – 2014” tem como foco a difusão das artes visuais contemporâneas, valorizando a produção de artistas brasileiros, residentes em diversos estados, que desenvolvem os seus trabalhos na fronteira com outras manifestações artísticas, tais como o teatro, o cinema e a poesia. A proposta é valorizar manifestações artísticas experimentais, ampliando o alcance do público para possibilidades artísticas instigantes e transversalizadoras. O Grande Área acontecerá em cidades onde o MINC e a Funarte possuem representações.

Ao todo serão 13 participantes, entre artistas e coletivos, que levarão, prioritariamente para espaços urbanos, temáticas como: imagem e memória, a experiência da passagem do tempo nas sociedades controladas por câmeras de vigilância, a memória e seus laços com o imaginário, a constituição da subjetividade, o enfrentamento de conflitos individuais, o caráter performático do corpo em seus trânsitos urbanos e o resgate da história, a imagem transportada em consonância com fortalecimento de laços e tradições, a intervenção urbana como uma das principais ações das artes no mundo contemporâneo.

No Recife, o projeto reúne obras de quatro importantes artistas. A carioca Maria Helena Magalhães, Professora do Departamento de Artes Visuais da Universidade Federal da Paraíba, apresenta a vídeo-performance Walking On March, considerado um de seus mais emblemáticos trabalhos.

O artista plástico e professor de Artes da Universidade Federal de Pernambuco Marcelo Coutinho apresenta o seu novo trabalho de cinema-performance “O Lugar de Todos os Lugares”. José Rufino traz também seu novo trabalho em vídeo, Myriorama. Já o artista visual pernambucano Paulo Meira expõe a obra Épico Culinário, também seu mais recente trabalho.

Na capital pernambucana, o projeto Grande Área é conduzido pela Representação da Funarte no Nordeste e conta com o apoio da Representação da Regional Nordeste do MINC.

Exposições a serem exibidas no recife:

WALKING ON MARCH

Artista: Maria Helena Magalhães

Linguagem: Vídeo-performance

Maria Helena Magalhães faz uma reflexão sobre as experiências temporais observadas em processos de globalização, utilizando como metáfora a ideia de caminhar continuamente, em passagem por lugares comuns (praças, praias, aeroportos, instituições, ruas etc.). Esses registros serão exibidos em projeções de grandes e pequenas dimensões.

O LUGAR DE TODOS OS LUGARES

Artista: Marcelo Coutinho

Linguagem: Cinema-performance

O filme mostra um homem carregando seu irmão gêmeo morto nas costas, por paisagens isoladas e degradadas, numa longa caminhada de sete dias. Com gêmeos reais, “O Lugar de Todos os Lugares” não possui lugar certo: está entre o cinema e a performance.

ÉPICO CULINÁRIO

Artista: Paulo Meira

Linguagem: Vídeo

Em suas instalações, Paulo Meira aproxima objetos usualmente separados, altera suas dimensões, atribuindo-lhes novos sentidos e significados. Para isso, utiliza os mais diferentes suportes, como pintura, instalação, fotografia, vídeo e performance. É parte importante de sua obra realizar pesquisas sobre o corpo, por meio de performances registradas em vídeo. Em Épico Culinário, a partir do processo de feitura de “bolos de rolo” (doce típico de Pernambuco), o artista aborda as complexas constituições da subjetividade contemporânea, decorrentes do encontro entre tradições e suas relações com o mundo atual.

MYRIORAMA

Artista: José Rufino

Linguagem: Vídeo

Em Myriorama, o artista utiliza materiais relacionados à história de sua família, como documentos, cartas, escrivaninhas, cadeiras que aparecem em suas instalações, objetos, desenhos e vídeos. Todo um repertório afetivo está presente em sua obra. O campo da arte torna-se um lugar para re-significações de toda uma narrativa pessoal e familiar.

 

SERVIÇO

Exposição audiovisual Grande Área – Recife

PRÉ ESTREIAS

Local: fachada do Museu Cais do Sertão – Avenida Alfredo Lisboa, S/N – Recife
Dia: 10 de julho (quinta-feira)
Horário: 19h

Local: Cinema São Luiz – Rua da Aurora, 175, Recife
Dia: 14 de julho (segunda-feira)
Horário: 19h

EXPOSIÇÃO

Grande Área Recife

Data: 17 de julho (abertura, às 19h) a 11 de agosto
Local: Sala Nordeste de Artes Visuais, da Fundação Nacional de Artes (Funarte)
Rua do Bom Jesus, 237 – Bairro do Recife

Mais informações: (81) 3117-8442

Confira fotos da pré-estreia na fachada do Museu Cais do Sertão, no dia 10 de julho:

Share